A TAÇA DO MUNDO É NOSSA

por Victor Kingma

sele.jpg

Daqui a poucos dias teremos uma nova Copa do Mundo, na Rússia. Como sempre acontece no país do futebol, o Brasil vai parar nos dias dos jogos para assistir a nossa seleção. Um acontecimento mágico capaz de unir, numa só torcida, atleticanos e cruzeirenses, gremistas e colorados, palmeirenses e corintianos ou rubro-negros e cruzmaltinos. É a pátria de chuteiras, como dizia Nelson Rodrigues.

A cada vitória todos se unem para comemorar, normalmente embalados pelo som de alguma música que cai no gosto dos torcedores e acaba se tornando o hit da seleção.

Nas conquistas de 1958 e 1962, quando o Brasil se tornou bicampeão mundial, uma mesma música é lembrada até hoje, como símbolo das memoráveis jornadas de craques consagrados como Gilmar, Didi, Nilton Santos, Garrincha e Pelé, nos gramados da Suécia e do Chile:

“A taça do mundo é nossa,
Com brasileiro não há que possa
Êh eta esquadrão de ouro,
É bom de samba, é bom no couro.”

A música, dos autores Wagner Maugeri, Lauro Muller, Maugeri Sobrinho e Victor Dagô, na verdade, foi composta após a conquista do primeiro título, em 1958, para homenagear o feito inédito da seleção brasileira.

Em 1970, na conquista do tri, no México, enquanto Gerson, Rivelino, Jairzinho, Pelé e Tostão encantavam o mundo com um futebol arte, nas ruas o povo, eufórico, apesar dos difíceis tempos políticos, cantava a marchinha ufanista do compositor Miguel Gustavo:

“Noventa milhões em ação
Pra frente, Brasil
Do meu coração
Todos juntos vamos
Pra frente, Brasil, Brasil
Salve a Seleção!”

Em 1982, na Espanha, embora o Brasil não tenha conseguido o título, apresentou ao mundo uma verdadeira orquestra, comandada por Telê Santana e que tinha “músicos” consagrados como Falcão, Cerezo, Sócrates e Zico. Interessante é que um dos principais músicos daquela orquestra, o lateral Júnior, era quem também animava a torcida com seu hit “Povo Feliz”, dos compositores Memeco e Nono, que acabou ficando popularmente conhecida como “Voa, canarinho, voa”:

“Voa canarinho, voa,
Mostra pra esse povo que és um rei.
Voa canarinho, voa,
Mostra na Espanha o que eu já sei.”

Na conquista do tetra em 1994, nos Estados Unidos, a música Coração Verde e Amarelo, de Tavito e Aldir Blanc, tema das transmissões da rede Globo, foi a escolhida para embalar a conquista de Romário, Bebeto e Cia:

“Eu sei que vou
Vou do jeito que eu sei
De gol em gol
Com direito a replay
Eu sei que vou
Com o coração batendo a mil
É taça na raça Brasil!!”

Já em 2002, ano em que o Brasil sagrou-se pentacampeão, nos gramados do Japão e Coréia do Sul, o refrão de um grande sucesso da época, da música “Festa”, de Anderson Cunha e interpretada por Ivete Sangalo, contagiou a torcida e a seleção do técnico Felipão, Rivaldo e Ronaldo:

“Avisou, avisou, avisou, avisou
Que vai rolar a Festa, vai rolar
O povo do Gueto mandou avisar
Que vai rolar a Festa, vai rolar.”

 

Outra Copa está aí e vamos aguardar para saber, e ouvir, qual musica vai ser escolhida pelos torcedores para incentivar nossos jogadores na luta pela conquista do Hexa.

Victor Kingma  -   www.victorkingma.com.br