DE PARIS TEXAS ATÉ O JARDIM DETROIT E ALGUNS ENCANTOS DE VÁRZEA...

por Marcelo Mendez

 Amanda Perobeli

Amanda Perobeli

E tal e qual Harry Dean Stanton procurando por Nastassja Kinski pelo desertão do Texas, lá fui eu, cronista improvável, caboclo poético, entidade lúdica contumaz e renitente em busca de lirismo pelos campos da Várzea do ACDB. Dá para dizer que a paixão é a mesma. Claro...

Stanton no seminal filme “Paris Texas”, do ótimo Wim Wenders, lutava para encontrar sua loira venusiana com aqueles lábios imortais pelo calor dos Estados Unidos, em botecos de strip-tease dantescos. Pode parecer muito mais louvável do que eu em busca de um bom jogo de bola, mas garanto a vocês que não é de jeito algum algo menor.

Há em um campo de terra batida da várzea a grandiosidade de batalhas épicas. E assim fui:

Estrela D x Corinthians de São Bernardo no campo do Jardim Detroit.

Fui acompanhado da boa paz de Seu Renato, o motorista que por lá nos levou, e por aquela que nem me fez ter inveja do Stanton. Afinal de contas, se ele procurava pela Nastassja Kinski sem encontrá-la de forma pelo Texas, eu de cara já encontrei minha amiga Amanda Perobelli para dar um pouco de charme para essa onda toda.

Amandinha é muito mais que fotógrafa, ela é Bob Gruen assoviando Mutantes, é Richard Kern de tênis Puma colorido ao som de Suffragette City pela Marechal Deodoro. Amandinha de coturno, parada com a mão no bolso de trás da calça jeans, olhando para o quadro de aviso da redação, é a versão mais Rock And Roll do que pode vir a ser a tal da “paz do seu sorriso”. Chegamos juntos no Campo de terra batida e ela que me diz:

- Marcelo, olha essa poeira. Não parece o Saara?

Nessa hora vi ali, sob calor absurdamente escaldante, rostos suados, ares contritos, olhos em suspensão esperando pela catarse que vem a cada bola dividida na várzea. Assistindo àqueles garotos disputando ali seus sonhos mais simples e mais rotundos debaixo daquela pesada cortina de poeira, de terra seca castigada pelo sol do verão impiedoso, ficou simplesmente impossível não me emocionar.

Descobri naquele instante que amava aqueles homens inadvertidamente.

Se eu fosse um Allen Ginsberg faria dessa crônica um verso de “Uivo”, seu livro antológico. Como sou muito menos genial que ele, apenas me emociono. Me deixo levar por uma paixão intrínseca que me faz querer mais e mais e muito mais dessa sensação boa que o futebol de verdade, esporte autêntico, é capaz de despertar no mais incauto dos homens.

Meninos eu vi...

Vi as boas arrancadas do esperto meia Roni, do Corinthians de São Bernardo, bailando lindamente por entre zagueiros pérfidos, perdidos, pálidos e resolutos de seu destino de apenas serem coadjuvantes da obra de arte que foi o gol da vitória marcado pelo camisa 6. Eu vi...

Vi o técnico Reinaldo, do Estrela D, vociferando labaredas de fogo, flamejantes, ácidas como a guitarra de Alvin Lee, com a fúria santa de um Caravaggio... Contra todas as caneladas e bicos que seu time dava para o nada absoluto:

- Maciellllllll... Se você não colocar essa bola no chão e sair jogando eu te mato!!!

Eu vi a terra batida se formar em uma espessa nuvem marrom de poesia e encanto e de dentro dela emergir jogadores de futebol de uma decência, de uma retidão de caráter comovente. Diante disso tudo, pouco importa o placar da coisa toda. Quem vai querer saber daqui a 50 anos do resultado de um jogo de futebol, seja ele qual for? Não é isso que faz do futebol algo imortal. O que o torna diferente são as emoções.

Estas são de uma eternidade mais veemente que os decotes de Mae West.

Vão por mim...