O DIA EM QUE O “PAÍS DO FUTEBOL” MORREU

por Émerson Gáspari

f2.jpg

Ninguém se deu conta de quando o “processo” se iniciou. Talvez só eu, a princípio. Com o tempo, muitos torcedores foram notando algo no ar: a decadência, a escassez de público, a sangria de craques para o exterior, a corrupção no futebol. Tentei avisar, mas não me deram ouvidos, talvez porque não enxergassem até onde a coisa iria.

Foi como gritar sozinho num Titanic, alertando que iríamos afundar, enquanto todos os tripulantes e passageiros davam de ombros ou me taxavam de pessimista. 

Talvez seja melhor contar antes, como as coisas eram no princípio, em minha mais tenra idade. Da alegria de ser torcedor brasileiro. Tínhamos uma nação e tanto: diziam que seríamos “o país do futuro”. Sou desse tempo, em que o futebol brasileiro tinha orgulho de ser o melhor.

Éramos para o mundo, o “País do Futebol”. Gerações de craques maravilhosos, que se sucederam e nos levaram a conquistas inesquecíveis, como o Tri no México!

i2.jpg

Gênios em profusão, como Friedenreich, Leônidas, Zizinho, Nilton Santos, Didi, Garrincha, Pelé, Gerson, Tostão, Rivellino, Zico, Sócrates, Falcão, Romário, Ronaldos...

Equipes formidáveis, como o “Expresso da Vitória”, a “Academia Palmeirense”, a “Sele-Fogo”, a “Lusa Fita-Azul”, a “Máquina do Prof. Horta”, a da “Democracia Corintiana”, o Flamengo campeão mundial, o Santos bi, o São Paulo tri, o Inter de Manga, o Grêmio de Renato Gaúcho, o Cruzeiro de Dirceu Lopes, o Atlético de Reinaldo.

Cronistas como Nelson Rodrigues e João Saldanha eram respeitadíssimos. E líamos o “Jornal dos Sports”, a “Gazeta Esportiva Ilustrada”, a revista “Placar” e até o caderno de esportes do Jornal da Tarde, todos com cobertura futebolística estupenda.

Em nossa doce inocência de que as coisas não mudariam jamais, brincávamos nos jogos de botões com a “carinha” dos atletas tão identificados com seus clubes: Waldir Peres, Luís Pereira, Clodoaldo, Wladimir, Rondinelli, Dinamite, PC Caju, Edinho, Batista, China, Nelinho, Éder e outros, que colecionávamos também no “Futebol Cards”. Mesmo os chamados “pequenos” tinham seus ídolos: a Ponte Preta de Dicá, o Guarani de Zenon, o Botafogo/SP de Sócrates, o Comercial/SP de Jair Bala, a Ferroviária de Bazzani e por aí afora! 

i1.jpg

O rádio ainda era nosso “amigão do peito”: acompanhávamos toda jornada esportiva, do início da tarde à noitinha, com locutores memoráveis, por décadas a fio: Odvaldo Cozzi, Rebello Júnior, Geraldo José de Almeida, Pedro Luiz, Jorge Cury, Edson Leite, Waldir Amaral, Fiori Gigliotti, Peirão de Castro, Walter Abrahão, Osmar Santos, Luciano do Valle, José Silvério. E depois do jogo, vinha o “Show de Rádio”, com a turma do Sangirardi fazendo humor futebolístico da melhor qualidade.

Daí era correr pra TV e se divertir com a “Zebrinha”, dando os resultados do teste da “Loteria Esportiva”, assistir aos “Gols do Fantástico” e curtir alguma “Mesa Redonda” até meia-noite, quando então findava aquele domingão futebolístico tão sagrado.

Sim! Foi uma época realmente abençoada, em que um Fla-Flu levava 170 mil pessoas ao Maraca, um Derby lotava o Morumbi com120 mil pagantes e um Mineirão, um Beira-Rio ou uma Fonte Nova transbordavam de torcedores apaixonados.

Até que num belo dia de 1980, as coisas começariam a mudar. Falcão estreava na Roma da Itália, que o levara embora, “escancarando a porteira” do futebol brasileiro para os europeus. Seguiram-se Zico, Sócrates, Cerezo, Júnior, Renato e uma infinidade de craques. Ninguém pareceu ligar muito: em épocas anteriores, tivemos um ou outro craque que ia e voltava, como Didi ou Roberto Dinamite. Já Mazola, Evaristo de Macedo e Julinho Botelho até ficaram por lá, mas o inesgotável celeiro de craques do país sempre providenciava um substituto.

i3.jpg

Além disso, para que nos preocuparmos, se tínhamos o futebol mais bonito, os pontas mais habilidosos do mundo, os jogadores mais criativos? Éramos a essência do “futebol-arte” e o europeu (exceto a Holanda) só sabia praticar o tal “futebol-força”.

