MALDITO TIME MISTO

por Zé Roberto Padilha

Zé Roberto Padilha

Zé Roberto Padilha

Pior do que torcer por um time ruim é torcer por um time misto. Você não é Corinthians, nem Grêmio, a brigar pelo título, muito menos é Atlético Goianiense ou Avaí, que vão lutar toda semana para não cair. Seu time é o Avarinthians. Um misto entre o líder e o lanterna da competição que vai entrar em campo todo semana para te decepcionar. Este time, frio, misto e mal calculado, entrou ontem no Engenhão contra o Botafogo vestindo a camisa do Flamengo.

Sem o Diego e o Réver da Fiel, mas com o Rômulo e o Matheus Sávio do sul, segundo meu filho rubro-negro, nem deu para torcer. Tão apáticos e fora do lugar, mal tiveram como lutar. Porque se tem algo no futebol que não está à venda é o entrosamento. E ontem ele faltou ao Flamengo. Que escalou o entro e deixou o samento no banco de reservas. O juiz da partida poderia até autorizar que subisse a placa de 24 horas de acréscimo que Éverton Ribeiro, já entrosado com Diego e William Arão, com a proteção de Márcio Araújo, ainda pediria mais um dia para se entender com um tal de Geuvânio. Sabia que tinha um chamado assim que jogava, e muito, no Santos, mas o que o Flamengo comprou e escalou ao seu lado nem chega perto.

rueda.jpg

Mas Zé Rueda, o treinador misto de um técnico que montou o grupo e outro que chegou no fim pedindo informações ao Jayme de Almeida para conhecê-lo, embolou as figurinhas. E mandou a campo um Flamengo completamente desentrosado. Porque quando resolveu esquentá-lo no microondas com Berrio, Arão e Éverton, o Botafogo já estava aquecido. Desde o início. E aí já era tarde e o que restou foi a luta isolada do Guerrero. Este sim, já veio esquentado na embalagem, não há zaga ou companheiros ruins que conseguem esfriá-lo. E luta do começo ao fim.

Sou do tempo que as equipes tinham um time titular. E seu time reservas. Os melhores jogavam, os outros aguardavam a sua vez. Campeonato Brasileiro da Série A não é laboratório para ver o que vai dar com Cuellar, Rômulo, Matheus Sávio e Geuvânio. É algo sério, valendo vaga na Taça Libertadores, que poderia ter se aproveitado das derrotas dos líderes e até brigar pelo título. Mas preferiram, os sábios da cozinha, poupar os titulares e escalá-los em um jogo treino contra o Volta Redonda. Deve ter razão o Zé Rueda, jogando daquele jeito em breve irá mesmo enfrentá-lo valendo uma vaga no G4 da Série B.