A ÁRBITRA DE ITAMBÉ

por Paulo Oliveira

O jogo de futebol feminino entre as equipes de Itambé e Campinarana, localidade que deu origem ao distrito de Nova Brasília, em Ribeirão do Largo, no sudoeste baiano, estava praticamente decidido. A equipe da casa vencia por 5 a 2.

De repente, as atenções se voltaram para a arquibancada, onde uma senhora de 64 anos batia com o guarda-chuva em um torcedor. Em campo, uma das jogadoras da equipe visitante chutou a bola para fora quando viu que o envolvido na confusão era seu parente. Queria parar o jogo.

20180505_145315.jpg

A jovem árbitra Thide Lira, com apenas um ano de experiência, levou um susto ao ver a mãe, Naete, conhecida em toda cidade como dona Nai, atacando o sujeito, mas deu prosseguimento à partida. Outros torcedores intervieram e apartaram os antagonistas.

Logo que a disputa terminou com o placar de 7 a 2 para o time da casa, Thide foi até dona Nai para saber o que aconteceu. Descobriu que sua principal incentivadora não gostou de ouvir o rapaz gritar que Thide "precisava de um homem para mostrar o que a mulher tem que fazer".

O torcedor ainda se atreveu a falar "que lugar de mulher era em casa e não em campo de futebol". Isso mexeu com os brios de dona Nai, amante do esporte, torcedora apaixonada pelo Flamengo, que levava a filha desde os oito anos para ver jogos de futebol no estádio Osorão:

- A cena se repetiu muitas vezes até que aprenderam que quando minha mãe estava na arquibancada não podiam falar mal de mim. Se me xingassem ou criticassem, ela batia com o guarda-chuva e chamava de machista. Minha mãe me ensinou que lugar de mulher é onde ela quiser estar – conta a ex-lateral direita e única árbitra da Liga Amadora de Itambé.

BOLA ROLANDO

Thide Lira Brito cresceu jogando "babas" nas ruas, quadras e campos da cidade natal. Mudou-se para o Rio de Janeiro aos 13 anos e para Belo Horizonte aos 17. Na capital mineira, obteve vaga no programa "Meu Primeiro Emprego", passando a trabalhar na empresa "Só Telas", a qual mantinha um time de futebol masculino.

IMG-20180504-WA0013.jpg

Com a desculpa que a disputa era violenta e a adolescente poderia se machucar, os colegas, apesar dos insistentes pedidos, não a deixavam jogar. Um dia faltou um jogador e Thide, acompanhando o jogo com o rosto colado na grade, foi convocada. Não saiu mais. Com 1,67m e 50kg, virou titular e ria quando os adversários gritavam "quebra a sequinha".

A vida seguiu. Tide teve filha, casou, teve outra filha, mas não largou o futebol. Em 2002, voltou para Itambé e encontrou um cenário desolador: as equipes e a seleção feminina não existiam mais.

A falta de atividade esportiva colaborava para uma grande mazela: a prostituição. Um grupo de meninas ficava à beira da BR-415 (Ilhéus-Vitória da Conquista) à espera de caminhoneiros. Thide resolveu mudar aquela situação.

O primeiro passo foi encontrar apoio. Se uniu a um professor de educação física, chamado Luiz, para reativar o futebol feminino de quadra e de campo. Depois, conversou com as garotas. Como encontrou resistência, pois era a forma que elas tinham de conseguir alimentos para as famílias, procurou os pais das adolescentes. Ofereceu cesta básica e atividade física para quem deixasse de se prostituir, mesmo sem ainda ter recursos.

Com o promotor de Itambé, a conversa não avançou muito. Ele sugeriu que o projeto de Thide fosse feito através de uma instituição.

- Poucos comerciantes daqui ajudaram.. O que mais eu ouvia era que as meninas não queriam abandonar a prostituição. Parti, então, para Vitória da Conquista e consegui 80 cestas básicas. Além da família das jovens, cadastrei pessoas carentes! – recorda.

A prefeitura foi o último local a ser procurado:

- Eu não apoiava o prefeito, por isso demorei quase dois anos para falar com ele. Estava com medo de ser mal recebida. No entanto, para minha surpresa, ele foi bem receptivo. Forneceu material esportivo e bolas. Eu e o Luiz começamos então a tocar o projeto a pleno vapor! – conta.

Vinte e três meninas, inclusive as seis que antes se prostituíam, se inscreveram na equipe do Manchester de Itambé. O time também atuava como a seleção da cidade nas categorias de futsal e futebol de campo. Os bons resultados apareceram e o grupo ganhou fama, mas aí mudou o prefeito. O novo gestor retirou o apoio e o projeto, mantido por teimosia, entrou em declínio.

MUDANÇA DE RUMO

20180505_145402.jpg

Thide acumulava as funções de coordenadora e de atleta do Manchester até machucar o joelho e fazer cirurgia.

