BAHIA 1988

por Marcelo Mendez

ba6.jpg

Era um ano em que nada se esperava, pelo menos nada de novo.

O futebol brasileiro, que havia ameaçado uma melhor organização um ano antes com a Copa União, voltou a ser a mesma bagunça um ano depois. E então o Campeonato Brasileiro de futebol de 1988 só iria acabar em 1989, de quando seriam disputados os mata-matas da competição.

Alheio a toda essa desesperança organizacional, no Nordeste do Brasil um time começou a chamar atenção. Uma equipe que era bicampeã estadual e que já estava meio empapuçada disso. Era hora dessa equipe dar um vôo mais alto, arriscar mais, voar por céus inéditos com toda a proteção de seus orixás.

Hoje, ESQUADRÕES DO FUTEBOL BRASILEIRO tem a honra de contar a história desse time que ousou mudar o mapa futeboleiro do Brasil.

Com vocês, o Bahia, campeão brasileiro de 1988.

E DAÍ?

ev1.jpg

No final do jogo que deu o titulo baiano, o tri ao Bahia em 1988, um grande "E daí" ficou estampado na cara de seus torcedores. Um baita time de bola como aquele não poderia mais se contentar com a soberania local. Era a hora de sonhar em dar um voo mais alto e, para isso, o Presidente Maracajá jogou alto e forte; Trouxe Evaristo Macedo, técnico renomado e experiente, para lidar com o objetivo e com as perdas que o elenco teve:

Sidmar, goleiro titular, ficou sem contrato e não prosseguiu no Bahia. Para seu lugar, Ronaldo é promovido. Pereira, o zagueiro e ídolo é negociado com o Grêmio, Zanata com o Palmeiras. Com isso, Evaristo prepara a montagem do novo time que vai ter Tarantini, João Marcelo, Claudir e o experiente Paulo Robson na lateral esquerda. No meio, um Maestro de nome Paulo Rodrigues, Gil Sergipano, Bobo e Zé Carlos. No ataque, os prata da casa Charles e Marquinhos.

A máquina estava pronta, faltava "azeitar"...

A CAMINHADA

O começo teve alguns tropeços parrudos como os dois placares de 3x0 sofridos para Fluminense e Internacional, derrotas surpreendentes como aquela de 1x0 para o Botafogo dentro da Fonte Nova. Mesmo assim, a máquina foi se ajeitando.

ba2.jpg

O Bahia conseguiu vencer o Criciúma no sul, o São Paulo, com um baile de bola no Morumbi e um passeio de 5x1 no Santos. Na somatória geral dos pontos no turno, o Bahia termina em terceiro lugar e ia ter que buscar sua classificação, primeiro com um mata-mata dramático com dois empates (1x1 no Recife, 0x0 na Fonte...) e a vaga por melhor campanha. Dali pra frente não tinha mais volta.

O Bahia lutaria pelo caneco.

QUASE LÁ

Com as arquibancadas balançando como um trio elétrico insano e dantesco, 110 mil pessoas se espremeram na Fonte Nova para tomarem primeiro um susto do Fluminense, 1x0 gol de Washington para abrir o placar. Viram o empate numa cabeçada certeira de Bobô e daÍ pra frente já era:

O Bahia amassou o Fluminense e com o placar final em 2x1, após o gol de Gil Sergipano, o time carioca saiu com as mãos para o céu por não ter tomado uns 8 na Fonte.

Festa em Salvador! Bahia na Final.

ba4.jpg

Faltava um degrau pra subir.

QUANDO O SEGUNDO CARNAVAL CHEGAR...

O time do Inter era um time forte.

Treinado pelo então jovem Abel Braga, o Colorado contava com Luis Fernando Flores, Taffarel, Luis Carlos Wink, os ótimos atacantes Nilson e Mauricio e toda uma tradição que, no caso do tricolor de aço, já não se fazia há 30 anos, quando o Bahia venceu seu único titulo nacional.

No primeiro jogo na Fonte Nova, também saiu na frente com um gol de Leomir. Mas viu depois disso a Avalanche do ataque Baiano funcionando duas vezes com o craque Bobô. Com o 2x1, o Bahia foi ao Beira Rio com a vantagem do empate e nem com a macumba preparada na entrada do vestiário se intimidou.

Após revisão de Lourinho, torcedor símbolo e Pai de Santo, o despacho no vestiário do Bahia foi removido e da pra dizer que naquela tarde de domingo foi apenas esse o tormento que o Bahia teve.

Jogando de forma firme, convicta e tranquila, o Bahia segurou bem a pressão do time Gaúcho. Teve Ronaldo, o Goleiro, em uma atuação de gala para suportar o 0x0 até o final, até a hora do apito que deu ao Bahia uma das maiores emoções de sua história.

ba5.jpeg

O Bahia foi campeão brasileiro em fevereiro de 1989, já exatos 30 anos atrás, em meio ao esquenta do Carnaval daquele ano. Dobrou a festa! Em 1989, por conta do timaço do Bahia, dá pra dizer seguramente que a boa terra teve dois carnavais...

Ronaldo, Tarantini, João Marcelo, Claudir, Paulo Robson, Paulo Rodrigues, Gil, Bobô e Zé Carlos, na frente, Charles e Marquinhos.

Esses são os 11 de hoje, no ESQUADRÕES DO FUTEBOL BRASILEIRO