60 TONS DE VERMELHO E PRETO E UM POUQUINHO DE VERDE AMARELO

por Marcos Vinicius Cabral e Mario Helvecio

6a77249f-4d63-4a16-b904-4f8ac22b17c9.jpeg

Certa vez, em 1987, sentado numa bola, Leandro observava seus companheiros correndo no gramado da Gávea.

Apesar do olhar triste - o mesmo que lembrou o episódio quando foi considerado acabado para o futebol e reprovado nos exames médicos do empréstimo ao Internacional em 1979 - nada abalaria mais o jogador aos 28 anos.

Vítima de problemas crônicos nos joelhos - artrose no direito e tendinite no esquerdo - o imortal camisa 2 rubro-negro poderia ter ido mais longe na carreira.

- Cada partida disputada por Leandro é uma obra de arte do departamento médico do clube - diria certa vez o falecido GiuseppeTaranto.

O craque da camisa 3 era diferenciado, tanto que não treinava em dois turnos como os demais e fazia apenas exercícios específicos de peso, como por exemplo, fortalecimento muscular em que levantava 25 kg com a perna direita e 15 com a esquerda 250 vezes.

Ainda se submetia às ondas eletromagnéticas - a famosa corrente russa -, laser, ultra-som e gelo, muito gelo em ambos os joelhos.

Tudo isso para combater (ou tentar) o "mal de cawboy", que segundo especialistas, só seria possível se o jogador tivesse usado gesso com aparelho ortopédico entre os 2 e os 5 anos e ser submetido a uma cirurgia até os 10 anos, em que teria que quebrar as pernas e engessá-las novamente.

Embora com todas essas dificuldades, não lhe faltam títulos e isso se deve porque Leandro é dotado de uma qualidade técnica inesgotável.

Clássico, jamais foi desleal - em 415 jogos na carreira, foi expulso uma única vez, em 23 de novembro de 1983, quando se desentendeu com o ponteiro Ado do Bangu, no Campeonato Carioca.

Encerrou sua brilhante carreira vestindo apenas a camisa do Flamengo - com exceção da seleção brasileira - ao longo de doze anos como profissional.

O Museu da Pelada elaborou sessenta motivos para parabenizar esse ídolo da galeria dos imortais do Clube de Regatas do Flamengo, que hoje sopra velinhas de aniversário:

1) No dia 17 de março de 1959, nascia na cidade de Cabo Frio, no Rio de Janeiro, um dos raros jogadores a passar toda a carreira vestindo apenas uma camisa: o lateral-direito e zagueiro LEANDRO.

2) Em 1969, aos 10 anos de idade, se interessa pelo futebol e começa a encantar, por sua habilidade com a bola, os amigos e a todos que presenciaram seu inicio no mundo da bola.

3) Acompanhou a tristeza do pai, quando, ouvia pelo rádio, o Flamengo perder para o Fluminense por 2 a 1. Depois do segundo gol do Fluminense, disse que ia ao banheiro, mas foi, na verdade, para a sala ajoelhar e rezar pelo empate. Quando voltou, saiu o gol de empate. Foi uma grande alegria para o menino Leandro. “Me senti realizado por papai do céu atender ao meu pedido”, disse Leandro.

033f0b8d-2aea-43f5-881c-a72d94ecbb6a.jpeg

4) Entre 1973 e 1975, vem diversas vezes ao Rio de Janeiro, junto com o pai, para assistir no Maracanã a jogos do Flamengo. Se apaixona pelo Rubro-Negro carioca e elege Zico, seu ídolo e exemplo.

5) Em 1976, aos 17 anos, veio com o primo Nonato ao Rio de Janeiro, prestar vestibular e foi convencido por este primo a fazer um teste nas categorias de base do FLAMENGO, seu clube de coração.

