CONTRA O CEARÁ NÃO DEU

por Rafael Santana

c2.jpg

O Rei Pelé jogou entre os anos de 1959 e 1974 contra os times do estado Ceará. Jogou no Estádio Presidente Vargas, jogou no Castelão, contra o quadrado de ouro do Fortaleza Esporte Clube, no Romeirão, e também teve um confronto no Pacaembu.

Em 1959, o já campeão mundial Edson Arantes fez seu primeiro jogo em terras cearenses. Apesar de ter marcado duas vezes, não impediu o empate do Fortaleza, impulsionado por um PV lotado até as tampas em um simples amistoso entre Fortaleza e Santos.

Em 1968, em um ano bem particular, o Santos vistou Fortaleza para fazer a entrega de faixa de campeão cearense invicto do Ferroviário Atlético Clube. O resultado do jogo foi 0x0, mas o que valeu foi a festa.

c4.jpg

No dia 3 de dezembro de 1972, o Ceará tinha um timaço!! Campeão cearense, tinha jogadores excelentes como Edmar, Mauro Calixto, Da Costa e por aí vai! Em partida válida pelo Campeonato Brasileiro de 1972, Pelé iria entrar em campo pela milésima vez na carreira, uma expectativa imensa foi criada para essa partida. Seria essa mais um show do rei?

Nesse ano, Pelé já dava indícios que um fim estaria por perto, mas continuava a brilhar com muitos gols e suas jogadas, então, para seu milésimo jogo, acredito que o Brasil inteiro estava de ouvido ligado nessa partida.

Aos 11 minutos do primeiro tempo, o Santos abriu o placar com Pelé, sim o rei marcou e dava indícios de show. Até que o Ceará mostrou sua grandeza virando a partida com Samuel aos 17 e o goleador Da Costa. Foi a primeira vitória de um time cearense sobre o Santos do Rei.

A torcida do Ceará fez o PV tremer tamanha a festa. Assim que acabou o jogo, rolou uma grande invasão de campo e um fã ofecereceu a bagatela de 10 mil cruzeiros pela blusa do Rei. Acuado, ele foi embora reclamando das condições do jogo.

c1.jpg

ONZE MESES DEPOIS INAUGURARAM O CASTELÃO

Pelé finalmente jogou no Castelão, e dessa vez não teve motivo algum para reclamar. Em 23 de janeiro de 1974, o Santos enfiou uma goleada de 5x1 no Fortaleza, campeão cearense, com o Rei marcando duas vezes. Dessa forma, ele se despedia dos campos de futebol cearenses sem nunca ter conseguido ganhar do Ceará Sporting Club.

QUANDO O CRAQUE DRIBLOU O DITADOR

por Paulo Escobar

c1.jpg

Carlos Caszely foi sem dúvida o jogador mais popular da história do futebol chileno. Quantas crianças nas décadas de 70 e 80 do século passado não sonharam em ser Caszely, ou comemoraram os gols como ele?

Um dos aprendizados que levou desde muito cedo é que um atleta antes de ser jogador é uma pessoa, e conciliar o lado humano e jogar bem dentro de campo foi mais do que presente na vida dele. Caszely teve que sustentar suas posições e isso lhe custou muita coisa, mas umas das coisas que nunca se arrependeu foi estar ao lado dos oprimidos.

Carlos Caszely foi um dos maiores artilheiros do futebol latino, na sua carreira foram 805 gols anotados, e seu começo foi no Colo-Colo do Chile, clube no qual foi apelidado de “Rei do metro quadrado”. Foram inúmeros gols nos quais o Chino Caszely deixou goleiros no chão e entrou com bola e tudo, numa semifinal de Libertadores fez mais uma de suas obras primas, mais uma vez entrando com bola e tudo.

Geralmente os jogadores com posições fora de campo que zelam por aqueles que mais sofrem ou que com suas vezes geram polemicas não são bem vistos, pois as entidades do futebol zelam pelo silêncio e bons costumes. Para estes suas ações fora de campo sempre se amplificam e ficam mais visíveis.

c2.jpg

Caszely declarou sua posição politica de esquerda desde muito cedo, e isto se deu por ver a situação das pessoas pobres de seu país e por acreditar que Allende poderia levar esperança às classes mais baixas. Por conta disso, Carlos não foi contratado pelo Real Madrid na década de 70, e acabou indo jogar no Levante. Depois de duas belas temporadas, foi comprado pelo Espanyol, chegando a jogar na seleção Catalã.

Uma das jogadas mais difíceis e mais arriscadas não foi feita dentro de um campo de futebol, mas sim do lado de fora, numa época de torturas e desaparecimentos de pessoas no Chile. Quando em 1973 o ditador Pinochet toma o poder e leva a cabo operações de tortura e massacres, Caszely não fica indiferente, e foi justamente neste período que ele faz uma das jogadas mais difíceis.

