HÁ UMA SEMANA DA COPA, A EMPOLGAÇÃO É BROCHANTE

por Lucas Rafael Chianello, do Blog Chianéllico

j2.jpg

Dois fatores contribuem para um fato público, notório, incontroverso e consumado: a baixíssima expectativa da Copa do Mundo de 2018 pelos brasileiros.

O primeiro é a “europeização”: como atletas ficam cada vez menos tempo nos clubes brasileiros, há uma perda de identidade.

O segundo é a “direitização” do futebol brasileiro: mesmo por setores que não sejam os de esquerda acirrada, assídua ou declarada, a camiseta da CBF está intimamente ligada à corrupção no futebol e toda a desgraça causada pelos patos amarelos, que as utilizaram como uma espécie de abadá do golpe.


Além disso, o futebol está cada vez mais caro: ingressos para as partidas são caros, camisetas do clube de coração são caras, bola, chuteira e meião para crianças aprenderem a jogar futebol são caros.

WhatsApp Image 2018-06-07 at 11.25.12.jpeg

Não se tem mais futebol de rua, de campo de terra batida e pés descalços.

Hoje tudo começa numa quadra society, onde você tem de jogar com o tênis apropriado para o cercadinho que cobra o aluguel por hora.

As transmissões televisivas estão cada vez mais sumárias, pasteurizadas e sisudas.

Até tempo atrás, além de nos identificarmos com os craques dos nossos clubes de coração, também nos identificávamos com narradores e comentaristas.

Não tem mais um Silvio Luiz para dizer que o melhor gramado do mundo é o de Moscou porque é tratado com esterco de galinha d´Angola.

Não tem mais um Januário de Oliveira para dizer que o corpo do Super Ézio está estendido no chão.

Não tem mais um Fernando Sasso para dizer que ela está no filó.

J1.jpg

Não tem mais o maior deles, João Saldanha, para dizer que é só chutar de longe que o Mazarópi aceita e o outro time ganha jogo, para dizer que a seleção está dominando a zona do agrião e que o lateral tem de passar mais em profundidade porque como o campo não é loteamento, ninguém tem posição fixa.

Por isso que a Fox Sports deve repetir a dose de 2014 e escalar o Fabio Bonfá para narrações bem humoradas, assim como narrações desse tipo deveriam ter mais espaço na TV aberta e no rádio.

Como não tem nada disso, o brasileiro perde cada vez mais a identificação com o futebol, que sempre funcionou numa estrutura social, econômica e jurídica totalmente autoritária e mercantilista.

Ainda sim, durante um bom tempo a discussão era quem torcia para o melhor time.

Hoje, é de quem torce para o clube que tem estádio e dinheiro para contratar.

Mesmo que o capitão do Tite levante a taça, a identificação do brasileiro com o futebol já foi derrotada faz tempo.

 

Texto publicado originalmente no Blog Chianéllico