CAREQUINHA, O BOTECO E O FUTEBOL

por Paulo Escobar

IMG_0900.jpeg

Num boteco de madeira debaixo de um viaduto na radial leste é possível ver a paixão nas paredes daquele canto. Sentado no seu sofá, olhando aquela TV de tubo é possível pedir um cigarro solto ou uma dose de cachaça.

Carequinha, como é conhecido, serve cada maloqueiro daqueles quase 300 que passam por dia, alguns para desabafar e outros para pedir fiado, apesar da placa: “Fiado nem na bala”.

Ali foi construído um verdadeiro altar ao Palmeiras, ali é sofrimento e alegria rolando solta. Naquela radial leste sentido Itaquerão, muitos corintianos já gritaram alguma provocação a caminho do estádio.

E justamente nos clássicos que Carequinha não permite que os rivais assistam o jogo no seu boteco, pois dá azar o rival no mesmo ambiente.

A seleção da CBF naquele espaço não é tão importante quanto os jogos do Brasileiro. Sagradas são as rivalidades e zoeiras em dias de jogos.

Para Carequinha, Palmeiras tem mundial, e naquela parede de madeira encontra-se uma foto de revista com Ademir da Guia, pois cada um tem seu Deus e nós, como inter religiosos, o respeitamos.

Um dia, um ônibus da Mancha Verde a caminho do estádio parou naquele boteco, e levou Carequinha ao estádio. Foi o dia que Carequinha conheceu a Arena. Lugar no qual só poderia estar graças a essa atitude.

Em dias de jogos decisivos, os moradores de rua da maloca prestam atenção ao que ocorre no boteco. Acontece que em dias de jogos decisivos ou de títulos, Carequinha abre uma caixa de corote e distribui para a geral. Acredito que mais de um torcedor rival torceu pelo Palmeiras, pois cachaça de graça pra quem tem dificuldade em comprar não é todo dia.

No bar do Carequinha debaixo do viaduto Alcântara é vivido o futebol da forma mais raiz possível, ali aonde os deixados à margem dos estádios e canais fechados ainda vivem suas paixões no rádio.

Sim ali no boteco da maloca ouvir jogo no rádio ainda é tradição. Ali a paixão é vivida de forma muito intensa, pois muitas vezes debaixo de um viaduto de uma cidade rica, que destina milhares à pobreza, a única coisa que não se tira é a paixão.

Por mais que muitos insistam em transformar o futebol em esporte de gente rica, nas malocas a paixão intensa e de coração não será roubada.