Após a classificação da seleção chilena para a Copa de 1974, os jogadores que iriam disputar a competição na Alemanha deveriam ir saudar o ditador, e foi nesta hora que Caszely deixa Pinochet de mão esticada e se negou a saudar o tirano. Era um gesto necessário para Carlos, pois ao caminhar nas ruas e pisar a realidade reparava e sentia o que rolava do lado de fora dos estádios.

c3.jpg

Esta jogada fora de campo o atinge no seu coração, pois quem sofreu a consequência deste ato foi sua mãe, Olga Garrido, que foi torturada e violentada. A pedido de sua mãe, Carlos somente trouxe à luz este fato em 1988, numa propaganda do “Não” que visava o voto contra Pinochet no plebiscito realizado a mando do mesmo para ver se continuava no poder até 1997.

Caszely fazia gols e alegrava o público, mas dentro de si trazia a dor de ter tido uma das pessoas mais amadas ser mutilada em seu íntimo. Não guardou rancor, pois a pedido de sua mãe lhe disse para não guardar mágoas.

As pessoas o saudavam nas ruas e agradeciam sua coragem, baixinho aos ouvidos sussurravam a felicidade, os mineiros lhe diziam que ele era a voz daqueles que sofriam. Caszely sofreu não convocações à seleção chilena, ter levado o primeiro cartão vermelho da história do futebol lhe custou uma série de críticas, teve que jogar e driblar a vida dentro e fora dos gramados.

Sempre é mais cobrado aquele que se posiciona, aquele que não aceita as palavras de suas assessorias ou que sente a mesma realidade que a maioria dos seus torcedores mais desfavorecidos vivem. Um homem com tantos gols e de uma habilidade incrível, frio dentro da área e de um talento diferenciado fez o que poucos jogadores fazem, uma vida próximo à realidade e não foi indiferente ao sofrimento alheio.

DE ENGRAXATE A CAMPEÃO DO MUNDO

por Marcos Vinicius Cabral

 Seu Bidinho e dona Veriana

Seu Bidinho e dona Veriana

Bastante apreensivos, seu Abel e dona Veriana - grávida e prestes a dar à luz - chegavam ao Hospital São Camilo, situado na Avenida Brasil, n° 938, Paes Leme, Centro de Imbituba, em Santa Catarina.

Ao chegar naquele lugar foram logo encaminhados à emergência, dando um basta numa espera angustiante de nove meses: enfim, o pequeno Antônio nascia.

Era o nono dia do mês de agosto de uma quinta-feira de 1951, quando o quinto filho de um total de nove chorou pela primeira vez.

Conhecido por todos em Imbituba como seu Bidinho, seu Abel era um português esbelto - trabalhava como estivador na EFDTC (Estrada de Ferro Dona Thereza Christina), que na época do início da exploração do carvão, tornou-se atividade principal nos serviços de transporte ferroviário - que adorava futebol.

Assim como todo brasileiro apaixonado pelo esporte - criado pelos chineses há 2 mil anos e aperfeiçoado em 1863 pelos ingleses - sofrera na derrota do Brasil para o Uruguai por 2 a 1, na final da Copa do Mundo de 1950, em pleno Maracanã.

Afinal de contas, tanto sofrimento tinha lá seus motivos, já que alguns jogadores do poderoso "Expresso da Vitória" (um dos maiores times do Club de Regatas do Vasco da Gama de todos os tempos) serviam à seleção, como o goleiro Barbosa, o zagueiro Augusto, os volantes Eli e Danilo, os atacantes, Alfredo II, Maneca, Ademir Menezes (inclusive artilheiro da Copa com nove gols) e Chico, todos craques em suas respectivas posições.

br.jpg

Naquela fatídica partida disputada em 16 de julho de 1950, os olhos de seu Bidinho - torcedor vascaíno como Imbituba jamais conhecera - resignaram-se assim como os outros 173.850 mil pagantes naquela tarde triste de arquibancadas lotadas.

Já dona Veriana aos 31 anos, mulher exemplar e muito bonita por sinal, compreendia essa outra paixão na vida do marido.

Mulher prendada que não se limitava apenas em cuidar da família Nunes, mas desempenhava bem as funções de esposa e mãe.

Mesmo com toda dificuldade de criar os cinco meninos e as três meninas, o casal - que havia perdido um filho no parto - distribuía amor, carinho e mesmo com uma rigídez portuguesa e uma pontualidade britânica, educou toda prole na humilde casa onde residiam na Rua Otacílio de Carvalho, n° 298, no Centro da cidade.

Se a matriarca nunca deixou faltar bonecas para Alair, Abegail e Adelir brincarem, o patriarca arrancava sorrisos de Avanir, Antônio, Ademilson, Abenicius e José, com carrinhos de cores diferentes, que dava para os filhos, propositalmente, para não gerar brigas entre eles.

Já o pequeno Antônio, porém, deixava o seu brinquedo jogado em um canto qualquer da casa ou no quintal e aguardava ansioso a chegada do Natal para ganhar o seu tão desejado presente: uma bola de futebol!

