LIÇÕES QUE NUNCA SÃO APLICADAS

por Mateus Ribeiro

e1.jpg

Não é a primeira vez que vejo isso. Na verdade, é a quarta. A quarta vez SEGUIDA que a seleção brasileira é eliminada de uma Copa antes da final. Até aí, não há nenhum problema, já que pra cada time campeão, existem outros 31 que não são campeões.

O ponto é que desde 2006, após a eliminação da seleção, inicia-se o mesmo ciclo: caça às bruxas - imprensa limpando a barra de alguns (e arrebentando com outros) - promessas de mudanças - processo de ilusão do torcedor cego - vitórias que são obrigação se tornando a oitava maravilha do mundo - Copa do Mundo - eliminação.

A caça às bruxas começou minutos após a derrota. Fernandinho (que definitivamente, jogou mal) foi o escolhido. Além do tribunal futebolístico ter o escolhido como principal culpado pela derrota, alguns mais exaltados colocaram pra fora o que tinham dentro do peito, e proferiram ofensas racistas ao meio campo. Um fato triste, mas infelizmente, longe de ser isolado. 

e2.jpg

Paulinho, Fagner e Gabriel Jesus foram os demais escolhidos. De fato, não fizeram uma Copa impecável. Mas quem fez? Nem os venerados e intocáveis Neymar, Marcelo e Coutinho fizeram o que deles era esperado. Mas aí, no caso deles, "tem que dar tempo ao tempo"; "não é hora de crucificar"; "daqui quatro anos tudo será diferente", e por aí vai. 

Essa conversa pra boi dormir é o núcleo da operação passa pano. O grande Edu Gaspar, fiel escudeiro de Tite, inclusive, começou a blitz com o papinho de que "não é fácil ser o Neymar". Meu amigo, se não é fácil ganhar trilhões, destratar adversário, ter milhões de fãs (que o camisa 10 faz questão de desprezar ou ignorar), viver com 90% da imprensa passando a mão na cabeça, sair sempre ileso de derrotas grandiosas e ser o ícone das grandes vitórias, definitivamente, eu não sei o que é fácil ou difícil. E tenham certeza que daqui a pouco começarão a pipocar reportagens emocionantes contando como o craque deu a volta por cima fazendo 450 gols contra os gigantes do Campeonato Francês.

Até a Copa de 2022, o destruído e pobre Neymar já se tornará candidato ao jogador da Copa, ao prêmio de melhor jogador do mundo. Mas se perder, volta a se esconder atrás de belos textos em suas redes sociais. Bom, melhor isso do que falar palavrões para torcedores, como aconteceu nas Olimpíadas de 2016.

e3.jpg

Depois disso, vai começar o processo de endeusamento do time. Foi assim em 2006. Em que pese que o time era bom, o fato do brasileiro achar que só nós sabemos jogar bola atrapalhou um pouco. Além disso, a concentração, que mais parecia um programa de auditório dominical, não colaborou muito para o sucesso daquele time. No ciclo pós Copa da Alemanha, vieram as costumeiras vitórias em Copa América e Copa das Confederações. Com os títulos, vieram juntos os tradicionais oba oba e favoritismo. Favoritismo que a valente Holanda mandou pra Lua.

Sobre a Copa passada, é melhor eu nem falar nada. Já em 2018, novamente endeusaram uma geração que tem ótimos nomes, mas que está devendo em diversos fatores. Falta alma, falta gana, e sobra soberba. Tudo isso apareceu nas Copas anteriores. E o que foi aprendido? Nada.

Nosso treinador vai continuar sendo venerado, nossos jogadores continuarão sendo tratados como crianças indefesas, ou como uma parcela oprimida da sociedade. Não estou falando que devam ser crucificados. Longe disso. Mas a tática de se vangloriar o fracasso, e buscar méritos onde não existe, já torrou a paciência.

e4.jpg

Que nossos torcedores entendam que para um vencer, outro tem que perder. É inevitável. Derrotas fazem parte do jogo. E algumas vezes, o único culpado pela tristeza do derrotado é a competência do vencedor. Em 2006, foi a França, em 2010 a Holanda, 2014 a Alemanha, e dessa vez, a Bélgica. Nenhum deles foi tão levado a sério antes do jogo. Nenhum deles teve o devido reconhecimento após as derrotas. Em 2022, em caso de eliminação, acontecerá a mesma coisa. Nunca o mérito é do adversário. 

Para a próxima Copa, que todas as lições que as derrotas anteriores deveriam trazer, sejam realmente aprendidas e aplicadas. E que os que caçam bruxas, os que passam a mão na cabeça de marmanjo, e os que endeusam quem nunca cumpriu o que prometeu sejam um pouco mais realistas.

O caminho é longo. Muitas lições devem ser aprendidas. E aplicadas. Só assim, quem sabe, o Hexa vem.