6) Fez testes no Campo da Base dos Fuzileiros Navais,

6) Fez testes no Campo da Base dos Fuzileiros Navais, na Ilha do Governador, juntamente com Vitor, futuro volante do Flamengo. Imediatamente integrado à equipe juvenil do Flamengo, Leandro ficou nesta categoria até fevereiro de 1978. Américo Faria o levou para treinar na Gávea.

7) Impressionou a todos no Clube pela qualidade de seu futebol e no fino trato com a bola. Foi aprovado.

8) Nesta época ganhou dos colegas da base do Flamengo o apelido de “Peixe-Frito”, que o acompanha até os dias de hoje.

9) Foi promovido pelo técnico Claudio Coutinho ao time profissional do Flamengo, estreando no empate de 1 a 1 com o América, em partida amistosa em 22 de março de 1978 no Estádio Caio Martins em Niterói/RJ. Atuou como volante.

10) Em 10 de maio de 1978, atuou pela primeira vez como lateral-direito, posição que o consagraria, na partida amistosa Flamengo 3 X 1 Atlético-BA em Alagoinhas, Bahia.

11) Sua primeira partida como titular do Flamengo foi em 05 de julho de 1978, no empate de Flamengo 1 X 1 Palmeiras no Maracanã, em partida válida pelo Campeonato Brasileiro. Atuou como lateral direito.

12) Seu primeiro jogo internacional foi no empate Flamengo 0 X 0 Talleres-ARG, no Estádio Chateau Carreras em Córdoba na Argentina, em partida amistosa no dia 27 de julho de 1978. Atuou como lateral direito.

ec134433-b49d-4467-9b65-1bf8e61c1dd9.jpeg

13) Seu primeiro jogo oficial (valendo 2 pontos) nos profissionais do Flamengo foi na derrota de 2 a 0 para o Real Madrid da Espanha no Estádio Razor em La Coruña na Espanha pelo Troféu Teresa Herrera em 13 de agosto de 1978.

14) Sua estreia no Campeonato Carioca foi na vitória de 3 a 0 do Flamengo sobre o Bangu, no Estádio Proletário, válido pela Taça Guanabara em 24 de setembro de 1978.

15) Seus primeiros títulos como profissional foram a Taça Rio e o Campeonato Carioca, ambos em 1978.

16) Em 11 de fevereiro de 1979, em partida válida pela Taça Guanabara, primeiro turno do Carioca (Especial). O Flamengo venceu o América por 4 a 0 com gols do ponta Reinaldo, Adílio e dois gols de falta de Zico. Leandro teve atuação soberba como volante. Este jogo marcou a inauguração do placar eletrônico do Maracanã.

17) Seu primeiro gol como profissional do Flamengo, foi na partida Flamengo 3 X 0 Portuguesa/RJ, em 29 de setembro de 1979 no Maracanã, pelo 3o turno do Campeonato Carioca. O seu gol foi o terceiro do Flamengo.

18) Em 1979, Leandro conquistou com o Flamengo o Campeonato Carioca (Especial) e também o Campeonato Carioca. Neste ano, devido a unificação dos Clubes da Capital e do Interior do Estado, imposto pela então pela recém-criada Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro, foram disputados dois Campeonatos Cariocas. O Flamengo venceu as duas Competições.

6fd9d0f7-f370-4564-bb83-87d1ab620cc5.jpeg

19) Em novembro de 1979, se envolveu em um acidente de carro e fraturou a perna, desfalcando o Rubro-Negro da Gávea. Até sua recuperação total, em setembro de 1980, só disputaria duas partidas amistosas, ambas contra o Atlético-MG em fevereiro e maio do mesmo ano. Mesmo contundido, fez parte do elenco que conquistou o Campeonato Brasileiro de 1980.

20) Neste período, ainda buscando afirmação, foi sondado pelo Internacional de Porto Alegre, sendo vetado pelo médico do Clube, Dr. Neylor Lasmar que mais tarde seria o médico da seleção Brasileira e que teria declarado que errara na avaliação na época do Internacional. Sorte do Flamengo.

