ANTIGAMENTE ERA ASSIM. E HOJE, COMO QUE É?

por José Dias

Marinho Chagas ao lado de Falcão, Givanildo, Roberto Dinamite, Marco Antônio e Zico, durante treino da seleção

Marinho Chagas ao lado de Falcão, Givanildo, Roberto Dinamite, Marco Antônio e Zico, durante treino da seleção

Nos meus últimos 44 anos, acompanhei futebol como nunca, e não sei o que se passa nos clubes quando estão em treinamento. Antigamente, no início do jogo, a bola tinha que ser tocada para a frente e, daí, para trás uma, duas até chegar no zagueiro. O defensor efetuava um passe ou um lançamento através de um "chutão" para que seu centroavante se virasse com os marcadores. O objetivo era fazer com que a equipe adversária viesse atrás da bola, se desguarnecendo. Mas 99% dessas bolas acabavam ficando com a defesa.

O "corner" - antigamente era chamado assim -, eu lembro, era efetuado procurando aproveitar o que era treinado durante a semana, nos treinos "coletivo apronto". Hoje em dia...

O "lateral", entre outras possibilidades, era feito por um dos laterais, arremessando a bola até o centro da grande área, jogada também ensaiada quando existia um jogador com essa característica. Djalma Santos, por exemplo, executava o fundamento com perfeição. Hoje, "barbaridade", o cobrador remete a bola de fora para fora da linha lateral. É inacreditável!

E outros fundamentos, combinações e jogadas eram ensaiadas exaustivamente nos treinamentos.

Eu lembro bem, em 1991, jogavam Sport x Flamengo, na Ilha do Retiro, quando o excepcional Júnior, de costas para seu gol, marcado por um ou dois adversários, próximo à linha lateral, sem olhar, girou e, por cobertura, fez um lindo gol, mas contra o próprio "patrimônio". Atrasou a bola para o goleiro Gilmar, que saíra de sua área para receber a bola do companheiro.

A razão pela qual estou relembrando uma ação que não deu certo?

Rogério Micale orienta os jogadores da seleção olímpica

Rogério Micale orienta os jogadores da seleção olímpica

Fico preocupado quando tomo conhecimento que o treinador da seleção olímpica, com menos de 20 dias de "ajuntamento", pretende mudar um conceito (bom para o europeu que treina isso faz muito tempo), fazendo o goleiro exercer o papel de líbero, jogando em sua intermediária, sem o menor cacoete em sair jogando com os pés. Os goleiros não têm, absolutamente, culpa nenhuma, afinal nunca foram preparados para isso.

Fico preocupado também com o relacionamento entre os jogadores. Alguns moram no mesmo condomínio e, mal se cumprimentam quando se encontram. Outros moram em condomínios afastados um dos outros, como vão manter relação amigável, dentro campo, se mal se conhecem?

 Zico, Leandro e Tita treinando no Castelão. 

 Zico, Leandro e Tita treinando no Castelão. 

"A REPETIÇÃO APRIMORA O GESTO", já dizia a Madre Superiora.

Como leigo no assunto, não seria o caso de voltar à prática dos coletivos aprontos, buscando o tal do entrosamento, tentando fazer com que jogadores se conheçam e, quem sabe, se cumprimentem antes, durante e depois das partidas?