E O ÓBVIO OCORREU

por Ivan Gomes

b1.jpg

A eliminação do selecionado da CBF da Copa da Rússia nas quartas de final perante a Bélgica não foi surpresa alguma para quem acompanha futebol no dia a dia. Sabíamos que o grupo convocado para disputa não passava de um time comum e sem apresentar um futebol envolvente. O Brasil foi só mais um na Copa. A eliminação não ocorreu antes pois o grupo da primeira fase era muito, muito fraco e nas oitavas pegou um time mexicano que joga no mesmo nível dos adversários anteriores.

No primeiro teste com uma equipe preparada, o time dirigido por Tite sucumbiu. Ao menos desta vez, não houve o vexame ocorrido há 4 anos na semifinal contra a Alemanha, o famigerado 7 a 1. Mas faltou futebol, muito futebol.

Talvez o que o Brasil e outras seleções sul-americanas precisam fazer é retornar ao futebol raiz. Nunca seremos europeus, eles que usem as táticas, os sul-americanos precisam voltar a ter orgulho de vestirem as camisas de seus países, jogarem com raça, vontade. O brasileiro precisa voltar a usar o que sabe melhor, o improviso, o drible.

Precisamos parar de apenas dar créditos somente aos atletas que desempenham suas funções em solo europeu. Esse lance de experiência mostra que não é fundamental para uma conquista. O fundamental é o atleta ser o que ele é e ter capacidade para desempenhar sua função da melhor maneira possível. É preciso parar de jogar a responsabilidade para um único atleta. É preciso parar com o ufanismo ignóbil de parte da imprensa.

b2.jpg

Após a eliminação, só nos resta torcer para uma profunda mudança na estrutura do futebol brasileiro. O que precisamos é de uma direção séria, feita por pessoas que conhecem e gostam de futebol, que compreendam que o futebol é de todos que são apaixonados por ele e não de meia dúzia que somente pensa em faturar.

Talvez um dos primeiros passos seja a manutenção do comando técnico, deixar Tite trabalhar e montar uma equipe para futura disputa. Claro que seleção não é como clube, mas é preciso tentar. Mas, como dito anteriormente, além do Brasil, os sul-americanos precisam voltar a ser sul-americanos. A “europeização” sempre fez e sempre nos fará mal.