A convivência com o tão aguardado brinquedo faria deles inseparáveis e com ele debaixo do braço após chegar do colégio - estudava no Grupo Escolar Henrique Lage, onde fez todo o primário - ia almoçar rapidamente para em seguida caminhar por cerca de 4 quilômetros a pé (ida e volta), até o serviço do pai, para levar o almoço numa marmitex sob sol ou chuva.

Depois passava direto na casa do amigo Serginho - seu colega de turma no colégio e filho de seu Lico, amigo de seu pai - para apanhá-lo para jogar futebol.

Era comum naquelas tardes passar mais tempo na casa de seu Lico do que em casa e por tal motivo, começou a ser chamado de Lico por todos da cidade, pegando de vez o apelido .

Em janeiro e fevereiro, meses em que os navios desembarcavam no Porto de Imbituba trazendo os marinheiros que procuravam aos berros por ele, que com apenas 7 anos era exímio engraxate.

- Aprendi a engraxar sapatos, pois na época dava uns bons trocados, principalmente quando os navios que traziam os marinheiros ancoravam - conta ao Museu da Pelada.

Poucas não foram as vezes que enquanto os soldados da Marinha do Brasil não chegavam, ensaiava dribles no irmão Ademilson no acimentado rachado em que as sandálias com as tiras presas com prego nas solas serviam de traves em um campo improvisado.

Embora tivesse habilidade para engraxar sapatos para ajudar os pais na criação dos irmãos nas noites frias de Imbituba, ainda sobrava fôlego para competir com o mesmo Ademilson na venda de amendoins torrados e bananas recheadas.

Ora vencia e ora era vencido!

Nas bancas montadas em frente ao Cine Marabá, viu a infância passar tão rápido como num estalar de dedos.

- Fui o quinto filho de nove irmãos. Meus pais foram meus grandes heróis. Às vezes penso e começo a imaginar como eles conseguiram criar tantos filhos, com tanto amor e com tanta disposição. Acho que foi pela fé, sabe? -, diz emocionado.

E foi ali, em frente ao único cinema da cidade - inaugurado em 03 de fevereiro de 1965 pelo então empresário Abady Rufino de Sousa - que sua vida mudou.

Por muitas vezes assistiu matinês de Django, Zorro, Capitão América e (o seu preferido) Rin Tin Tin - série esta produzida entre 1954 e 1959, em que um cachorro acompanhava uma cavalaria nos EUA. No Brasil, já teve a voz do então dublador mirim Reginaldo Faria, dublando o Cabo Rusty.

Mas nada, absolutamente nada, fazia seus olhos brilharem tanto como os filmes exibidos pelo Canal 100.

Ali, naquela projeção em preto e branco ele se imaginava dando os dribles desconcertantes de Garrincha nos "Joões" que insistiam em marcá-lo ou sendo Didi com sua habitual elegância no fino trato à bola ou ainda fazendo os lançamentos milimétricos como os de Gérson para os peitos dos atacantes.

Sim, ele estava disposto a mudar de vida e ser jogador de futebol!

WhatsApp Image 2018-12-12 at 09.30.34.jpeg

E com esse pensamento aos 8 anos de idade, quando não estava engraxando sapatos dos marinheiros que procuravam por moças de família para namorar ou vendendo amendoins torrados e bananas recheadas, ficava até tarde da noite com Abenicius - seu irmão mais velho e um dos mais habilidosos que teve a oportunidade de conhecer na vida - aprendendo fundamentos do futebol.

Era passe, domínio de bola no peito, na coxa, na parte interna e externa do pé, cabeceadas, chutes à médias e longas distâncias, dribles em alta e baixa velocidades, deslocamentos, além dos exercícios físicos e alongamentos.

Aos 16 anos de idade, já era aspirante da equipe do Imbituba Atlético Clube - que foi fundado em 1924 e que encerrou suas atividades em 1990, após ter disputado suas últimas competições oficiais.

Não demoraria muito e nem causaria estranheza tamanha evolução aos que acompanharam de perto todo esse processo de aprendizagem do então jovem promissor Lico, que chegava ao América Futebol Clube em 1970, após pedido do amigo Paulo Roberto - ponta-direita daqueles que aliavam velocidade e habilidade - ao seu Lauro Búrigo, então treinador da equipe americana, exigindo que fosse contratado com seu amigo inseparável da camisa 11.

- Eu havia acertado tudo com o pai do Paulo Roberto, que se apresentaria no início da temporada. Aí ele exigiu que eu contratasse o Lico, que eu nem sabia quem era. Mas como estava desejoso em levar o craque da cidade para o meu time, aceitei, mas já pensando em dois ou três treinos depois, mandá-lo embora -, diz o "Velho Bruxo", como é chamado pela mídia catarinense e que teve sua trajetória contada nas 328 páginas do livro "Lauro Búrigo - Segredos do Bruxo", relançada ano passado pelo jornalista Paulo Brito.

