HISTÓRIA ALVIVERDE

por André Mendonça

 Ricardo Neto

Ricardo Neto

“Colecionar é admirar, respeitar e amar a história, e aceitar que a prateleira nunca estará completa”.  A bela frase é do palmeirense Ricardo Neto, um colecionador voraz de itens do Verdão. Embora tenha mais de 200 peças na sua coleção, é curioso saber que a prática começou mais do que por acaso, depois de ser assaltado e ter uma lendária camisa roubada.

Influenciado pelo pai, se tornou palmeirense bem cedo e tinha o costume de ir ao estádio aos domingos. Certo dia, enquanto esperava pelo ônibus para ir ao Parque Antarctica, foi abordado por assaltantes que, além do dinheiro, levaram também a sua camisa. Seria só mais um caso de violência em São Paulo se a blusa não fosse uma verdadeira relíquia:

- Era uma linda camisa de 1977 que meu pai tinha ganhado de um antigo diretor de futebol do Palmeiras. Eu estava sempre com ela!

A tristeza de Ricardo durou alguns poucos dias. É que o mesmo diretor se sensibilizou com o caso e presenteou a família com uma mala abarrotada de relíquias alviverdes: faixas de campeão dos anos 50, 60 e 70; flâmula oficial raríssima dos anos 50; uma camisa Agip branca (1987-1988), entre outras preciosidades. O que ninguém poderia imaginar é que a “semente” plantada pelo dirigente daria frutos e começaria ali uma exuberante coleção.

- As peças ficaram guardadas em casa por anos, até que aos poucos comecei a adquirir novos itens e quando me dei conta me tornei colecionador de itens antigos do Palmeiras.

Além de camisas, flâmulas e faixas de campeão, o acervo de Ricardo reúne troféus, chaveiros, medalhas, pins, alfinetes de lapela, mascotes e fotos. De acordo com ele, coleciona tudo, menos jornais e revistas.

 Vale destacar, no entanto, que o foco do colecionador são itens até o ano de 1993. Além de ter sido um ano simbólico para o Palmeiras, repleto de títulos, foi também “um divisor de águas na comercialização de artigos esportivos oficiais, tornando muito mais difícil distinguir um item de loja de um item usado em jogo”, como ele mesmo define.

- Todas as camisas da minha coleção são originais e a mais antiga é de 1957-1958, do Mazzola, quando o símbolo estampado na camisa do Palmeiras ainda era apenas o “P”. Alguns itens chegam a vir do exterior, como a camisa que o Leivinha usou na final do Ramon de Carranza de 1974, a qual ainda estava na Espanha.

 Camisa original do Mazzola

Camisa original do Mazzola

Tantas raridades exigem um verdadeiro trabalho de garimpeiro do palmeirense, que não mede esforços para aumentar sua coleção. Embora a internet tenha sigo um grande facilitador, Ricardo revelou que a persuasão também é fundamental para o aumento de itens na prateleira.

 Faixas de campeão

Faixas de campeão

Segundo ele, existe um apego emocional que nenhum dinheiro paga e, por isso, a negociação emperra, sobretudo com ex-jogadores ou familiares. Contudo, ao perceberem que a preciosidade estará em boas mãos e que a história será muito bem preservada, os donos cedem à oferta do colecionador.

- O principal sinal de que esta relação de confiança é verdadeira, é que ao final da negociação ganho sempre um novo amigo e mantemos contato.

Não por acaso, os itens conseguidos com os próprios ex-jogadores ou familiares ocupam um lugar especial na coleção de Ricardo, que diz se sentir na obrigação de preservá-los e apresentá-los às novas gerações para que a história do Palmeiras nunca se perca.

Neste ano, o colecionador teve a oportunidade de encontrar seu grande ídolo Valdir Joaquim de Morais, um dos maiores goleiros da história do Palmeiras, que vestiu a camisa alviverde de 1958 a 1968. Os itens do goleiro também têm um valor especial para Ricardo.

 Camisa usada por Valdir

Camisa usada por Valdir

- Apesar de ter nascido em 1980 e não tê-lo visto jogar, admiro muito o Valdir. Além de ter dedicado sua vida ao futebol, foi muito vitorioso na sua carreira e é respeitado e admirado em todos os clubes que trabalhou de 1947 a 2011.

Hoje em dia, Ricardo utiliza apenas as redes sociais para expor sua coleção, mas aguarda a construção do memorial do Palmeiras, dentro do Allianz Parque, para expô-la.

- Tenho a esperança de que oferecerão a infraestrutura adequada para receber esse tipo de acervo.

Como um bom colecionador, Ricardo fez um apelo no fim do papo:

- Peça na matéria para quem tiver algum item antigo entrar em contato comigo! - finalizou.

E-mail: colecionismopalmeiras@gmail.com
Página no Facebook: https://www.facebook.com/colecionismopalmeiras/