21) Em 24 de setembro de 1980, na vitória de 1 a 0 sobre o Volta Redonda no Estádio Raulino de Oliveira, Leandro volta ao time, jogando de ponta esquerda, ao substituir Júlio Cesar UriGeller.

22) A partir de então, assume de vez a condição de titular da lateral-direita do Flamengo, deixando no banco o excelente Carlos Alberto.

23) No segundo semestre de 1980, realizou o sonho de jogar junto com o zagueiro Luís Pereira, no Flamengo.

24) Em Janeiro de 1981, renova seu contrato com o Flamengo até o final da Copa do Mundo de 1982, deixando claro que o Clube acreditava que Leandro chegaria à Seleção Brasileira em breve.

25) Em 15 de setembro de 1981, em partida amistosa que marcou a despedia oficial de Paulo César Carpegiani, o Flamengo de Zico venceu ao Boca Juniors-ARG de Maradona no Maracanã por 2 a 0. Após a partida, o astro argentino foi perguntar a Zico quem era o “craque” da camisa 2 do Flamengo.

26) Suas atuações no Flamengo o levaram a ser convocado para a Seleção Brasileira pela primeira vez para o amistoso contra um Combinado Irlandês em 23 de setembro de 1981, no Estádio Rei Pelé em Maceió. Entrou no segundo tempo no lugar do lateral Perivaldo. O Brasil venceu por 6 a 0.

27) Sua primeira partida como titular da Seleção Brasileira foi em 28 de outubro de 1981 na vitória da Seleção de 3 a 0 sobre a Bulgária no Estádio Olímpico em Porto Alegre. Leandro marcou o terceiro gol após belo passe de Sócrates, no segundo tempo. Leandro assumiu de vez a titularidade da lateral direita da Seleção Brasileira. Após este jogo o Dr. Neylor Lasmar, médico da Seleção Brasileira, que o havia condenado para o futebol, se rendeu ao talento de Leandro.

28) Na decisão da Taça Libertadores em 23 de novembro de 1981, no Estádio Centenário de Montevidéu, contra o Cobreloa-CHI, Leandro atuou como volante e numa partida soberba, comandou o meio campo do Flamengo, na vitoria de 2 a 0, garantindo o titulo para o Flamengo.

29) Em 06 de dezembro de 1981, o Flamengo venceu o Vasco por 2 a 1, conquistando o Campeonato Carioca. Ainda no primeiro tempo, numa disputa de bola com Roberto Dinamite no meio de campo, Leandro "rolou" a bola entre as pernas do craque vascaíno e iniciou mais um ataque do Ribro-Negro. Lindo lance que levou a galera do Flamengo ao êxtase.

30) Em 13 de dezembro de 1981, Leandro atingiu o ápice da carreira aos 22 anos. O Flamengo venceu o Liverpool-ING por 3 a 0 e sagrou-se Campeão Mundial de Clubes. Leandro teve atuação destacada encarando o astro escocês Kenny Dalglish, atacante do time inglês. Leandro o marcou com excelência e ainda construiu lindas jogadas de ataque, deixando o lado esquerdo do Liverpool desnorteado.

31) Em 1981 e 1982, foi o líder de assistências na temporada do futebol brasileiro, jogando pelo Flamengo.

32) Em 24 de janeiro de 1982, o Flamengo foi a Recife encarar o Nautico no Estádio do Arruda. Em um jogo muito duro, o Flamengo venceu por 4 a 3 e Leandro marcou um golaço de perna esquerda de fora da área.

33) Em 31 de março de 1982, Flamengo foi a Recife encarar o Sport pelas quartas de finais do Campeonato Brasileiro. O Clube pernambucano venceu por 2 a 1. Leandro marcou um golaço de fora da área, encobrindo o goleiro País, aproveitando belo lançamento do zagueiro Marinho, classificando o Rubro-Negro carioca para as semifinais, já que no primeiro jogo no Maracanã, o Flamengo venceu por 2 a 0.

