CULPADO OU INOCENTE?

por Washington Fazolato

s3.jpg

A final da Liga dos Campeões, entre Real Madrid e Liverpool, teve dois personagens marcantes: o goleiro dos Reds, Louis Karius, que falhou miseravelmente em dois gols, de Benzema e Bale, e Sergio Ramos, zagueiro do time espanhol, que tirou de campo o atacante egípcio Mohamed Salah.

Até o lance que provocou sua saída, o jogo pendia ligeiramente para o Liverpool. Mas a sua saída, da forma que ocorreu, abateu a equipe inglesa, que ainda teria um desempenho sofrível de seu goleiro.

A dividida que tirou Salah, à primeira vista, parece uma daquelas disputas de bola acirradas, com agarrões mútuos, que resultam em queda. Uma observação mais atenta, no entanto, revela que não. 

Ramos, com seu braço esquerdo, prende o braço direito de Salah, desequilibra-o e o derruba, aplicando a chamada chave de braço. A Associação Europeia de Judô (EJU) publicou uma foto do lance no seu Twitter, criticando a jogada. Segundo a EJU, o Waki-gatame é uma técnica perigosa e, que por isso, não é permitida no judô.

s4.jpg

Ironicamente, no texto publicado sobre a imagem se lê: "Técnica de chave de braço proibida no judô, mas no futebol bom o bastante para ganhar a Champions League".

A turma do judô deve saber o que fala. Mas antes do jogo acabar a discussão sobre o lance já dominava a comunidade boleira.

Li, vi e ouvi muitas abordagens sobre o lance. Nos programas esportivos, as chamadas "mesas-redondas", o de sempre. Aqueles comentaristas que jamais calçaram uma chuteira afirmavam, do alto de um suposto conhecimento conseguido nas faculdades de jornalismo, tratar-se de uma disputa de bola normal: "Salah teve azar no lance", "não soube cair", "nem falta o juiz marcou" e outras baboseiras.

Os ex-jogadores, dividiram-se. Alguns, em nome de uma suposta ética profissional, afirmaram que o zagueiro evidentemente não quis tirar o maior jogador adversário de campo. Outros preferiram a ironia, tergiversando para tampar o sol com a peneira.

Como sempre, a verdade está com os boleiros. Com absolutamente todos que conversei, companheiros de jornadas memoráveis, de disputas sangrentas, zagueiros que atravessavam os famosos "choques de locomotivas", a turma forjada a fogo, o veredito era unânime: foi claramente maldoso e a intenção era tirar Salah de campo.

Sergio Ramos tem um histórico farto de entradas violentas. Há quem diga, maldosamente, que ele compõe a cota atual de carniceiros do Real Madrid, vaga antes ocupada pelo troglodita Pepe.

s2.jpeg

Eu, que sempre joguei como zagueiro, confesso que, disputando com atacantes, já usei o recurso de prender o braço do adversário, mas sempre tive o cuidado de soltá-lo antes da queda.

Infelizmente, já presenciei até fratura exposta em lances semelhantes. Como para mim, a sabedoria está com os boleiros, fecho com eles: foi maldade.

A final perdeu muito sem Salah. Se o resultado seria diferente, é outra história