FUTEBOL É MOMENTO

por Zé Roberto Padilha

 Zé Roberto Padilha

Zé Roberto Padilha

Esta frase sintetizava o pensamento do nosso professor da bola, João Baptista Pinheiro, que nos treinou dos 16 aos 20 anos nas divisões de base das Laranjeiras. Entre seus alunos, a nossa turma de 68 tinha, entre outros, Nielsen Elias, Abel Braga, Rubens Galaxie, Carlos Alberto Pintinho, Erivelton, Kleber, Marco Aurélio, Gilson Gênio, Marinho, Té, eu, e que se tornaram profissionais. Para ele, Pinheiro, quem estava melhor jogava. Quem não estava no ponto, que sentasse no banco e esperasse a sua vez. Porque o futebol não pode esperar. Futebol é momento, afirmava todo santo dia.

Hoje, vendo o Fluminense disputar um campeonato presente com um time futuro, pergunto: será que o Abel esqueceu as lições do nosso mestre? Contra o Corinthians entramos em campo novamente com os meninos do amanhã que só lhe abastece de desculpas. “Calma, gente, são garotos!”. Até quando? Mas e a torcida e as gozações? E a zona de rebaixamento se aproximando perigosamente no presente?

No domingo, no natural impulso adolescente que corre em suas veias, correram também com a bola e erraram o dobro dos passes do time adversário. No lugar de valorizar sua posse, rifam a criança por impulso, só mesmo o tempo do Jô, a rodagem do Fagner, a experiência do Romero para mostrar a cada um a importância de mantê-la sob sua guarda e posse. Ao perdê-la vem contra-ataque, e mesmo tendo a juventude ao seu lado para tentar recuperá-la, muitas vezes vão buscá-la no fundo das suas redes. E dar nova saída para outras precipitações da idade. Novos erros de passe. Sei que faz parte do aprendizado, mas os torcedores tricolores não querem mais bancar este estágio. Querem um time concretado em bases sólidas, que o defenda no momento presente. E volte a sonhar com uma vaga na Taça Libertadores da América.

Soluções? Emprestar o Scarpa e o Wendell para buscar experiência fora do clube e trazer o Conca de volta. Sem chances no Flamengo, nada como ter a humildade de reconhecer o valor de um grande ídolo e convidá-lo a vestir a camisa que melhor lhe cabe. Avançar o Henrique para o meio campo para levar sua experiência para uma área de raciocínio habitada por inexperientes, e escalar no seu lugar um zagueiro alto que pelo menos suba com os Balbuenas. Como ele, dez centímetros mais baixo que cada zagueiro que desce nos escanteios, não consegue fazer.

Aprendemos, Abel, com nosso treinador, além do fato do futebol ser vivido no momento presente, que não basta apenas apontar os erros. Temos que, pelo menos, mostrar possíveis soluções. Que tal as minhas? Afinal, estava na carteira ao lado e quem sabe prestei mais atenção naquele momento da preleção do que você?