 América/SC em 1972

América/SC em 1972

Ironias da bola, isso acabou não acontecendo pois o indesejado Lico que receberia um pé na bunda se firmou e foi o grande nome no time do América, comandado por seu Búrigo.

Se pela equipe americana nos gramados catarinenses o promissor camisa 11 magrelo e pernas compridas ia destronando laterais com dribles desconcertantes, rompendo por entre zagueiros viris com velocidade e desqualificando esquemas táticos com uma habilidade sobrenatural, sua permanência no clube em que se profissionalizou seria curta, para desespero do "Velho Bruxo".

Para fazer caixa, o modesto América não resistiria as investidas do extremo Sul do país e emprestaria sua joia rara de 22 anos, para jogar no Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense em 1973.

Apesar da expectativa da exigente torcida gremista, que ostenta ídolos até hoje - como o goleiro Eurico Lara (jogador que defendeu o gol do tricolor por mais tempo, de 1920 a 1935), o meia Tarciso (que vestiu mais vezes a camisa do clube, em 721 partidas), o atacante Alcindo (que de 1963 a 1971 e de 1977 a 1979, comemorou 264 gols) e Renato Gaúcho (bicampeão da Libertadores como jogador em 1983 e como técnico em 2017) - Lico não foi tão produtivo como de costume e amargou seis meses sem jogar.

- Eu vi do banco de reservas, dois gols de Pelé, um de Nenê e outro de Brecha e aquele fantástico Santos nos golear no Pacaembu no Campeonato Brasileiro - confidencia sem esconder o desejo de ter enfrentado o Rei naquele Brasileiro de 73.

 Figueirense em 1975

Figueirense em 1975

Depois de um ano e de ter dado um passo maior que as pernas - em questão da ida precipitada para o Grêmio -, regressou às origens e com o passe livre nas mãos - o América enfrentava uma crise financeira e não havia condições de pagar seu salário - negociou com o Figueirense.

Nos dois anos em que esteve no Orlando Scarpelli, vestiu a camisa 7 e teve a oportunidade de conhecer o habilidoso meia-esquerda Luiz Éverton, que além de ter se tornado seu grande amigo (ainda são até hoje), o ensinou a dirigir.

- Eu precisava convencê-lo em comprar um carro e assim que adquiriu um, não foi difícil. Ele estava se destacando nos jogos e precisava - como dizíamos na época - se motorizar. E foi bem rápido -, diz aos risos o ex-camisa 10 do Figueirense, hoje com 68 anos.

Em 1976, disputado pelos clubes de Santa Catarina, acertava com o Avaí Futebol Clube para ser o camisa 11, vestindo as cores azul e branco.

l3.jpg

No Adolfo Konder, apelidado de "Pasto de Bode" ou "Majestoso" (estádio demolido em 1982 para construção do Beira Mar Shopping, que serviu de casa do Avaí antes da Ressacada ser utilizado em definitivo a partir de 1983), permaneceu até 1978, mas fez em 1977, um campeonato impecável em todos os aspectos, ganhando um Fusca como premiação por ter sido eleito o melhor jogador do Campeonato Catarinense, mesmo sendo vice-campeão após perder o título para a Chapecoense.

Depois disso, dois acontecimentos mudariam sua vida peremptoriamente, em 1978: o casamento com Simone Silva Nunes, na Igreja Matriz Imaculada Conceição, em 18 de março e a assinatura de contrato com o Joinville Esporte Clube, em 04 de dezembro.

Enquanto o coração transbordava em amor pela sua dona foi na Arena Joinville que se transformou em ídolo, vestindo pela primeira vez a camisa 10, apesar da preferência pela 8.

- Certa vez, quando criança, assisti Imbituba x Metropol, em que vi um (camisa) 8 chamado Madureira, jogar tanta bola que passei a gostar desse número por causa dele -, confessa.

l2.jpg

E foi com a 10 que foi derrotado por 3 a 2 para o Corinthians de Sócrates e Cia, no Morumbi, válido pela primeira fase do Campeonato Brasileiro de 1980, que o "jogador magro de pernas longas mas extremamente habilidosas", como era chamado na cidade pelo jornalista Maceió, tenha feito sua melhor partida como profissional, naquela tarde de 23 de fevereiro.

Depois dessa atuação de gala, alguns clubes despertariam interesse em sua aquisição, entre eles o Flamengo que para desgosto de seu Bidinho, o pai vascaíno, o contratou.

- Na transação entrou Cr$ 6.000,00 (seis milhões de cruzeiros) e mais os passes de Valdo, Lima e Hélio dos Anjos -, cita Waldomiro Shutzler, presidente do Joinville que negociou o craque com o Flamengo à época.

Nômade nos campos catarinenses à procura de uma boa pastagem para alimentar seu futebol, chegou ao Rio de Janeiro com a difícil missão de ser o reserva imediato do Galinho de Quintino.

