71 ANOS DE POESIA

ALDIR.jpg

No dia em que o vascaíno Aldir Blanc completa 71 anos, recordamos uma historinha bem legal que o rubro-negro Moacyr Luz nos enviou: 

“Quem mora na a Tijuca sabe. Se o sujeito mora na Muda, na Usina, costuma dizer pro condutor:

- Depois da Rua Uruguai. E foi assim que o Aldir aceitou minha carona...

Eu, emocionado com a sua presença na minha Variant, balbuciei:

- Eu também!

Tinha acabado de me mudar pro bairro.

Alta madrugada, cruzo a rua de referência, e o gênio-poeta acena:

-  Moro ali, terceira à direita, Rua Garibaldi.

Tremi:

- Eu também!

Nos olhamos com riso de trama:

- Qual o prédio? O de grades em volta?

Eram seis da manhã. Entramos na garagem, fumamos um maço de cigarros, guimbas pela janela do carro, e assim ficamos, vizinhos por 23 anos."

 

Nascido e criado no Estácio, bairro do Rio de Janeiro, Aldir se mudou para a Tijuca e começou a compor aos 16 anos. Após abandonar a faculdade de Medicina, em 1973, voltou toda sua atenção para a música, sobretudo MPB, e o sucesso foi quase imediato.

 A parceria com João Bosco rendeu lindas canções como "A Nível De", "O Bêbado e a Equilibistra", "Nação", entre outras. O talento não demorou a ser reconhecido e o craque participou de dois Festivais Internacional da Canção e do Festival Universitário da Música Popular Brasileira, sempre bem colocado.

No seu 50º aniversário, lançou o disco comemorativo "Aldir - 50 anos", com a participação de Betinho, Edu Lobo, Paulinho da Viola, Danilo Caymmi e Nana Caymmi.

Se já não fosse o bastante, em 2006, publicou um livro de crônicas chamado "Rua dos Artistas e Transversais". Sempre retratando o Rio e o Brasil, Aldir é, sem dúvidas, um dos maiores letristas da música popular brasileira.