Estávamos acomodados, convencidos de que seguiríamos dormindo placidamente em berço esplêndido e para sempre ostentando a alcunha de “a pátria em chuteiras”.

Permitimos que o progresso acabasse com os campinhos de terra batida da meninada e assim, exterminasse com gerações de craques que se formavam naturalmente.

Deixamos impunes dirigentes de clubes e entidades que se serviram do futebol e não a ele, corrompendo-o, desvalorizando-o.

Aceitamos a transformação da Seleção em “produto”, perdendo-se aí a razão do jogador ao defendê-la. O selecionado perdeu “personalidade” e a torcida perdeu o encanto por ela.

Curvamo-nos perante o poderio financeiro que movimenta o futebol europeu, persuadindo nossos craques, jogadores medianos e até (?) alguns pernas-de-pau, que são levados por um enganoso DVD para o Velho Continente.

Prostituímos nossa essência futebolística, adotando “revolucionárias esquematizações táticas europeias” que nos nivelaram a nossos rivais, tão carentes de criatividade.

Submetemo-nos a completa lavagem cerebral que o marketing e a mídia predatória fazem na cabeça dos torcedores e na de seus filhos, orientando-os a adularem craques estrangeiros e equipes europeias que estiverem mais na moda.

Fomos coniventes fechando os olhos para nossas agremiações menores, sobretudo as que a imprensa relegou ao desprezo de uma notinha ou enxotou de seu site.

Jogamos a culpa sempre nos outros, como sempre. O resultado do que se iniciou nolongínquo 1980, acabaria se impondo nas décadas seguintes. Por isso é que lhes conto tudo isso daqui do futuro, onde me encontro hoje, em 2038: porque o nosso futebol brasileiro morreu!

i4.jpg

Não somos mais o “país do futebol”, há muito tempo, aliás. A Alemanha e a Itália chegaram ao hexa e nos superaram em Copas conquistadas. Do falido futebol sul-americano, tivemos apenas a alegria do Uruguai sediar a Copa Centenária de 2030. E a Argentina se tornar tri (nem me perguntem como!). Se isso ainda fosse o pior, nem estaria tão chateado, contando a vocês.

Pior foi o que aconteceu por aqui! O último craque que conseguimos revelar por estas plagas se chamava Neymar e ele encerrou sua carreira há exatos quinze anos. Ou seja: as crianças de hoje jamais viram um craque tupiniquim jogando ao vivo. Mais dramático foi o que aconteceu aos campeonatos. Os regionais foram extintos, simplesmente porque os clubes pequenos faliram. Alguns poucos se tornaram amadores, enquanto mais de 90% “fecharam as portas”.

Logo a crise chegaria aos grandes, também. Vários, enterrados em dívidas, aceitaram perder seus estádios, para não morrerem. Outros lutam à duras penas, para manterem a dignidade de pé. Desde 2012 quando o Corinthians foi bicampeão mundial, não ganhamos mais uma única final de campeonato mundial de clubes, sequer. O campeonato brasileiro hoje possui três divisões: na primeira, 12 clubes. Na segunda divisão, outros doze e na “terceirona”, num verdadeiro “catadão” com o que restou do futebol nacional, ficam todos os outros 36. E é só.

i6.jpg

Os estádios leiloados (a maioria em lastimável estado) vêm dando lugar ultimamente, a templos religiosos, shopping-centers, condomínios de luxo ou mesmo torres comerciais. O futebol brasileiro decaiu tanto que não deixou de ser apenas o preferido do planeta: hoje ele não é sequer o preferido entre os brasileiros, pois está em terceiro lugar na preferência dos mais jovens, segundo uma enquete.  Nenhuma criança sabe quem foi Pelé ou Garrincha!

E pensar que eu avisei tanto que tudo isso iria acontecer! Mesmo desconhecido do grande público eu, um modesto escritor independente, alertei isso em meus livros e - já num ato de desespero - escrevi um artigo revelando o que ocorreria nos próximos anos, num site chamado “Museu da Pelada”, às vésperas de mais uma dessas nossas seleções nacionais insossas estrearem no Mundial de 2018, na Rússia.

Pois sabem o que ganhei com isso? O público me taxou de louco, ranzinza, tolo, agourento, chato e toda a sorte de “qualidades” que vocês possam imaginar.

Pessimista foi do que mais me acusaram. Só desconhecem o fato de que um pessimista nada mais é do que um otimista melhor informado.

Restou-me ao menos a consciência limpa de quem tudo fez para avisar até onde iríamos nesse fundo de poço em que se meteu o nosso pobre futebol brasileiro.