Porém, como o camisa 10 rubro-negro dificilmente ficava fora das partidas, Lico quase não jogou e voltou ao Joinville, dessa vez emprestado para jogar o Brasileiro daquele ano.

Em três meses, atuou apenas em oito partidas e voltou ao time carioca.

l7.jpg

Preterido pelos treinadores Cláudio Coutinho e Dino Sani, que não lhe deram oportunidade em sua primeira passagem pela Gávea, Carpegiani, recém efetivado no cargo, não queria cometer o mesmo erro de seus antecessores.

Dessa vez parecia que Lico daria um salto na carreira ao desembarcar pela segunda vez na Cidade Maravilhosa para vestir o manto rubro-negro, com as orações de dona Veriana, sua mãe, de Simone, sua esposa, e a bênção de São Judas Tadeu, padroeiro do clube.

Na chegada ao Flamengo no segundo semestre de 1980, já amadurecido pelas cicatrizes da bola, não demorou para mostrar seu verdadeiro futebol.

Numa tarde aprazível, no esburacado Estádio Ítalo del Cima, contra o modesto Campo Grande, no 3° turno do Campeonato Carioca, Carpegiani lançou no segundo tempo o ponteiro técnico e veloz, quando o time de Zico e Cia perdia por 1 a 0.

Ali, os 6.588 pagantes presenciaram o surgimento do mais novo camisa 11 do Flamengo, que ao dar um passe para o gol de Tita - pouco antes do camisa 7 ser expulso - e fazer o outro de bicicleta, chamou a atenção da imprensa esportiva.

Mas foi no mítico Estádio do Maracanã, no dia 08 de novembro de 1981, contra o clube da Estrela Solitária, que o endiabrado ponta-esquerda "comeu a bola" literalmente.

i8.jpg

- Foi nesse jogo que o futebol dele se cristalizou de tal maneira que eu não tinha mais como tirá-lo do time -, diz Paulo Cézar Carpegiani, lembrando da atuação dele na goleada de 6 a 0 contra o Botafogo, no Carioca daquele ano.

Mas se nove anos antes, numa quarta-feira 15 de novembro de 1972, em seu 77° aniversário, o clube da beira da Lagoa recebia como presente no Maracanã, a acachapante goleada de 6 a 0 imposta pelos "Gloriosos" Cao, Mauro, Valtencir, Osmar e Marinho; Nei e Carlos Roberto; Zequinha, Fisher, (Ferreti), Jairzinho e Ademir, (Marco Aurélio), válida pelo Campeonato Brasileiro, quis o destino que o troco viesse à altura.

Demorou mas a faixa "Nós gostamos de vo6!", estendida ironicamente nos clássicos entre as duas equipes, numa mais foi vista nas arquibancadas.

- Este foi um jogo especial. Era um placar que estava entalado na garganta dos torcedores. Mas eu só fiquei sabendo da história no intervalo da partida. Tinha que ser naquele dia -, diz "Bigode", chamado carinhosamente pelos companheiros de time.

Companheiros estes, que se renderiam ao seu talento e importância para o sucesso da equipe.

- Lembro quando ele veio de Santa Catarina, já com 29 anos, considerada uma idade avançada para se integrar em um clube como o Flamengo. Chegou com o aval do nosso treinador Cláudio Coutinho, caindo como uma luva naquela equipe - diria o imortal ex-lateral Leandro.

Se os 90 minutos do jogo da vingança seriam relevantes, o que dizer da maratona de competições?

E convenhamos, naquela temporada seria desgastante: seis meses antes, em maio, disputa o Brasileiro, em julho conquista a Taça Guanabara por pontos corridos, em novembro é campeão da Libertadores e em dezembro conquista o Carioca e o Mundial Interclubes.

Alguns jogos tão intensos e disputados, principalmente na Libertadores, onde hematomas, suor e sangue, fizeram parte do nacionalismo radical e da ditadura do general Augusto Pinochet (1915-2006), seguidos à risca pelo Cobreloa, no gramado de Santiago.

- Nessa competição tem que se usar todos os recursos. Contra a gente foi dessa forma, mas nosso time tinha um equilíbrio emocional muito grande -, contemporiza Adílio, uma das vítimas dos "Pinochetianos" jogadores do time chileno.

Lico, outra vítima, vai além:

- A agressão que sofri foi covarde, já que esse tipo de coisa não condiz com o futebol e muito menos com profissionais que decidem uma competição tão importante.

Naquele solo infértil de grama verde em que o árbitro uruguaio Roque Cerullo fez vista grossa para o supercílio cortado de Adílio, o olho inchado de Lico, ocasionado pelo soco desferido por Mário Soto e o corte na orelha de Tita - sabe se lá como - a decisão se tornaria um barril de pólvoras.

