A BOLA E O RÁDIO, DOALCEY BUENO DE CAMARGO

por Marcelo Mendez

Depois de falar de Osmar Santos, Jorge Curi e Oduvaldo Cozzi, hoje a coluna "A Bola e o Rádio" tem a honra de apresentar mais um grande nome do rádio em um momento glorioso: Doalcey Bueno de Camargo é nosso homem.

Em 1972 o Fogão arrebentou com o Flamengo e no segundo gol de Fisher as coisas foram assim:

“Desce o Botafogo, Fisher de primeira disparoooooouuu é Goooooolllll, Gol do Botafogo... Vai, Amilcar...”

“A violeta é procurada pelo perfume que tem/quem tem amor tem ciúme/quem tem ciúme quer bem... Gol cristalino!”

Entre 1965 e 2009 a Rádio Tupi contou com um narrador espetacular, um Paulista do interior que fez história no rádio, que abrigou os grandes nomes da crônica esportiva, como seu parceiro de comentários Amilcar Ferreira, o “Comentarista Cristalino” que a cada gol mandava um verso tirando uma onda com o time que levava o tento.

Esse de hoje é histórico...

Em 1972 o Fogão meteu seis no Flamengo, em dia lendário. Doalcey mandou as narrações com classe, com elegância, com um estilo único que marcou para sempre os geraldinos que colavam os ouvidos para vibrar com o radialista.

Na narração escolhida, além da voz linda de Doalcey, tem o impagável Amilcar que a cada gol fazia um verso como falamos acima. O problema é que o jogo foi 6x0 e nosso comentarista, contrariado, já não tinha lá mais tantos de improviso.

No comentário, o registro de sua contrariedade. Na agulha, a coluna "A BOLA E O RÁDIO" homenageia Doalcey, o Grande!