NÃO CHORE POR MIM, ARGENTINA!

por Zé Roberto Padilha

A reportagem de O Globo, de sábado, sobre o futebol argentino, vai além da nossa compreensão. Um paradoxo só compreendido por se tratar de um esporte regido pela emoção, não pela razão: “Jejum de 23 anos sem títulos na seleção principal leva caos ao futebol olímpico!”. Duas linhas à frente, a reportagem conclui “a Argentina deve assumir a liderança do próximo ranking da FIFA.” Como pode haver crise em um futebol que alcança o posto de melhor do mundo, à frente de Alemanha e Espanha, apenas por que não ganhou a final da ultima Copa do Mundo e da Copa América? Será que o conjunto da recente obra invicta, os ingredientes que confeccionaram o bolo são menos importantes do que a cereja colocada sobre a conquista chilena, alcançada após a prorrogação e a disputa de penalidades máximas?

Ronaldão, nosso bravo e limitado ex-zagueiro do São Paulo foi campeão mundial. Nós, torcedores, lembramos dele como o “Rei dos Carrinhos”. Um recurso geralmente praticado por zagueiros que, sem o tempo da bola para antecipar os atacantes, como o Edinho, o Juan e o Ricardo Gomes, se atiram para interceptar a jogada. Na metade dos carrinhos, Ronaldão  achava a bola, nas outras tentativas levavajunto o tornozelo, além de cometer pênaltis infantis e receber cartões em todos os jogos. Zico, Falcão, Leandro, Júnior, Cerezzo e Sócrates, com repertórios variados de jogadas de pura arte e sem violência, jamais ganharam uma Copa do Mundo. Mas quando o IBOPE sai às ruas para saber do torcedor brasileiro qual a melhor seleção de todos os tempos, a de 1982 empata com a de 1970. A do tetracampeonato, vencida com a ajuda dos carrinhos do Ronaldão, de Mauro Silva, César Sampaio, Branco e Zinho só é lembrada pelo desempenho do Romário. Se não fossem os gols do baixinho, quem lembraria outro símbolo daquela conquista se não a bola isolada por Roberto Baggio por cima do gol de Taffarel? Se um italiano, Paulo Rossi, tirou-nos a Copa merecida, outro nos deu de presente a imerecida. Os italianos sempre foram elegantes, educados e gentis. Afinal, o latim ainda é a língua oficial da Cidade do Vaticano.

Acostumamos, no futebol,  a dar um peso maior a cereja do bolo, o licor que coroa um lauto banquete, no lugar de quem matou a nossa fome de bola. Para latinos-americanos ainda com resquícios de subdesenvolvidos, vice-campeão não é o segundo melhor colocado. É o primeiro dos perdedores. Enquanto isso, a Islândia, racional e resolvida, deixa a Eurocopa ovacionada por alcançar o quarto lugar. Seus jogadores estão sendo aguardados no aeroporto de Reykjavic e desfilarão por suas avenidas como heróis nacionais. Já Messi, o melhor do mundo da melhor seleção do mundo, soluça: “Não chore por mim, Argentina!”.

Preferimos, no futebol sul-americano, exaltar o fechar com “chave de ouro”, mesmo que a porta seja de lata e guarde lá dentro trajetórias esquecíveis. Como os carrinhos do Ronaldão, a enceradeira encostada em um canto, do Zinho. Em nossa memória, do lado de fora, circularão pelas salas, pelas mesas no encontro das famílias, perpetuada por seguidas gerações, a magia da equipe dirigida por Telê Santana A inesquecível falta cobrada pelo Messi contra os Estados Unidos. A última impressão não é a mediocridade da conquista, é a beleza de uma partida que, mesmo perdida, ainda é a que fica.