MALDITO PARABÉNS

por Rodrigo Ancillotti

bota.jpg

“Um, dois, três, quatro, (…), vinte, vinte e um… Parabéns pra você, nessa data querida...”

Acho que todo botafoguense um pouco mais “rodado” (por volta dos 40 anos, que é meu caso) já se revoltou ouvindo essa “linda cantiga” nos estádios Brasil afora! Desde um clássico no Maracanã até os rincões mais inóspitos, nosso Glorioso e sua torcida eram recebidos assim para não esquecermos nunca: vivíamos a maldita fila!

Não tenho ideia de quando alguém se tocou e cantou a pedra. Acredito que lá pelo final dos anos 70, talvez lá por 1978, quando completamos a primeira década de seca absoluta. Muito menos qual foi a primeira torcida adversária a nos zoar cantando esse “Parabéns pra Você” miserável que aumentava a cada temporada e que parecia nunca ter fim.

f2.jpg

Mas temos que dar o braço a torcer: que achado!! Afinal, até o botafoguense mais zen saía do sério! O que argumentar? Desde 1968, ironicamente depois daquele timaçoaçoaço que todo torcedor, do mais jovem ao mais cascudo, sabe recitar: Cao, Moreira, Zé Carlos, Leônidas e Waltencir; Carlos Roberto e Gérson; Rogério, Roberto, Jairzinho e Paulo Cézar, Zagallo no comando. Um time que foi BIBI (Taça GB e Carioca) em 1967 e 1968, campeão da Taça Brasil de 1968 e base da melhor seleção brasileira de todos os tempos.

Mas que depois dele… NADA!!

Um raro turno de Estadual aqui e ali, boas campanhas tanto no Brasileirão quanto em Libertadores, e até o recorde brasileiro de invencibilidade entre 1977 e 1978 (52 partidas invicto), mas título que é bom…

Ao contrário: só pancadas!! A perda da sede de General Severiano, o exílio em Marechal Hermes, penúria crescente, presidentes incompetentes (o que dizer de Charles Borer, meu Deus?)… Até o “Nós gostamos de vo6”, uma das nossas poucas alegrias nesse tenebroso inverno, vimos acabar em 1981!! E a contagem só ia crescendo!! Onze, doze, treze, quatorze…

Nesse meio, a Gloriosa Torcida acreditando de teimosa, indo da esperança de um Don Sebastião que não chegava nunca para nos conduzir de volta às glórias à perplexidade-sarcasmo de um Barão de Itararé achando que “daonde menos se esperava é que não saía nada mesmo”!! E tendo que aturar ouvir esse “Parabéns pra você” dos infernos até de torcidas dos quilates de Olarias, Mesquitas e Novas Cidades da vida!!

f1.jpg

E era assim que nos sentíamos em janeiro de 1989. Ao contrário de um ano antes, quando vimos “seo” Emil Pinheiro, nosso vice-de-futebol-mecenas-financiador-bicheiro-de-plantão, montar mais um timaço que não chegaria a lugar nenhum (quanto custaria hoje contratar, de uma tacada só, jogadores da categoria de Mauro Galvão, Paulinho Criciúma, Marinho e Cláudio Adão??), a única chegada era de mais um técnico: Valdir Espinosa, pela primeira vez no Rio de Janeiro.

E quando menos se esperava… finalmente a “festa de aniversário” chegou ao fim!! Tema para uma próxima oportunidade!! Saudações Alvinegras!!