O CONVICTO JUIZ DE VÁRZEA

por Marcelo Mendez

(Foto: Reprodução do site Amigos da Várzea Fria)

(Foto: Reprodução do site Amigos da Várzea Fria)

Os Festivais de Futebol...

Houve um tempo em que os clubes não se filiavam em ligas e outras entidades. Se viravam como podiam e cada qual organizava suas equipes. Esses plantéis jogavam amistosos contra times vizinhos da várzea, em jogos aos domingos pela manhã.

E quando valia alguma coisa, nos feriados se realizavam os Festivais.

Eram dias lúdicos nas periferias. O time do bairro organizava uma série de jogos, valendo troféus, que eram comprados com uma taxa de inscrição cobrada e o coro comia ao longo de todo dia. Futebol raiz, encantador de tempos que só existem por puro exercício da teimosia do encanto. Como este em que fui ao Bairro do Sônia Maria, divisa entre Santo André/Mauá e Zona Leste de São Paulo.

Cheguei pelo campo. A borda lotada de rostos, de instrumentos de samba, de riso farto e causos múltiplos. Passei pelas torcidas e então fui até o bar do campo. Era uma tenda agradável com algumas mesas de plástico ao lado. Pedi uma cerveja, me sentei em uma delas, enchi meu copo, dei aquele gole purificador, passei os olhos pela cancha e vi os times entrando em campo.

Perguntando aqui e ali, descobri que o match em questão seria entre os times do 11 de Agosto e do Barranqueiros, ambos ali daquela região da divisa. Dispersos em campo, os atletas tiveram a atenção chamada pelo árbitro da porfiria. Entra em ação nosso personagem de hoje; O Juiz de várzea.

O árbitro em questão não tem um nome afinal ele é muito mais que isso... Trata-se de uma entidade.

Tampouco o chamam “árbitro”. Na várzea como falei é juiz. Juiz mesmo. Por entre versos e barros, no seu apito está a responsabilidade de cuidar de toda essa idiossincrasia desse universo maravilhoso que é a várzea. E sua senhoria não faria feio.

Empertigado de toda a roupa preta do mundo, com os cabelos esticados para trás com tubos e tubos de gel, o juiz do match entrou em campo com pompas e classe de um Valentino, com a finesse de Cary Grant e a imponência de um Victor Mature, soprava com gosto seu apito e conduziu o jogo maravilhosamente bem, com toda a regra e toda autoridade que o certame pedia. Assim as coisas seguiam até que dado momento veio a celeuma mor para a vida do juiz.

Um chute desferido pelo time do 11 de Agosto, do meio da aua, beijou o travessão e quicou no chão. Ninguém naquele campo seria capaz de cravar que a bola havia batido dentro, ou fora da risca do gol. Impossível saber e a nós que ali estávamos não cabia essa responsabilidade. Era a vez de o nosso amigo juiz definir a coisa.

E eis que em um rompante de galhardia, o juiz apita com vontade e apita o centro do campo; Gol do 11 de Agosto!

Nesse momento, sem nenhuma classe o time do Barranqueiros parte para cima de nosso amigo Juiz. De apito na boca, tenta se desvencilhar da confusão, mas não consegue no primeiro momento. A paixão dos homens é maior que as regras e a coisa toma proporções maiores, com o campo invadido. Nesse momento olhei para o juiz.

Em instante algum perdeu sua aura de inefável homem de regras. Com toda a certeza que só os justos e corajosos podem ter, no meio da balburdia toda, sem nenhuma segurança, sem ninguém para acudi-lo, lá estava o juiz a afirmar sua decisão.

Foi gol! E depois de todo empurra-empurra do mundo, assim se manteve a decisão. Da certeza do tento, como falei ninguém pode ter. No entanto, a convicção do juiz em validar a alegria do povo que é o gol, me comoveu profundamente. A ele dedico a crônica de hoje.

O corajoso Juiz de Terrão...