ZICO E EU, PARTE 2

por Luis Filipe Chateaubriand

IMG_8720.jpeg

Em 2002, escrevi um artigo no Jornal do Brasil, analisando o calendário quadrienal do futebol brasileiro, que havia sido lançado. 

Tive a honra de, em uma página inteira do JB, ter a metade superior da página preenchida com um artigo do Zico e a metade inferior da página preenchida pelo meu artigo. 

Em 2003, a Instituição de Ensino Superior que eu lecionava fechou um convênio com o Centro de Futebol Zico (CFZ) para ministrar cursos de pós graduação. 

No evento de lançamento da parceria, no CFZ, lá estava eu. 

O Zico falou, o representante da Instituição de Ensino Superior que eu lecionava falou, houve uma confraternização. 

Ao final do evento, esperei o momento em que o Zico ficou sozinho. Abordei-o. 

- Zico, desculpe incomodar, mas posso falar com você rapidinho?

Ele respondeu: 

- Pois não.

Saquei do bolso a página recortada do JB com nossos artigos e indaguei: 

- Você lembra deste artigo no JB que você publicou ano passado?

Zico respondeu: 

- Lembro sim!

Eu prossegui: 

- O teu artigo é o da parte de cima, o de baixo é meu. Dá um autógrafo na página?

Zico sorriu e assinou. 

Em seguida, me perguntou: 

- Você é professor, vai dar aula na parceria?

Respondi: 

- Sim, sou professor, leciono algumas disciplinas relacionadas à gestão de organizações

Zico disse: 

- Vamos marcar um jogo entre o pessoal aqui do CFZ e os professores.

E, sacana, emendou: 

- Nosso meio campo vai ser Andrade, Adílio, eu e Junior!

O jogo não chegou a acontecer... Ainda bem: sempre fui goleiro, iria tomar dezenas de gols!

Luis Filipe Chateaubriand acompanha o futebolhá 40anos e é autor da obra “O Calendário dos 256 Principais Clubes do Futebol Brasileiro”. Email:luisfilipechateaubriand@gmail.com.

ZICO E EU, PARTE 1

por Luis Filipe Chateaubriand

IMG_8535.jpeg

Apesar de não torcer pelo Flamengo, sempre reconheci no clube, na Instituição, uma importância enorme não só no futebol brasileiro, mas na sociedade brasileira. 

Neste sentido, em 1995 estive em um evento no Museu da Imagem e do Som, acompanhado de um amigo flamenguista, de comemoração do centenário do Flamengo.

Depois de alguns debates muito interessantes, inclusive com o mítico Zizinho, no início da noite chega a celebridade mais esperada, Zico. 

Um aglomerado de pessoas chega próximo ao ídolo, loucos por uma foto ou por um autógrafo. Zico, pacientemente, atende a todos, exemplo de humildade. 

Eu e meu amigo somos contemplados com um autógrafo. 

Passados alguns minutos, meu amigo havia desaparecido. Fui procurá-lo. 

Encontrei-o... chorando! 

A emoção de apertar a mão de Zico e de receber o autógrafo dele fez as lágrimas escorrerem do rosto de meu brother

O cara é meu amigo até hoje, são quase 35 anos de amizade. Não o tinha visto chorar até então. 

Só mesmo Zico – exemplo de craque, exemplo de profissional, exemplo de ser humano – para fazer as pessoas chorarem de emoção.

Luis Filipe Chateaubriand acompanha o futebolhá 40anos e é autor da obra “O Calendário dos 256 Principais Clubes do Futebol Brasileiro”. Email:luisfilipechateaubriand@gmail.com.

A CULPA É SEMPRE DO OUTRO

“É sempre mais fácil achar que a culpa é do outro”. (Hemingway apud Raul Seixas")

por Luiz Ricas

IMG_8437.jpeg

Vou confessar aqui que tem algo que não consigo mais fazer é ver redes sociais após os jogos de futebol. Ontem, vendo um reprisado programa de entrevistas na tv aberta, Zico comentava da ausência de qualidade técnica e por consequência de resenhas de futebol no dia seguinte. Concordo com ambos as constatações, mas não vejo uma como causa da outra, mas sim uma arrogância hedonista e fugitiva da comunidade futebolística. SE FALA DE TUDO APÓS O JOGO, MENOS DO JOGO!

A imprensa, em busca de audiência, curtidas e visualizações, se dedica a caçar polêmicas e caso não tenha nenhuma muito aparente colocam um articulista para falar algo que saiba que virará discussões inócuas e sem nenhum ou com pouco contato da realidade e da racionalidade (“Neymar é maior que Pelé”?, “(insira aqui o time de mais investimento na temporada) é o Real Madrid das Américas”?, ou cunhar termos como “apito amigo” sempre para o time de maior torcida do Estado do veículo garantindo a polêmica, entre muitas outras).

O torcedor, quando não se baseia nesses comentários e sempre vê lances polêmicos contra seu time e conspirações diversas, cria muitas dessas polêmicas em redes sociais pelos mesmos motivos da imprensa (audiência, curtidas e visualizações) e assim retroalimenta essa técnica de “não” comunicação muito usada em política por exemplo, se falar da moral do oponente e não do assunto a ser debatido em si. Uma forma de fugir do debate que sabe que irá perder sem “fugir” dele. Outra furtiva de torcedores é eleger algum culpado pela derrota dentro do próprio elenco tornando ele o imoral que atrapalhou o natural, a óbvia vitória do meu time, ignorando uma coletividade que jogou contra eles durante mais de 90 minutos e que também estava em busca da vitória.

