BRAGANTINO 1989/1991

por Marcelo Mendez

55489139_573394876513420_6371799535139684352_n.jpg

Naquele sábado eu fui para Bragança Paulista em uma missão que me parecia tão somente protocolar.

Era o ano de 1989 e o meu Palmeiras havia varrido com todo mundo no Campeonato Paulista daquele ano, venceu uma Taça dos Invictos com 23 partidas sem perder, se classificou em primeiro lugar, nos quadrangulares caiu num grupo formado pelo décimo primeiro e o Décimo segundo e tudo parecia muito bem até que, chegou o dia de ir pra Bragança.

Da janela do ônibus eu vi um estádio pequeno, meio apertado, completamente abarrotado e em campo um primeiro tempo que vinha sendo nosso até que um tal de Almir abriu o placar. Depois Zé Rubens e depois Galo. Incrível 3x0 que tirou o meu time, o melhor do Paulistão.

Foi a pior forma para mim, o jeito mais dolorido de conhecer o timaço de hoje.

Com vocês, Bragantino de 1989/1991 em ESQUADRÕES DO FUTEBOL BRASILEIRO

INTERIOR FORTE

No final dos anos 80, o interior estava em ascensão em São Paulo.

54192534_2086722884966082_5667229400274305024_n.jpg

Uns anos antes a Inter de Limeira já tinha conseguido um título, o São José, do artilheiro Toni e do atacante Tita, chegaria para o decidir título e agora, em 1989, surgia um time de preto e branco em Bragança Paulista. De lá pouco se sabia. Apenas que tinha um patrono, o poderoso Nabi Abi Chedid, um técnico talentoso, jovem e vibrante de nome Vanderlei Luxemburgo e a partir daí veio a montagem de um time poderosíssimo.

Astuto e ligeiro, sem gastar muito, Nabi saiu pelo interior recrutando a rapaziada. Primeiro, foi na cidade próxima em Campinas e de lá veio com um pacote do Guarani. O Zagueiro Nei, o goleiro Marcelo, o volante Mauro Silva, Sousa, Ivair vieram para formar o timaço. Do Fluminense, João Santos, Franklin, da Lusa o experiente Luis Muller e do Rio, os craques Tiba e Mazinho. Era essa a estrutura do time que faria história naquele começo de década no Brasil.

53308964_2554970591184270_7490185409582858240_n.jpg

Marcelo, Gil Baiano, Nei, Junior e Biro Biro na zaga. Mauro Silva, Ivair, João Carlos e Alberto na meiuca; Mazinho e Tiba. Esse foi o time base que conseguiu um título paulista numa decisão inédita contra o Novo Horizontino em 1990, que se firmou para disputar um ótimo Brasileirão em 1991.

Naquele ano, a Lingüiça Atômica de Bragança chegou a final do Campeonato Brasileiro de 1991, sendo batido pelo São Paulo de Tele Santana.

Claro que quando falamos de um grande time, nunca é legal a gente terminar falando de um vice. Acontece que aqui, em ESQUADRÕES DO FUTEBOL BRASILEIRO, muitas outras coisas valem além do titulo que se conquista. O Bragantino ousou estar num lugar que diziam não ser o seu. E é essa ousadia que aqui homenageamos.

Grande Bragantino 1989/1991