34) Em 1982, Flamengo e Grêmio decidiram o Campeonato Brasileiro em três jogos. 1 a 1 no Maracanã, 0 a 0 no Olímpico em Porto Alegre e também no Olímpico em Porto Alegre, 1 a 0 para o Flamengo, garantindo o título para o Rubro-Negro da Gávea. No segundo jogo desta decisão, o tricolor gaúcho impunha uma pressão fortíssima em cima do Flamengo e toda a bola que chegava ao goleiro Raul, este chutava para a frente e era repreendido por Leandro, que dizia: “Vamos sair jogando, não adianta dar chutão. Só devolve a bola pra eles”. Irritado com a insistência do lateral, Raul jogou com violência a bola na direção de Leandro. A partir daí foi só arte. Leandro deu um passo atrás, matou a bola no peito, deu um “chapéu” em Vilson Tadei, driblou Paulo Isidoro, fez linda jogada pela direita, foi ao ataque e criou jogada que quase resultou em gol do Flamengo. Voltou para defesa e gritou para Raul: “Ei, Velho...psiu...quando eu pedir a bola, pode dar...eu jogo pra caralho”...o goleiro do Flamengo de olhos arregalados, imediatamente, fez sinal de positivo, concordando com Leandro.

35) Leandro foi o titular da Seleção Brasileira em toda a campanha na Copa do Mundo de 1982, na Espanha.

36) Integrou a Seleção da Copa de 1982, eleição feita pela revista France Football.

37) Após a Copa do Mundo de 1982, ao saber do interesse de Clubes da Europa, Leandro assinou contrato em branco com o Flamengo, garantindo sua permanência no Rubro-Negro.

38) Ganhou sua primeira Bola de Prata da Revista Placar em 1982.

39) Em 1983, foi vice-campeão da Copa América pela Seleção Brasileira.

a5ca267b-4959-4fab-9ef7-2d309b7573bc.jpeg

40) Em 06 de fevereiro de 1983, o Flamengo foi a Belém-PA encarar o Paysandu no Estádio Mangueirão. Em um jogo muito duro, o Flamengo venceu por 3 a 2 e Leandro marcou o segundo gol do Flamengo de perna esquerda após confusão dentro da área do Paysandu.

41) Marcou o segundo gol do Flamengo, de cabeça, após centro de Zico, na vitória de 3 a 0 sobre o Santos, na decisão do Campeonato Brasileiro de 1983, garantindo o título para o Rubro-Negro.

42) Em 19 de julho de 1984, no empate do Flamengo 0 a 0 com o Grêmio, pela Taça Libertadores da América, Leandro jogou sua última partida na lateral direita.

A partir daí, assumiu a condição de zagueiro do Flamengo, possibilitando a Jorginho, seu sucessor, a oportunidade de se firmar com a camisa 2.

43) Em 11 de dezembro de 1985, em partida válida pelo triangular decisivo do Campeonato Carioca, Leandro marcou um dos gols mais bonitos da história do Maracanã, no empate de 1 a 1 entre Flamengo e Fluminense. Um golaço de fora da área, de pé direito.

44) No dia 08 de junho de 1985, Leandro marcou seu segundo e último gol pela Seleção Brasileira. Foi no amistoso Brasil 3 X 1 Chile no Estádio Gigante do amistoso Brasil 3 X 1 Chile no Estádio Gigante do Beira-Rio, em Porto Alegre.

45) Ganhou sua segunda Bola de Prata da Revista Placar em 1985.

46) Em 1986, formou com Mozer, uma das melhores duplas de zaga da história do Flamengo. É até hoje a dupla de zaga menos vazada da história do Campeonato Carioca. O Flamengo conquistou o título deste ano.

