O FUTSAL TEM DONO?

por Marcelo Rodrigues

Se tiver, os donos são Brasil e Espanha.

O Brasil, na América do Sul, é avassaladoramente superior. Mesmo sem uma preparação ideal, mesmo com as distâncias diminuindo e estando minimamente bem preparados, vamos ser melhores. Às vezes temos um ou outro resultado apertado, afinal é difícil jogar contra "peladeiros", mas quando a bola rola à vera, com quem tenta e procura jogar, ainda conseguimos vencer.
Vencemos a Argentina por 4x0, tivemos boa participação do Tiago no início do jogo, levamos bola na trave mas depois controlamos o jogo e terminamos bem.

Falei muito sobre o fato de alguns jogadores não terem feito a pré-temporada, o que atrapalha muito a parte física, consequentemente a técnica e fundamentalmente a tática. Os da Europa, em meio de temporada, mesmo sem entrosamento perfeito, mandaram bem demais. Destaque para Bateria, Ari, Daniel, Fernandinho e Rato que carimbaram o passaporte. A se lamentar somente a estrutura da competição. É necessário um caderno de encargos na Conmebol, ou se existe, que se cumpra. Um torneio desses não pode ter arbitragem ruim, ele tem que se vender, tem que ser exemplo.

A seleção paraguaia conseguiu a classificação e treinou três meses para a competição. Chegou muito acima das outras na parte física. A Argentina melhorou muito e tem um jogo moderno, vistoso, que encara de igual para igual. Dessa vez o Brasil controlou e jogou bem, certo, aplicado: 4x0 e cabia mais. Parabéns a todos apesar da péssima estrutura da Confederação atual, com uma péssima preparação, com mudanças de planejamento constantes ao longo de quatro anos e inúmeros problemas administrativos. Vencemos, sim, e os atletas assim como a comissão técnica merecem aplausos por "botarem a cara "e honrarem a camisa amarela de Futsal. Mas serei implacável na cobrança de melhorias das condições para atletas, preparação, e modernidade.
Quem viu o Europeu de Futsal, sabe do que digo.

Falando nisso, a Espanha atropelou todo mundo. Chegou com três desfalques: Aicardo, Losano e Fernandão, mesmo assim todos que entraram deram conta do recado. Volume, intensidade, concentração e estudo com análise de desempenho de todos os adversários, e título na mão. O sétimo na Europa.

Eu canso de falar: temos os melhores treinadores ou pelo menos os de alto nível daqui se comparam aos de alto nível de lá, mas os recursos tecnológicos utilizados por eles, bem como a estrutura e a cultura do jogo que todos no país compartilham, fazem da Espanha um fortaleza na modalidade. São unidos, passam informações, estudam juntos, não falam mal uns dos outros, como às vezes acontece aqui, valorizam e respeitam o trabalho alheio e tem escola de treinadores reconhecida pela FIFA há bastante tempo. 

Aqui temos filosofias diferentes, donos da verdade e alguns gênios de verdade, que estão à frente do mundo mas não conseguem aplicar porque quem manda acha bobagem.

Eu, que segundo alguns, não sabia nada, ou quase nada, até outro dia (embora esteja há 20 anos na maior emissora da América Latina), estou sabendo um pouquinho mais.

Fui na Espanha aprender estrutura, busquei grupos daqui, com uma análise espetacular, e apoio isso desde de 1995 quando cheguei no Japão. Estamos em 2016 e acham bobagem. 

Aqui acham bobagem. 

O Cacau, treinador do Cazaquistão, usa análise de desempenho. Estudou Itália, Espanha e Sérvia. Atropelou a Itália, a Sérvia e, tivesse o Higuita jogado contra a Espanha na semifinal, a história poderia ser outra. Acabou, magnificamente em terceiro.

Em resumo dou meus destaques individuais no Europeu:

Ricardinho, Miguelin, Pola, Rivillos, Eder Lima, Robinho, Paco Sedano, Douglas, Higuita, Cocic, Cacau, Léo, Romulo, Abramov, Robinho, Merlin, conjunto da obra da seleção espanhola, estudo de avaliação da seleção do Cazaquistão.
 
Parabéns à todos.

Nas Eliminatórias sul-americanas:

Tiago, Ari, Bateria, Rato e Daniel, Cuzzolino (Argentina), Sarmiento (Argentina), Salinas (Paraguai), evolução da Venezuela.

Até setembro poderemos melhorar. Que aproveitemos bem esses sete meses e todos os "camps" possíveis para a acelerar nesse tempo o que deveria ter sido feito em quatro anos.

Vai ser pedreira, e por mais que saibamos que eles estão alguns passos à frente, aqui é Brasil. 

Que usemos isso e procuremos tudo de melhor até lá.

E vamos ver no que dá... 

É Futsal na Veia e estou orgulhoso do trabalho realizado nas duas competições.

Parabéns para todos nós!!!!

#amoessejogo #futsalnaveia