Esse sintoma já seria grave se não houvesse algo ainda pior, o desejo dos profissionais de esconder e não falar sobre o mal desempenho em teorias conspiratórias quase sempre envolvendo juízes, federações e rivais. Nota-se que qualquer time quando perde acha um lance que ele considera capital para o resultado da peleja. Busque na memória e garanto que terá dificuldades em lembrar de alguma entrevista que o técnico, dirigente ou jogador derrotado reconhece o mérito da equipe oponente no resultado.  

band.jpg

Alguns de forma completamente irresponsável chegam a incitar sua própria torcida em suas acusações só para não admitir a vitória do oponente. O cerne do debate é a fuga dele. É não aceitar que o jogo é disputado por duas equipes e não importa quão díspares são qualquer uma delas poderá vencer, como diz o consenso geral, essa é uma das grandes graças do futebol. E que sim, outra equipe pode jogar melhor que a sua e, olha lá, vencer! E se tu criar diversas chances e a outra equipe apenas uma e ela fizer e seu time não, quem mereceu vencer foi quem fez, não quem criou e não concluiu as diversas criações durante o jogo.

Note que é tão generalizado isso que não citei nenhuma equipe ou região nesse artigo. Esse sintoma vale para o país todo. Sim, concordo com o Zico, falta jogador bom no futebol profissional masculino jogado no Brasil. Falta jogo bom. Mas um sintoma maior impede as resenhas sobre futebol: elas foram sequestradas pela vontade de não assumir falhas próprias ou méritos rivais, afinal a culpa da derrota é daquele lance (sete centímetros) impedido que o bandeirinha validou, na próxima vez vamos tirar o time de campo...

CRAQUE DAS AREIAS

O Museu da Pelada foi até a cidade de Campinas, no centro de treinamento do Vinicius Souza, para bater um papo com o craque das areias sobre sua carreira e o esporte. 

Vinicius iniciou sua vida no esporte através do futebol e conheceu o futevôlei ainda criança. Antes de se tornar uma referência no esporte, jogou nas categorias de base do Real Madrid e do RB Salzburg e após um hiato no futebol devido ao grande sucesso que fazia nas areias, retornou aos gramados no ano 2015 na Índia, defendendo as cores do Delhi Dynamos.

Convidado aos 19 anos de idade por Bello, o Pelé do futevôlei, formaram uma das duplas mais vitoriosas do esporte com mais de 30 títulos. Todo esse sucesso com seu antigo parceiro e com outros que teve durante a carreira, fazem com que ele seja considerado por muitos, o melhor jogador da atualidade.

Vinicius destacou a qualidade de vida que o futevôlei e o esporte proporcionam nos dias atuais e vê um grande crescimento da modalidade, que para ele, tem um grande potencial para se tornar um esporte olímpico.

Links com alguns jogos:

https://www.youtube.com/watch?v=yHpZFLdbO6Q

https://www.youtube.com/watch?v=7fT32rOw4Ts

https://www.youtube.com/watch?v=ntc72HjzNZ8

 

LELA, O SORRISO MAIS ALEGRE DO FUTEBOL BRASILEIRO

por André Felipe de Lima

IMG_8391.jpeg

Alegria tem sinônimo. E assinatura. Chama-se Reinaldo Felisbino, mais conhecido como Lela. Hoje, dia 17, é aniversário do pai dos jogadores Alecsandro (ex-Vasco, Flamengo e Palmeiras) e do Richarlyson (campeoníssimo pelo São Paulo).

Lela é um dos maiores ídolos da história do Coritiba. Nasceu em Bauru, em 1962. Foi um ponta-direita com dribles curtos, igualmente às pernas, bem curtas. E, como diz o ditado, “Mentira tem pernas curtas”, o apelido “Mentira” inevitavelmente pegaria. Mas Lela era uma festa ambulante. Alegria mesmo. Piadas como essa jamais o incomodaram.

Lela foi o ponta-direita do Coritiba naquele que é o maior título da história do clube, o Campeonato Brasileiro de 1985, conquistado no Maracanã, após a antológica final contra o forte time do Bangu.

IMG_8393.jpeg

Na campanha vitoriosa, Lela tinha apenas 23 anos e chegou ao Coxa dois anos antes, após uma troca por Leomir, que foi para o Fluminense. Mas o destino seria muito bacana no Alto da Glória. Na reta final do campeonato nacional, marcou um gol aos 42 minutos que valeu a classificação, na vitória de 2 a 1 sobre o Santos. Contra o Corinthians foi novamente decisivo e marcou o gol da vitória de 1 a 0. Fez o mesmo nos jogos seguintes, contra o Joinville (2 a 1 e 1 a 0).

Na final do Maracanã, Lela converteu o pênalti na decisão, sem chance para o goleiro Gilmar. O gol que igualou em 4 a 4 a série no Maracanã. Depois Ado perdeu e Gomes selou o título.

Inesquecível Lela, o sorriso mais alegre do nosso futebol!