- Parei de competir. Isso me deu uma tristeza enorme. Como é que eu ia ficar longe do que mais gosto? Tentei ser técnica, mas não deu certo. Fui convidada para ensinar handebol na AABB. Eu jogava, mas não gostava tanto do esporte. Aí surgiu o curso de arbitragem da Federação Baiana de Futebol! – relata.

O incentivo para participar da formação veio de Edmundo Gonçalves, presidente da Liga Amadora de Itambé e administrador do estádio Osorão. Nessa época, Thide Lira trabalhava na biblioteca da Universidade do Sudoeste da Bahia, em Vitória da Conquista, a 58 km de distância, cobrindo a licença de uma amiga. Nos fins de semana, Thide apitava e bandeirava jogos de várzea, organizados pelo dirigente, e ouvia elogios.

- Ela mostrava que tinha jeito para a arbitragem! – afirma Edmundo.

Um amigo carioca de um mais um empurrão. Presenteou-a com um livro sobre arbitragem, devorado rapidamente. Outra providência da aluna passou a observar atentamente a atuação dos juízes em jogos ao vivo e pela televisão.

- Em 2005 fiz o curso. Eu era a única mulher da turma que tinha 11 homens. O professor foi o Luciano, da federação baiana. Ele só deu aula teórica, mesmo assim o Edmundo confiou em mim e me escalou para bandeirar jogos na região. – diz.

Os árbitros veteranos receberam bem a nova colega. Betinho, Nelson e Marcão faziam elogios e lhe deixavam confiante. Se tudo corria bem entre os juízes, nem sempre as coisas saíam como ela esperava do vestiário para fora, principalmente, em jogos disputados em outras cidades, onde o grande adversário era o preconceito.

Quando Thide chegava para trabalhar, dirigentes, representantes das prefeituras e jogadores achavam que ela era mulher de um dos árbitros. Era comum perguntarem - sempre se dirigindo aos homens - quando o quarto juiz ia chegar. Em Itapetinga, município vizinha, escalada como árbitra principal nos jogos de várzea cansou de ouvir: "Hein professora, vamos ver a merda que a senhora vai fazer".

PROVOCAÇÕES E NUDISMO

20180505_145141.jpg

Na função de quarto árbitro, Thide tem que entrar nos vestiários das equipes para pegar a assinatura dos jogadores e saber a cor dos uniformes que jogariam. Em uma dessas vezes, bateu na porta, avisou que ia entrar e mesmo assim deu de cara com um jogador pelado:

- A primeira vez que isso aconteceu eu fiquei..., a prancheta tremia. Foi aqui em Itambé. O rapaz trabalhou comigo na Azaléa (fábrica de calçados), era casado. Fiquei constrangida. Tinha feito o curso da federação, mas, como disse, só tive aulas teóricas. Quando retornei tremendo para o vestiário dos árbitros, Marcão e Samarone me tranquilizaram. O Marcão me deu um conselho que sigo até hoje: "Na hora de entrar, se tiver um negão nu, faz de conta que é uma negona e pronto." – revela.

Com o tempo, os incidentes diminuíram. Há, porém, atletas sacanas que ficam pelados de propósito para desconcertar as mulheres da arbitragem. Em Poções, a cerca de 130 km de Itambé, Thide foi chamada para trabalhar em um jogo e ajudar no treinamento de uma futura colega.

- O rapaz foi extremamente grosseiro conosco. Ele era o capitão do time e apareceu nu para assinar a súmula de propósito. Depois, olhou para mim e disse, ironicamente: "Só isso?". Olhei para o órgão sexual dele e revidei do mesmo jeito: "Só isso?". Os outros jogadores deram gargalhadas.

Na saída do vestiário, a árbitra teve ímpeto de pedir desculpas. Pensou melhor e concluiu que o jogador é quem deveria se desculpar.

- Quem faz isso está acostumado a diminuir a mulher que tem na família. O homem que valoriza a mulher, independente do trabalho que ela tenha, não vai querer te deixar sem graça, te expor ao ridículo! – acredita Thide, criada com sete irmãs e um irmão e mãe de Rayssa e Hanna e avó de Piettra Anthônia.

Depois do jogo, um dirigente do clube se desculpou pelo comportamento inadequado do atleta.

ESCOLTA POLICIAL

IMG-20180504-WA0016.jpg

 Uma decisão na cidade de Planalto, próxima de Vitória da Conquista, também marcou a carreira da juíza de futebol. Ela e dois outros colegas foram contratados para atuar na final de um torneio, no qual o time da casa jogava pelo empate. Nos acréscimos, o árbitro principal marcou um pênalti e o título foi para o visitante.

- Veio todo mundo para dentro de campo, para cima dos juízes. Eu não, mas os outros colegas foram empurrados. Tivemos que sair escoltados pela polícia. O juiz principal não tomou nem banho, saiu de uniforme mesmo. Os policiais nos escoltaram por cerca de meia hora na estrada até ter certeza que nada aconteceria. - relembra

Em 2008, Thide voltou a morar em Belo Horizonte. Fez curso de reciclagem na federação mineira e passou a atuar nos bairros da capital mineira e em cidades da região metropolitana. Perdeu as contas das vezes que ouviu que baiana só entendia de acarajé e que foi xingada por ser mulher e nordestina.

