FESTA NO CALDEIRÃO

Já falamos diversas vezes da pelada no Caldeirão do Albertão, no Grajaú, mas não poderia ser diferente, porque os boleiros sempre conseguem inovar e incendeiam as resenhas antes, durante e após o apito final. Recentemente, estivemos em uma confraternização da pelada de quinta, com direito a torneio e um churrascaço, regado a muita cerveja, comandado pelo zagueirão Rôla.

Líder do Projeto Facão, o professor Guido Ferreira foi nosso repórter por um dia e deu show ao entrevistar os boleiros. O clima de descontração e alegria, visível no rosto de cada um, só mudou na hora que a bola rolou. Não poderia ser diferente, todos queriam ganhar e tirar onda bebendo uma gelada depois.

- Vou marcar pelo menos cinco gols! - prometeu o artilheiro Renatinho.

O zagueirão André Nabuco, que teve a dura missão de marcar o atacante, deixou o campo antes do fim, alegando "desidratação" e garganta seca:

- Hoje é o dia que a mulher vai reclamar pra caramba! Não tem hora pra ir embora!

Mais importante que o resultado final, a confraternização estava lotada e, para animar ainda mais a resenha diferenciada do Caldeirão, o craque Canhota demonstrou todo seu talento tocando grandes clássicos do samba no cavaquinho. Na empolgação, o balde de cloro virou um tantan e a rapaziada soltou a voz.

- O Canhota joga, literalmente, por música - soltou Pugliese, um dos artilheiros do torneio.

Depois de comer muita carne e cantar junto com a rapaziada, a equipe do Museu deixou o Caldeirão exausta! A festa, no entanto, só estava começando e sabe-se lá que horas o último boleiro apagou as luzes.