47) Em 07 de maio de 1986, Leandro disputou seu ultimo jogo pela Seleção Brasileira. Foi no amistoso Brasil 1 X 1 Chile no Estádio Pinheirão em Curitiba. A partida fazia parte da preparação da Seleção para a Copa do Mundo de 1986.

48) Em 1986, após participar de quase todo o processo de preparação e eliminatórias para a Copa do Mundo, Leandro se recusa a embarcar para o México, abandonando a Seleção Brasileira, alegando, que com o corte do amigo, o ponta Renato Gaúcho, o esquema de 1982 seria repetido, e seria prejudicado novamente sem nenhum apoio pelo lado direito e, que seus joelhos não agüentariam o vai e vem pela lateral. Lembrando que Leandro já jogava na quarta zaga já há quase dois anos. Leandro também atribuiu sua decisão a um gesto solidário ao mesmo Renato Gaúcho, já que o atacante foi cortado após os dois terem chegado tarde à concentração. Segundo Leandro, não seria justo apenas Renato ser cortado.

26ea29a7-9fe3-4fd5-a067-c99531bcea4a.jpeg

49) Em 1987, formou com Edinho, outra zaga de muito respeito e sucesso. Conquistaram a Copa União, o Tetra Brasileiro para o Flamengo.

50) Em 24 de fevereiro de 1988, Leandro marcou seu último gol como jogador profissional. Foi no jogo Flamengo 3 X 1 Volta Redonda, no Estádio da Gávea e Leandro marcou o segundo gol do Flamengo, num chute forte de pé direito de fora da área.

51) Em 1988 e 1989, com sua experiência e talento, foi fundamental na formação do zagueiro Aldair, Campeão da Copa do Mundo de 1994 pela Seleção Brasileira e considerado por muitos, como um dos maiores zagueiros da história da Seleção.

52) Em 06 de fevereiro de 1990, disputou o jogo Flamengo 2 X 2 World Cup Master, no Maracanã, jogo que marcou a despedida de Zico no futebol.

53) Em 07 de julho de 1990, disputou seu último jogo oficial, a derrota do Flamengo de 2 a 1 para o Bangu, no Estádio Proletário em jogo válido pela Taça Guanabara, primeiro turno do Campeonato Carioca.

92a49c17-95b5-49b5-ab51-bd939b2a845a.jpeg

54) Em 10 de setembro de 1990, disputou seu ultimo jogo como profissional, na partida Flamengo 4 X 2 Seleção Carioca, que representou a despedida do atacante Nunes no futebol, no Estádio Caio Martins em Niterói.

55) Leandro conquistou pelo Flamengo as Taças Guanabara de 1978, 1979, 1980, 1981, 1982, 1984, 1988 e 1989; as Taças Rio de 1978, 1983, 1985 e 1986; os Campeonatos Carioca de 1978, 1979, 1979 (Especial), 1981 e 1986; os Campeonatos Brasileiros de 1980, 1982, 1983 e 1987 (Copa União); a Taça Libertadores da América e do Mundial de Clubes, ambos em 1981, além de Torneios menores onde se destacam a Copa Punta Del Este, Torneio Internacional de Nápoles, ambos em 1981, Troféu Naranja em 1987 e Copa Kirin e Troféu Colombino em 1988.

56) Disputou pelo profissional do Flamengo, entre 1979 e 1990, 415 jogos e marcou 14 gols.

e7d7f925-af92-4d71-90d4-d2af5d4123d9.jpeg

57) Zico sempre dizia: “O Leandro marca poucos gols, mas sempre quando marca, é um gol importante”.

58) Leandro é considerado por muitos jogadores, treinadores e críticos esportivos como o maior lateral- direito que o Brasil já produziu.

59) Disputou pela Seleção Brasileira, entre 1981 e 1986, 29 jogos e marcou 2 gols. Integrou a equipe que disputou a Copa do Mundo de 1982, na Espanha.

60) Américo Faria: “Em minha longa carreira no futebol, foi, sem dúvida alguma, o jogador de maior talento com quem trabalhei”.