E se tornou uma das mais violentas da história quando no finalzinho do jogo, o jovem atacante Anselmo, de 22 anos, entrou aos 40 minutos do segundo tempo e acertou um soco em Mário Soto, explodindo de vez na briga generalizada após o apito do árbitro encerrando a partida.

Entre vencedores e derrotados nesta batalha em que se transformou a decisão, coube aos soldados rubro-negros hastearem a bandeira nas cores vermelho e preto e fazer desta conquista da Libertadores um juramento: "Uma vez Flamengo, sempre Flamengo, Flamengo eu sempre hei de ser..."

Ainda impactados com a difícil conquista das Américas, quis o destino que quatro dias depois uma notícia pegasse todos de surpresa na véspera da decisão do Campeonato Carioca: a morte de Cláudio Coutinho!

- Havia entre nós jogadores um carinho e admiração enormes pelo Coutinho e foi um choque muito grande a notícia de sua morte. Demoramos a assimilar o duro golpe e perdemos os dois primeiros jogos para o Vasco (2 a 0 e 1 a 0) mas no terceiro, superamos e tivemos força para vencer (2 a 1) - diz recordando seu primeiro título Carioca.

Se lamentavelmente faltou ar para o brilhante treinador nas águas profundas na Ilha Cagarras - arquipélago próximo à praia de Ipanema - naquele trágico 27 de novembro de 1981, quando o mesmo praticava pesca submarina, não se pode dizer o mesmo do Flamengo na decisão do Mundial Interclubes contra os ingleses do Liverpool, em Tóquio, duas semanas depois.

l5.jpg

Com um Zico inspirado e com participações especiais nos dois gols de Nunes e no de Adílio, o Flamengo vencia o jogo mais importante da sua história para deleite dos 62 mil pagantes.

Na Terra do sol nascente, o que se viu foi uma verdadeira aula de futebol em que onze jogadores de camisas brancas com mangas rubro-negras ensinaram aos de camisas vermelhas, o objetivo do esporte: vencer!

Não bastaria apenas vencer mas a busca incessante pela perfeição estava no equilíbrio.

- O Lico foi na verdade o grande ponto de equilíbrio do nosso time.

Primeiramente com sua experiência, pois era um jogador com uma estrada muito grande já percorrida, depois a sua técnica e sobretudo a sua inteligência tática, fizeram com que a nossa equipe conseguisse atingir o maior equilíbrio para atacar e defender da mesma forma - frisa o ex-lateral Júnior, recordista de partidas com a camisa do Flamengo.

E reitera:

- O Lico foi uma das principais peças na engrenagem tática vencedora do Flamengo.

Um ano após o Mundial, em 1982, após um 1 a 1 no Maracanã e um 0 a 0 no Olímpico, a equipe do Flamengo, sob o comando de Carpegiani, vence o bom time do Grêmio, treinado pelo eficiente Ênio Andrade, na terceira partida que decidiu o campeonato.

O gol do "João Danado" Nunes aos 10 minutos do primeiro tempo, em passe açucarado de Zico, proporcionou ao Flamengo comemorar seu segundo título brasileiro e o primeiro em nível nacional de Lico.

- Não foi uma vingança. Até porque eles sinalizaram com uma proposta de compra do meu passe e o América/SC não aceitou por considerar a proposta baixa. Mas fica em mim, a certeza de que eles haviam perdido um grande jogador, campeão Carioca, da Libertadores, do Mundo e do Brasileiro - diz o ídolo rubro-negro hoje com 67 anos.

No ano seguinte, em 1983, enquanto Carlos Alberto Torres (1944-2016) estreia como treinador de futebol, um 3 a 0 contra o Santos de Marolla, Paulo Isidoro, Pita, Serginho Chulapa e João Paulo, em um Maracanã com mais de 155 mil pagantes, garante ao "Mais Querido" seu terceiro título nacional e ao Lico, a tristeza em ter jogado boa parte do campeonato e ficado de fora da final.

Aos 32 anos, seu "coração da perna" - assim como o Dr. Giuseppe Taranto, chefe do departamento médico do Flamengo costumava chamar seu joelho - infartaria com tantas emoções vividas de 80 a 83: era necessário operar!

E lá foi com o cabeça de área Andrade para os Estados Unidos fazer a primeira intervenção cirúrgica no menisco do joelho direito, com o Dr. John Xetalis, médico do New York Cosmos - clube americano que se popularizou nos anos 1970 por ter Pelé, Beckenbauer e Carlos Alberto Torres, como seus jogadores.

Todavia, em seguida iniciava sua via-crúcis de sessões de fisioterapia e musculação, recondicionamento físico, ingestão de forma controlada de anti-flamatórios e analgésicos e o acompanhamento de perto da família.

Reencontraria a bola meses depois e passou a sentir dores no joelho esquerdo dessa vez, onde operaria o ligamento cruzado anterior.

Porém, pelo esforço feito nessa volta, se submeteu a uma raspagem na cartilagem devido a uma cárie óssea e pela terceira (e última) vez faria uma artroscopia com o Dr. Abraão Fiszman, um dos médicos do Flamengo.

