A PRIMEIRA VEZ NO ESTÁDIO

por Rafytuz Santos

Joãozinho era um garoto apaixonado por futebol. Colecionava figurinhas e cards da Copa do Mundo, Champions League, Campeonato Brasileiro, Copa América e tantos outros campeonatos. Sabia tudo sobre diversos jogadores, mas o seu grande ídolo era Marta (sim, isso mesmo... MARTA).

E quis o destino que a sua primeira ida a um jogo de futebol fosse em um jogo da genial camisa 10 Marta. Foi em uma quarta-feira, e o pequeno Joãozinho acordou naquele dia eufórico. Separou a sua melhor camisa do seu time de coração, ficou chutando a bola na sala, e no seu imaginário estava reproduzindo as históricas jogadas da Marta, com toda mestria e velocidade. O dia passou rápido, e tudo parecia um lindo roteiro de cinema: Joãozinho pulando no banco de trás do fusca de seu pai, saindo do interior de São Paulo em direção a Santos, no templo sagrado do futebol, a Vila Belmiro, para acompanhar o empolgante time feminino do Santos Futebol Clube, em um jogo de Libertadores.

Joãozinho entrava no estádio, e ao chegar na arquibancada, uma lágrima corria suavemente em seu rosto, sutil, leve, carregada de emoção e ingenuidade, contida da pureza de uma criança e da beleza do futebol. O sonho do menino do interior estava se realizando, e ele estava misturado a outros tantos apaixonados pelo esporte que sempre une povos e nações.

A cada jogada de Marta, o pequeno garoto se contorcia tamanha a empolgação gerada pelo jogo. A voz de Joãozinho até sumiu, e quando o gol de Marta saiu, o garoto retirou sua camisa com a maior força, e se atirou nos braços de sue pai, caindo no choro com o momento que nunca sairá  de sua mente. A cena de Marta indo em direção ao setor onde Joãozinho e seu pai estavam na arquibancada foi eternizada na retina do menino, e fincada no coração futebolístico do garoto caipira que se aventurou no Litoral Paulista.