OS MIGUÉS NOSSOS DE CADA DIA

por Marcelo Vieira

Nos dias que antecedem e sucedem o carnaval - e outros feriadões parecidos - o brasileiro se dedica a uma arte verdadeiramente nacional: dar o migué.  Materializam-se atestados que alegam doenças crônicas, infecções virulentas e outros males do corpo e da alma. Antepassados ressuscitam só para serem falecidos de novo nessas datas. Há notícias de quem tenha matado a mesma avó oito vezes em um intervalo de quatro anos.

A prática do migué, que não se restringe apenas a faltar ao trabalho - pode ser um corpo mole, pipocar na hora de rachar a conta, deixar marotamente aquela louça para outrem lavar e por aí vai -, ganhou esse nome a partir da contração da expressão “dar uma de Miguel”.  Mas a pergunta é que Miguel é esse??? Provavelmente é Dom Miguel, irmão de Dom Pedro I, que se aproveitou da ausência do irmão mais velho, que estava curtindo uma de imperador no Brasil, para casar com a sobrinha e usurpar o trono português. Mas, país afora, há muita gente que jura ter conhecido o Miguel que deu origem ao termo – seria um músico, um pinguço ou um boleiro, dependendo da versão.

Como tudo que é preferência nacional, o migué encontra no futebol sua mais genuína expressão. Boleiros de norte a sul, da série A até a Z, valem-se dele para evitar cartões (sair de perto e fingir que o negócio não é contigo), reverter laterais (bate rapidinho e segue o jogo) e, claro, fazer cera. Porém, a mais pura expressão do migué futebolístico é fingir ou exagerar na gravidade de lesões. Tanto que esse ramo específico da malandragem ganhou um nome de DNA completamente futebolístico: chinelinho.

 

Temos então que aquele jogador, supostamente contundido, passa a frequentar o centro de treinamento calçando os indefectíveis chinelos de dedo em vez das chuteiras ou tênis. O chinelinho pegou geral e extrapolou as quatro linhas, os estádios e o universo esportivo. Hoje em dia, em muitas regiões do país, tirar férias, entrar de licença médica ou qualquer folga fora da rotina virou “calçar o chinelinho”. É a pátria de chinelos.

.....................

E o seu boleirês? Como anda? Clique aqui e contribua com o acervo de termos futebolísticos do Museu da Pelada!