No entanto voltaria sem o brilho de antes, inclusive com limitações e com dores intensas após as partidas.

Pediria então a Giuseppe Taranto (1936-2010), Pinkwas Fiszman e Abraão Fiszman para reavaliarem seus joelhos para constatar uma grave lesão de cartilagem.

Entraria 1984 deprimido e com a incerteza de ser o Lico de outrora e aos 33 anos sentia mais dor do que alegria àquela altura.

Durante três meses fazendo infiltrações para atuar decidiu que aquele 11 de fevereiro seria, definitivamente, sua última partida como jogador de futebol.

Entrou no segundo tempo e aos 35 minutos vestindo a camisa 22, fez o quarto gol na vitória por 4 a 1 contra o Santos no Maracanã, válido pela Libertadores daquele ano.

- Foi muito difícil para nós, pois tudo aconteceu no auge de sua carreira. Na verdade, ninguém estava preparado para aceitar que ele não poderia mais fazer o que mais amava na vida, que era jogar futebol - relembra Simone, sua esposa.

No dia 18 de fevereiro de 1984 anunciaria o encerramento de sua carreira tendo disputado 126 partidas (75 vitórias, 28 empates e 23 derrotas) e marcado 20 gols, segundo o “Almanaque do Flamengo”, de Roberto Assaf e Clóvis Martins.

A trajetória desse brilhante jogador foi contada em “A Travessia de um Sabiá”, documentário produzido e dirigido pelos jornalistas Cleber Latrônico e Fábio Lima.

A obra, de 32 minutos de duração, narra a trajetória do ex-craque Lico por meio de imagens, gols, depoimentos de amigos, familiares, colegas do futebol, como Zico, Andrade, Balduíno, Fontan; os treinadores Paulo Cézar Carpegiani e Lauro Búrigo; cronistas esportivos como Roberto Alves, Fernando Linhares e Maceió; além do ex-repórter de campo e hoje apresentador de TV Hélio Costa.

l6.jpg

Atualmente mora com a esposa Simone, com quem é casado há 40 anos e tem três filhas: Mônica, Mariana e Marina, com quem divide os bons momentos que a carreira lhe proporcionou.

- As grandes conquistas desse campeão não foram somente em sua carreira, como pai ele é daqueles que faz as coisas impossíveis se tornarem fáceis quando o assunto somos nós, suas meninas -, entrega a caçula Marina Silva Nunes, de 25 anos.

Hoje, quinta-feira, 13 de dezembro, antes de tomar café com sua esposa Simone, passar a mão no jornal Diário de Santa Catarina, brincar com Nina - um vira-lata adotado há 30 dias -, colocar seu curió na varanda para pegar sol e sair para a habitual caminhada às 6h da manhã pelas ruas de Imbituba, seus olhos se fecharão levando-o para bem longe.

Vai lembrar de muitas coisas, principalmente de seu Bidinho (1919-1986) e de dona Veriana (1920-2009), antes, porém, de passar um filme na sua cabeça.

Talvez ele aperte os olhos evitando o choro ou esboce um leve sorriso... isso não saberemos!

Mas sabemos com propriedade que ele foi gigante ao lado de Raul, Leandro, Marinho, Mozer, Júnior, Andrade, Adílio, Zico, Tita e Nunes, na conquista do título mundial de um dos maiores times da história do futebol de todos os tempos.

VIVA O RIVER, VIVA O BOM FUTEBOL

:::::::: por Paulo Cezar Caju ::::::::

WhatsApp Image 2018-12-11 at 17.54.59.jpeg

Muitos leitores mandam perguntas que guardo e acabo não respondendo. Mas fim de ano, época de arrumações e retrospectivas, resolvi aproveitar esse espaço para esclarecer algumas dúvidas. Mas, antes, quero agradecer aos deuses do futebol pela vitória do River Plate, indiscutivelmente melhor do que Boca, Palmeiras e Grêmio.

Claro que a competição sofreu um desgaste, mas o River seria campeão em qualquer campo! O Benedetto, do Boca, é muito bom jogador, mas o conjunto e o toque de bola do River são muito mais bonitos e envolventes. Gosto muito de vê-lo jogar e, além de tudo, é importante o futebol argentino continuar sendo uma potência mundial. E que bom ver um canhotinho como o Quintero! Chutou aquela bola sem ter muito espaço, lindo demais!

Bem, mas vamos às perguntas!

pc 2.jpg

Verdade que você jogou no Corinthians? Me arrependo de ter aceitado esse convite porque a Democracia Corintiana era uma panela e joguei apenas algumas partidas em torneios internacionais. Eu e Ruy Rey sofríamos por sermos cariocas. Que culpa eu tenho se eles não têm praia, Kkkkk!!!

Por que você voltou da Europa para o Brasil? Outro erro. O Francisco Horta me convenceu e também queria voltar à seleção. Tive uma temporada maravilhosa marcando 16 gols e com o Olympique sendo vice-campeão. Errei feio!

