BIOGRAFIA DE SANDRO MOREYRA

A editora Gisela Zincone, da Gryphus Editora, só pôde dizer sim para a proposta da jornalista Sandra Moreyra: publicar o primeiro livro biográfico sobre seu pai, o famoso jornalista esportivo Sandro Moreyra (1918-1987). A ideiapartiu do jornalista e escritor Paulo Cézar Guimarães, o PC, que conseguiu convenceras duas a levarem adiante seu projeto.

Como o mais aplicado dos repórteres, o autor ouviu mais de 100 pessoas que conviveram com Sandro. Mergulhou de cabeça na vida do biografado, leu dezenas de livros, pesquisou periódicos, sites, blogs, assistiu filmes e visitou acervos públicos e pessoais. Foram conversas com parentes, jornalistas, jo­gadores, técnicos, juízes de Direito e árbitros de futebol.

sandro.jpg

Entre os entrevistados, Zico, Júnior, Agnaldo Timóteo, Antônio Maria Filho, Arnaldo Cézar Coelho, Elza Soares, Carlos Alberto Torres, Galvão Bueno, João Máximo, José Carlos Araújo, Juca Kfouri, Sérgio Cabral (pai), além das duas filhas (Sandra e Eugênia) e outros parentes próximos.

“Resgatar Sandro Moreyra, cuja coluna no Jornal do Brasil era daquelas que faziam muita gente ler o jornal de trás para a frente, deu-me a oportunidade de conversar com pessoas engraçadíssimas e irreverentes ao estilo do próprio colunista. A geração dele era de uma época romântica em que se exercia o jornalismo com paixão e prazer”, comenta o autor, que reuniu um memorável caderno de fotos.

Um time forte acompanhou PC na produção do livro: Ique assina a caricatura da capa, João Máximo o texto da orelha e Carlos Eduardo Novaes, o prefácio.Já Sandra Moreyra, responsável pelo texto da quarta capa, manteve encontros com PC por mais de um ano e cedeu fotos, recortes de jornais, cartas e postais.

“Passamos cerca de um mês sem trocar mensagens. No início de outubro ela enviou o e-mail: ´PC, fiz exames e vou ter que passar por nova quimioterapia. Antes que eu fique derrubada e preguiçosa para escrever, vai aí o texto da contracapa. Espero que goste. Dessa vez, porém, foi traída pela maldita doença que enfrentou durante sete anos. Foi embora encontrar com o pai no dia 10 de novembro de 2015”, relembra o biógrafo.

Filho de Eugênia e Álvaro Moreyra, duas grandes figuras da cultura bra­sileira na primeira metade do século, Sandro era craque com as palavras. Trabalhou por mais de 30 anos na redação do Jornal do Brasil, onde assinou a coluna Bola dividida. “Mais que um livro sobre futebol, a publicação fala sobre os pais de Sandro, da relação dele com a política, com o jornalismo, com a Mangueira, com as filhas,com os amigos e com as três esposas que teve, Milu, Lea e Marta”, comenta Gisela Zincone.

Conhecido pelo bom-humor e pelo bronzeado permanente, era na Praia de Ipanema que Sandro batia ponto antes de ir para a redação do JB. Chegava ao trabalho no fim da tarde, sempre depois de um mergulho com os parceiros João Saldanha, Carlinhos Niemeyer, Fernando Calazans, Heleno de Freitas e Sérgio Porto.  Em sua coluna, sempre abastecia os leitores com notícias fresquinhas do futebol, sobretudo do Botafogo, seu time do coração.

O livro lembra que mais de 500 pessoas, entre jornalistas, escritores, políticos, artistas, diri­gentes de clubes, autoridades e fãs foram para a despedida de Sandro naquele 29 de agosto de 1987. Como reforça o locutor José Carlos Araújo, que cobriu o Botafogo como repórter, “Sandro era daqueles que contava piadas até em velórios”. E no seu não poderia ser diferente. A forma­lidade e todos os rituais foram mandados para escanteio. O caixão foi coberto com as bandeiras do Botafogo, do PDT (Partido Democrático Trabalhista) e da Mangueira; e com um adesivo “Diretas Já. Brizola presidente”.

O “adeus ao jornalista”, publicado em três páginas, foi destaque na capa do Jornal do Brasil, com uma foto que mostrou em primeiro plano o líder comu­nista Luiz Carlos Prestes carregando o caixão.O Globo publicou: “Sandro Moreyra é enterrado: o Rio perde um repórter bem-humorado”. Além de citar a presença de ex-jogadores como Zizinho e Ademir Menezes, o jornal destacou que “Sandro foi fiel a seus dois amores: o Botafogo e a Mangueira, cujas bandeiras cobriram o caixão”.

