FUTEBOL PLAYBACK

por Mateus Ribeiro

f1.jpg

Muitas pessoas com mais de trinta anos se lembram de um fenômeno musical chamado de Milli Vanilli. Caso você não se lembre, vou refrescar sua memória:

No final da década de 1980, um produtor musical alemão chamado Frank Farian criou um projeto musical. A princípio, tinha convocado cantores e cantoras extremamente talentosos para dar prosseguimento ao seu grande plano. Porém, Frank não considerava a imagem de nenhum desses músicos a ideal para vender o grupo. Foi aí que ele teve a (não tão) brilhante idéia de chamar dois dançarinos com pinta de modelo para levar a parada nas costas. Resumidamente: Frank Farian chamou Fabrice Morvan e Rob Pilatus apenas e simplesmente pelo visual deles.

Tudo estava dando certo demais. A dupla vendeu discos mundo afora, ganhou um Grammy, e até música em novela do Plim Plim emplacaram. Nada parecia estragar o sucesso da dupla...

... Até que depois de playbacks enroscando e muitas declarações polêmicas, o mundo descobriu que os dois dançarinos e líderes do novo sucesso mundial apenas faziam dublagem. Detalhe: dublagem de vozes que não eram deles. Saca os cantores e cantoras que falei no início do texto? Então, eles continuavam cantando, e os bonitões apenas dublavam.

A casa caiu pra todo mundo. Tiveram que devolver o Grammy, e a carreira de todo mundo ali se tornou um fracasso, afinal de contas, ficava difícil confiar em qualquer parte dessa historia.

Agora, vamos lá, por que diabos um site de futebol está veiculando um texto que tem uma introdução gigante falando de música? Bom, ao menos em minha opinião, a história dessa farsa tem muito a ver com o momento atual do futebol. Vem comigo que no caminho eu te explico.

A ditadura da imagem

dupla.jpg

Conforme dito no início do texto, Frank Farian colocou Fabrice e Rob como figuras centrais por um único motivo: o impacto visual que eles causavam. E foi justamente esse impacto que os fez ganhar o Grammy mais vergonhoso de todos os tempos. O que isso tem a ver com o futebol atual? Muito mais do que você imagina.

Ou você acha que se o Márcio Araújo tivesse a mesma pinta de integrante do Backstreet Boys que o Diego tem ele seria achincalhado como é? A não ser que você ache justo que o craque que ganha um salário astronômico pra fazer jogo bom contra time de baixo da tabela receba o valor astronômico que recebe para justificar derrotas com seu topete impecável.

Sendo um pouco mais extremo, tente imaginar que fraco e perseguido (sim, perseguido, afinal, nem na segunda divisão do Japão esquecem o cara) Muralha fosse comprado pela fortuna que o Liverpool torrou no goleiro modelo da Seleção Brasileira na última Copa. Já, por outro lado, tenha certeza absoluta que qualquer falha de Alisson sempre terá um fator externo que livre a cara do regular goleiro que saiu do Internacional de Porto Alegre. Bom, pudemos ter um exemplo no jogo entre Liverpool e Leicester. Faça um exercício de imaginação, e imagine qualquer goleiro em atividade no futebol brasileiro cometendo a presepada que Alisson cometeu. Parou pra pensar o festival de críticas e “memes” (que coisa insuportável) que começaria a brotar? Não adianta ser o sabichão e falar que isso é achismo da minha parte. Todos sabemos que o mundo do futebol, começando pela bancada da mesa redonda, até discussão de mesa de bar, direta ou indiretamente, age com esse pensamento de dois pesos e duas medidas.

r.jpg

Exemplos como esse existem aos montes, e basta você usar a cabeça, que vai encontrar vários deles. Apenas para terminar essa parte: imagina só se Rivaldo tivesse a mesma fachada que o David Beckham? Creio que talvez ele tivesse um busto do tamanho do Pão de Açúcar em sua homenagem na sede da CBF.

Dito isso, vamos para outra parte.

A VENDA DO PRODUTO

Voltando a falar do grupo em si, quando ficou decidido que a dupla de dançarinos estaria ali para angariar fãs com o poder da imagem, tanto o produtor quanto os outros envolvidos possivelmente não imaginaria que algo pudesse dar errado. Venderam uma idéia, muita gente abraçou, e pronto. O mundo tinha dono, e nada de ruim poderia atrapalhar.

Pois bem, é mais ou menos o que acontece por aqui. Uns montes de especialistas que nunca chutaram uma bola na vida estão dominando o universo do esporte bretão, seja com algum cargo em departamento de marketing, seja em mesa redonda. E alguns desses mestres são tratados como deuses, ou mitos, simplesmente por gastar o dinheiro (dos outros) com negociações bombásticas. E partindo disso, dá lhe “melhor elenco do Brasil”, “elenco para 120 partidas no ano” e “time para brigar em três frentes”. Uma conversa pra boi dormir, que acaba convencendo parte dos admiradores do 4-2-3-1. Pior de tudo isso: no caso de derrota, não existe problema. Afinal de contas, o que importa é poder estufar o peito e vender a ideia de que um time é bom pelo simples fato de ser caro no papel. Os títulos? Eles são conseqüência, afinal, quando um clube gasta zilhões de reais, euros, pesos, dólares, a intenção é “dar sequência ao planejamento”, e sempre pensar no ano seguinte.

Sorte de quem vive disso, e azar de torcedor que cai nesse conto do vigário, e comemora contratação cara. Vale deixar como exemplo o carnaval que muitos torcedores do Corinthians fizeram no final de 2012, quando o clube contratou o dublê de jogador de futebol, que tal qual seu xará do reino animal, não faz nada direito.

O PLAYBACK

Para encerrar, vamos para a última parte. Novamente, volto a falar do Milli Vanilli. O barraco começou a desabar quando descobriram que a dupla vivia fazendo playback, dos outros.

E isso se parece demais com o futebol brasileiro dos últimos anos. Tudo é um playback. Todos nós já sabemos o que esperar (principalmente quando se fala de Seleção Brasileira): baixa qualidade nas partidas, programas esportivos tão qualificados quanto a maioria dos jogos dos campeonatos nacionais, péssimas arbitragens, ingressos com preços pornográficos.

oi.jpg

Tal qual a dupla do final dos anos 80, o futebol daqui segue fazendo “dublagens” do trabalho dos outros. O problema é que copiamos tudo da pior maneira possível.

E no fim das contas, sabe o pior de tudo? Fãs tontos, como eu, merecem sofrer, pois mesmo sabendo desse futebol playback, ainda se matam assistindo os times do coração.

Ah, e o Milli Vanilli? Não existe mais. De certa forma, o futebol também não.

Agora, com licença, que vou vestir minha roupa multicolorida para dançar ao som fake do Milli Vanilli.

Um abraço, e até a próxima.