JOGADOR APAIXONADO

 Edmundo e Thide

Edmundo e Thide

Uma árbitra passa por momentos surpreendentes em sua carreira. Durante o campeonato de seleções do interior da Bahia, um atleta de Itapetinga, chamado Henrique, a pediu em namoro no campo. Diante da torcida, ajoelhou e disse que só iria para o vestiário se ela o aceitasse.

Thide ficou mais surpresa do que no dia em a mãe dela bateu em um torcedor:

- Pense na situação. Eu o conhecia de outros jogos. Muita gente sabia que ele faria aquilo, menos eu. Para contornar o caso, falei que depois do jogo conversaríamos. – conta a juíza, que não aceitou a proposta do atleta.

Ao retornar para Itambé pela segunda vez, em 2010, Thide começou um relacionamento. No início do namoro, Tiago sofreu um acidente: o caminhão em que estava perdeu o freio e desceu de ré do alto de uma ladeira. O motorista do veículo morreu e o namorado da árbitra ficou tetraplégico. No hospital, o rapaz pediu para que Thide cuidasse dele. A vida da ex-jogadora sofreu uma guinada e ela se afastou da arbitragem.

Depois do falecimento de Thiago, a árbitra não se sentia segura para voltar aos estádios. Mais uma vez, Edmundo Pereira, o presidente da Liga de Itambé, teve um papel importante na vida da juíza, que tinha deixado de fazer as reciclagens exigidas pela federação e se desfez dos uniformes, chuteiras e acessórios (cartões e apito).

Em 2018, Edmundo voltou a escalar Thide Lira como quarta árbitra até que ela faça a atualização e possa voltar a ser pelo menos bandeirinha. Atualmente, as funções dela são verificar a cor dos uniformes para que os times não entrem com roupas iguais e para definir o padrão a ser usado pelos árbitros; recolher as assinaturas dos atletas na súmula; fiscalizar os bancos de reservas para que não sejam ocupados por jogadores expulsos e pessoas não credenciadas e assumir a posição do bandeirinha, que vai para a linha de fundo, quando um pênalti é marcado.

- Agora que voltei vi que ser árbitra está no meu sangue. Não quero mais parar.

TORCIDA CURIOSA

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) recomenda que quem vai apitar até mesmo jogos de várzea organizados pelas ligas deve comparecer ao local de trabalho com roupa social.

- Tem horas que pareço  executiva. – compara Thide.

A questão da troca de roupa povoa a curiosidade dos torcedores. O vestiário da arbitragem é único, com um cômodo para banho e troca de vestimenta. Os moradores de Itambé não se cansam de perguntar como Thide procede. Às vezes, ela faz mistério.

IMG-20180504-WA0012.jpg

Na verdade, as mulheres usam malhas por baixo da roupa e se trocam rapidamente no banheiro. A quarta árbitra é a primeira a sair do vestiário para cumprir as obrigações que tem antes do jogo começar. O fato de dividir o vestiário com os colegas, incomoda muitos homens. Um namorado terminou com Thide porque não se conformava com a existência do vestiário único.

Os juízes também sofrem pressão por causa do times que torcem. A árbitra de Itambé é flamenguista, mas não teve como esconder a paixão por um time do município:

- Quem trabalha na arbitragem tem de ter uma ética danada. Eu tenho um time do coração. Todo árbitro do interior tem. Já trabalhei em jogo dele e não facilitei. Muita gente sabe por quem eu torço aqui porque ia ver os jogos quando me afastei da função. Só o que acontece? Em momento algum favoreço ele. Eu te levo para conversar com jogadores e dirigentes de todas as equipes para que digam se eu tive alguma atitude contrária ao que estou afirmando.

REMUNERAÇÃO

O quarto árbitro, antigamente chamado de mesário, recebe R$ 50 (ano passado era R$ 70) por jogo do campeonato municipal; os bandeiras, R$ 75, e o juiz principal, R$ 150. Quando são escalados para atuar em outras cidades, a liga local ou a federação também fica responsável pelas despesas com transporte, hospedagem e alimentação.

Thide atuou em sete jogos do campeonato municipal em 2018. Mesmo quando não está escalada, comparece ao Osorão para ajudar Edmundo e os meninos, forma carinhosa como chama os outros juízes. É uma espécie de "Severino Faz Tudo", inclusive providencia o lanche da arbitragem - refrigerante, salgado, frutas e água à vontade.

A competição será decidida entre Santana e Paysandu, no próximo domingo (20/05). A mesma final de 2017. Thide está escalada como quarta árbitra. O ingresso dos jogos custa R$ 5. Na reta final, o número de pagantes chega a 1.900. Em uma cidade com poucas opções de lazer, a magia do futebol é a salvação.