BOLA FORA

por Sergio Pugliese

imagem 1.jpg

O consagrado produtor garantiu ao executivo da empresa que a melhor estratégia para divulgar o produto seria uma pelada entre artistas e jogadores profissionais: “Estará na capa de todos os jornais!”. O investimento seria alto, afinal os craques e estrelas da tevê sugeridos pelo especialista viviam o auge da carreira. João Araújo, presidente da Som Livre, revelou o plano de comunicação para a diretoria e juntos calcularam os cachês. Projeto aprovado, todos apostaram num estrondoso retorno de mídia para o lançamento de “A Banda do Zé Pretinho”, 16º disco de Jorge Ben, que marcava sua entrada na Som Livre, em 1978.

- Quando recebi sinal verde corri para comprar as camisas – recordou Miéle, autor da ideia.

Mas comprar as camisas era um pequeno detalhe. Na verdade, a mente diabólica de Miéle estava focada na formação dos times. Em casa, distribuiu os nomes das estrelas sobre a mesa e avaliou um a um. O racha seria no campo do Flamengo e logo após a partida, Jorge Ben se apresentaria no ginásio. Seria a resenha mais divertida do planeta e não convinha sair derrotado, ainda mais sendo o pai da ideia. E sem qualquer culpa, iniciou a solitária divisão, “Marinho Chagas para mim, Merica para eles....Doval para mim, Cafuringa para eles...”. Todos eram craques, ídolos, mas alguns foram abençoados por Deus com o toque mais refinado e bonito por natureza. O guloso Miéle queria todos esses fora de série a seu lado. Com os times fechados, o “cartola” ligou para a rapaziada e comunicou a data e o local da festa. A escalação revelou minutos antes da peleja.

- O Miéle, mui amigo, me escalou de lateral no time adversário e o ponta deles era só o Mário Sérgio – reclamou Armando Pittigliani, o Pitti, produtor cinco estrelas e descobridor, entre tantas feras, de Jorge Ben. 

Ao final da distribuição das camisas, os escretes ficaram assim: o “Banda do Zé Pretinho” com Nielsen, Arnaud Rodrigues, Rondinelli, Miéle e Paulinho da Viola. Marinho Chagas, Carpegiani e Mário Sérgio. Betinho Cantor, Doval e Mário Gomes. E o “Para Alegrar a Festa” com Ubirajara, Francisco Cuoco, Armando Pittigliani, Junior e Edson Celulari. Paulo Cesar Caju, Carbone e Merica. Cafuringa, Márcio Braga e Jorge Ben. O clube estava lotado de sócios, celebridades e convidados. Todos constataram um certo desequilíbrio, mas Miéle preocupou-se quando viu Paulo Cesar Caju conversando reservadamente com Junior. Tentou imaginar qual estratégia o genial PC estaria traçando com o jovem lateral do Flamengo, que acabara de subir do juvenil para o time principal. E preocupou-se ainda mais quando notou seus craques Mário Sérgio e Marinho Chagas na beira do campo deslumbrados com a beleza de Sandra Brea e Maitê Proença.

34135076_1559954554133508_7202126467050766336_n.png

- Apostei todas as minhas fichas naquela vitória – contou o botafoguense Betinho Cantor, recordista de trilhas em novelas da Globo, e que na época fazia sucesso com Lucia Esparadrapo, em “O Cafona”, e “Se Você Tem Tempo”, na série “O Invencível Linguinha Versus o Titânico Mr. Yes”, estrelado por Chico Anysio e exibido logo após o Jornal Nacional. 

Mas o papo ente PC e Junior surtiu efeito e o improvável aconteceu. Zeeeeebraaaa!!!! PC Caju acabou com o jogo, entortou Deus e o mundo e marcou dois golaços. Os outros três foram do garoto Junior, que conhecia o campo como ninguém. Resultado, 5 x 2. PC valeu-se da forte marcação de Carbone e Merica em Marinho Chagas, Carpegiani e Mário Sérgio para criar livre, leve e solto, e colocar os adversários na roda. Até hoje Betinho Cantor lamenta-se e garante que se jogassem contra eles novamente cem vezes, ganhariam as cem.

- Choro de perdedor - desdenhou PC Caju, crítico ferrenho do excesso de jogadores de contenção e do futebol força, chamado por ele de “invasão gaúcha”. - Mas naquele dia, me beneficiei disso - brincou. 

O lateral Armando Pittigliani gaba-se de ter “parado” Mário Sérgio e não admite quando acusam a arbitragem de ter beneficiado o atacante Jorge Ben, o festejado do dia.

Flamenguista roxo, Jorge Ben, Barauna Homem Gol, não se intimidou e partiu para cima de seu grande ídolo Rondinelli, que naquele ano fez de cabeça, no último minuto, o histórico gol do título do campeonato estadual do Flamengo em cima do Vasco. Jorge Ben arrasou! Sua apresentação foi mágica no campo e no palco! Humilde, Miéle reconheceu a superioridade adversária e cumprimentou um a um. Reuniu o time para a foto antológica e a guarda até hoje, orgulhoso. Virou quadro, claro, e enobrece sua parede! 

- O plano não deu certo, mas joguei num time de sonho! – resumiu.

34177507_1559955747466722_146531687000440832_n.png

Mas a derrota não foi sua única dor de cabeça. No dia seguinte, apesar da enxurrada de celebridades, não saiu uma notinha sequer, nada. Nem no noticiário esportivo, nem nas colunas sociais. João Araújo espremeu os jornais e zero de notícias sobre o lançamento do disco. Tanto investimento para nada. Miéle assimilou as queixas, mas esquivou-se da culpa, afinal sua ideia era ótima, apenas mal aproveitada. E além das contas, a peladinha valeu por tudo! Quem pagaria o pato? Sobrou para o gerente de comunicação. Quietinho, ouviu do chefe que os grandes “times” vivem de resultados e assim como os técnicos da vida real foi dispensado. Pegou sua prancheta e partiu.