O AMIGO DOS AMIGOS

texto: André Mendonça | fotos: Daniel Planel | vídeo e edição: Daniel Planel

É com muito prazer que a equipe do Museu da Pelada, diariamente, lê e tenta responder todos os comentários em nossas redes sociais, sejam eles críticas, elogios ou mesmo uma pura resenha. E, hoje, Dia dos Pais, destacamos uma história que nos encheu de orgulho e emoção, a de Andreia Bittencourt, filha do saudoso Mauro Bittencourt, o rei da resenha de Niterói, cria do Canto do Rio. Em uma mensagem ela revelou que o nosso trabalho a encorajara a revisitar o acervo do pai. Três anos e meio após a sua morte, álbuns, fotos, recortes de jornais e a gloriosa bandeira do Canto do Rio descansavam, empoeiradas, no armário. Sabemos, não é fácil aceitar certas situações e a dor da perda nos paralisa. Mas Andreia e o Museu trocaram ideias, experiências e gargalhadas, uma divertida sessão de análise. Deu liga! Andreia, no entanto, precisava de um tempo para convidar os amigos do paizão, os mesmos que durante anos divertiram-se no aconchegante terraço da casa, em Santa Rosa, Niterói. Mas um mês depois, o celular toca.

- Tudo certo, podem vir depois de amanhã? – perguntou, ao celular. E respirou fundo.

Não há dúvida, era uma espécie de libertação e precisávamos agir rápido antes que ela desistisse. Do nosso lado, um prazeroso silêncio antes de comemorarmos com um grito de felicidade. E dois dias depois fomos celebrar a vida com Andreia e os ex-boleiros do Canto do Rio.

Da rua, avistamos o terraço da casa 30. Andreia nos recebeu na chuva e rimos, eu, Daniel Planel e Pugliese, como se nos conhecêssemos há tempos. Que felicidade, a chuva lava a alma!!!! Subimos as escadas e chegamos no reduto do vascaíno Maurão, um dos maiores zagueiros do Canto do Rio, que além de jogador, foi treinador, árbitro, professor de educação física e, sobretudo, um amigo dos amigos.

 Andreia registrou tudo no celular

Andreia registrou tudo no celular

- Eu cresci dessa forma. Meu pai organizava os almoços aqui e a casa estava sempre cheia. Meu pai não está aqui fisicamente, mas consigo sentir a presença dele! – disse Andreia abraçando a estátua do pai em tamanho real, ao lado do irmão Maurinho e da mãe Célia.

Quem não escondeu a tristeza por não poder comparecer foi Verônica, a outra filha de Mauro, que mora na França. Ela, no entanto, fez questão de gravar um vídeo demonstrando todo o seu sentimento.

Apesar do dia frio e chuvoso, os amigos do saudoso zagueiro não paravam de chegar e, ao subirem as escadas para o terraço, se deparavam com uma mesa coberta de fotografias e recortes de jornais, um prato cheio para grandes lembranças. Se já não fosse o bastante, a geladeira entupida de cervejas e um almoço delicioso feito carinhosamente por Cecília tornavam aquela tarde ainda mais agradável.

Um dos primeiros a chegar, o enjoado ponta-direita Nélio conversava com o zagueirão Jaudeir e se recordava de momentos inesquecíveis ao lado do “rei da resenha”.

- Jogamos muita pelada juntos aqui em Santa Rosa, a gente tinha um timaço chamado Acadêmico. O Mauro me dava muitos conselhos e continua sendo um grande amigo meu! – disse Nelinho.

Jaudeir, por sua vez, lembrou dos anos gloriosos vestindo a bela camisa azul do Canto do Rio:

- Era uma época muito boa! A gente jogava por prazer, hoje só jogam por dinheiro.

Quem também prestigiou o evento foi o artilheiro Caio Cambalhota, que revelou ter curtido alguns sambas ao lado do amigo.

- O Mauro fazia parte de uma escola de samba aqui de Niterói e, vez ou outra, ele me convidava para os ensaios. Perdemos um grande amigo, mas estará sempre na memória.

Logo nos primeiros minutos do evento deu para perceber o quanto Mauro era querido, não só pelos adjetivos carinhosos que lhe atribuíam, mas também pelo esforço que muitos fizeram para participar do encontro. Hipólito, por exemplo, percorreu mais de 130 km para sair de Cabo Frio e chegar ao palco das memoráveis resenhas.

- Só tenho coisas boas para falar do Mauro. Foi um dos melhores amigos que eu tive. Me mudei para Cabo Frio, mas fazia questão de vir as festinhas que ele organizava aqui! – relembrou emocionado.

Atenciosa, Andreia mostrava preocupação em relação ao bem-estar coletivo. Sempre abastecendo os copos e oferecendo variados aperitivos antes do almoço, parecia se sentir na obrigação de fazer um encontro prazeroso à altura dos que o pai fazia, e conseguiu. Sua única reclamação era a ausência de Arnaldo, um dos amigos mais próximos de Mauro.

Embora não tivesse nenhum compromisso que impedisse sua chegada na hora marcada, Arnaldo explicou a sua demora:

- Para falar a verdade, eu não queria nem estar aqui. Senti muito a morte do Mauro, era um irmão pra mim.

Um irmão para Arnaldo e para todos que tiveram o privilégio de conhecer o “amigo dos amigos”, o “gente boa”, o “cara sem defeitos”, a fera Mauro Bittencourt!