Como você foi parar no Vasco? Em uma troca com o goleiro Leão. Estávamos muito insatisfeitos em nossos clubes e o Leão achava o futebol carioca muito desorganizado.

Telê x Guardiola? Dois excelentes treinadores, mas fico com Guardiola. O Telê era muito turrão e teimoso.

pc 3.jpg

É verdade que você provocava o Dadá Maravilha quando jogavam pelo Flamengo? Ele achava que eu não gostava dele porque vivia reclamando de sua forma de jogar. E para provocar eu mandava os passes para ele cheio de veneno, caprichava na graxa. A bola quicava, ele não conseguia dominar e depois vinha reclamar comigo, Kkkkk!!! 

Por ordem, qual o melhor time carioca que você jogou? Botafogo: eu, Rogério, Roberto Miranda, Gerson e Jair. Fluminense: eu, Rivellino, Dirceu, Doval e Búfalo Gil. Flamengo: eu, Rogério, Doval e Caio Cambalhota. Vasco: eu, Guina e Pintinho.

1958 x 1970? Para facilitar, vamos colocar uma em cada tempo, mas um time que tem Pelé e Garrincha juntos leva vantagem!

pc 10.jpg

Você é formado em Educação Física? Peraí, aí, não, Kkkkk!!!! Quando estava no Grêmio os preparadores físicos pegavam pesado na musculação. Fui ao presidente do clube, disse que não tinha intenção de me transformar em halterofilista e ele me dispensou das aulas. Também queriam que eu corresse não sei quantos quilômetros e avisei que não era maratonista. Caju bombadão, não, Kkkkk!!!!

Aproveito para mandar um conselho aos professores de Educação Física: abram suas academias e deixem o futebol em paz!  E viva o River, viva o bom futebol!!! 

TITE E BOLSONARO

por Rubens Lemos

Uma bobagem típica de seca jornalística de fim de ano o noticiário sobre a visita do futuro presidente à seleção brasileira, vetada num corajoso carrinho pelo técnico(?) Tite. Bem antes do fim dos pontas autênticos, aboli extremos de minha vida.

O único ponta-direita razoável da infância chamava-se Nilton Batata, do Santos, vendido ao México onde por lá ficou. Para quem ouvia dos coroas, canções em fintas delirantes de Garrincha, Julinho, Joel, Jairzinho, Paulo Borges, Natal, Mané Maria, Nilton Batata não representou uma lágrima de lembrança. Era a Direita.

A fase do sumiço de Nilton Batata coincidiu com uma safra exuberante de dribladores pela Esquerda, ala política mexendo-se com a Anistia para pregar o que deixou de fazer no poder. Filho de perseguido político na Ditadura, família exilada no Chile, meu pai torturado 44 dias consecutivos, vomito radicais. Dos dois lados.

Em qualquer tendência ou circunstância. No futebol, ainda mais. Vejo o futebol como ente cultural de integração, cartão vermelho para os valentões de gangues de estádio e sabichões grosseiros de rede social.

md.jpg

Craques: Júlio César do Flamengo (a cintura dele era de borracha), Joãozinho do Cruzeiro, Zé Sérgio do São Paulo, Paulo Cézar Caju (esse até de goleiro teria sido gênio), Mário Sérgio, Edu Bailarino, em fim de carreira. Telê escolheu o mais eficiente e não menos cintilante Éder.

O país foi dividido agora em outubro e continua a discussão digital babaca entre partidários de Bolsonaro e do PT. Bolsonaro insinuou visitar a seleção em 2019. Tite disse não.

Tentam traçar um paralelo pobre entre a valentia de João Saldanha com o General Médici que exigiu e levou Dadá Maravilha à Copa de 1970. João perdeu o cargo com duas feras injustiçadas: Dirceu Lopes e Toninho Guerreiro. Dadá canelava a bola. Dirceu, a cortejava.

O presidente eleito torce pelo Palmeiras e foi batizado, segundo ele, em homenagem a Jair Rosa Pinto (e não da Rosa Pinto), um dos meias antológicos de uma entre tantas academias do Verdão. Também do Vasco, do Flamengo, do Santos e do Brasil derrotado pelo Uruguai em 1950. Vovô Bolsonaro tinha bom gosto.

js.jpg

João Saldanha disse em 1970, “o presidente escala o ministério e eu a seleção”. Foi “dissolvido” igual a picolé Chicabon. Bolsonaro anunciou seus 22 e, fora Sérgio Moro e o falastrão da Fazenda, Paulo Guedes, um escrete de incógnitas. Deverá estar bem ocupado quando Tite reunir seus prediletos. Bolsonaro, provável, nem escale a seleção e arquive a visita. Separe Neymar e seus showzinhos e Philippe Coutinho, o time de Tite é “um ministério” difícil de escalar. De tão ruins os meninos do Brasil.