Sobre o autor

pc sandro 2.jpg

Paulo Cezar Guimarães é jornalista e professor universitário. Foi repórter especial e assistente de Editor no jornal O Globo, assessor de Comunicação Social da Souza Cruz e sócio-diretor de uma empresa de Comunicação. Tem 12 prêmios da Associação Brasileira de Jornalismo (Aberj). Escreveu “Jogo do Senta – a verdadeira origem do chororô” (Editora Livros de Futebol – 2014) e “Edição de Impressos sobre o Jornalismo Brasileiro” (Faculdades CCAA – 2010). Participou da coletânea “Sermos humanos – Crônicas da Gente” (Espaço Novo Clube de Autores – 2016). É autor do Blog do PC e do blog do Botafogo no site do Jornal do Brasil.

Sobre a Gryphus Editora - Gryphus é um animal mitológico que tem a cabeça e as asas da águia e o corpo do leão. A Gryphus Editora nasceu desse conceito e imagem, unindo a dupla qualidade de sabedoria e força, buscando abordar temas e questões relevantes para entender e situar as dinâmicas do mundo contemporâneo através de várias óticas. As áreas de maior atuação da Gryphus são: biografias, cinema, ficção e espiritualidade. Entre os títulos já publicados estão Catálogo de Luzes (antologia de contos escolhidos por José Eduardo Agualusa), Em Águas Profundas (David Lynch), A Jornada Espiritual de um Mestre (Alejandro Jodorowsky) e biografias como as de Domingos da Guia, Telê Santana, Nilton Santos, Didi, Guinga, Cartola, Pixinguinha e Maria Martins, dentre outras.

 

Sobre o livro

Título: Sandro Moreyra – Um autor à procura de um personagem

Autor: Paulo Cezar Guimarães

Editora: Gryphus

ISBN: 978-85-8311-096-5

Número de páginas: 292

Caderno de fotos coloridas: 32 páginas 

Formato: 16 x 23 cm.

Encadernação: brochura

Ano de edição: 2017

Preço de capa: R$ 49,90

 

Lançamento:

Data: 22 de agosto

Hora: 19h

Local: Sede do Botafogo (Avenida Venceslau Brás, 72 – Botafogo)

Telefone: (21) 2546-1988

 

Informações para a Imprensa

Frase Comunicação

Rita Capell

(21) 99294-1935

ritacapell@frasecomunicacao.com.br

Andrea Gonçalves

(21) 97149-9540

andreagoncalves@frasecomunicacao.com.br

Paula Areosa

(21) 98093-2019

paula.areosa@frasecomunicacao.com.br

O MARKETING VOLTANDO A SER MARKETING

por Idel Halfen

g.jpg

Inicialmente vale esclarecer que os conceitos que serão abordados nesse artigo podem ser aplicados para qualquer produto e/ou serviço. Nesse texto, a motivação se deu em função do complexo desafio de aumentar a adesão e retenção aos programas de sócio torcedor que, pela minha ótica, passa prioritariamente pelo desenvolvimento de produtos mais imunes à sazonalidade e por uma comunicação mais direcionada. 

Vamos ao tema.

A conotação distorcida que o marketing vem sofrendo ao longo de sua existência e a consequente banalização dessa importante ferramenta de gestão parece, enfim, estar com os dias contados. Esse novo cenário demandará dos executivos forte foco estratégico, apurada capacidade analítica, habilidade numérica, conhecimento financeiro e visão abrangente do mercado. 

Tal revolução tem como principais agentes de mudança o big data e os vestígios digitais.

Como é sabido, a crescente disponibilidade de informações que se pode obter sem a necessidade das pesquisas formais de mercado é enorme. Postagens, likes, compartilhamentos, número de contatos, quantidade de fotos – no terreno das redes sociais –, mais informações sobre consumo com cartões de crédito, movimentações quando de posse do smartphone e buscas no google, além de dados demográficos como idade, gênero, etc. permitem identificar com alto grau de assertividade o perfil e o comportamento das pessoas, bastando para isso a adoção de modelos que se encarregarão de segmentar em clusters o universo objetivado. 
É o que chamamos de Psicometria ou Psicografia. 

i2.png

Uma das técnicas mais utilizadas nessa ciência é a chamada Big Five, que segmenta as pessoas através de cinco traços de personalidade: Opennes (aberto a novas experiências), Conscientiouness (algo na linha do grau de escrúpulo), Extroversion (extroversão), Agreeableness (agradável) e Neuroticism (tendência para emoções negativas), as iniciais dessas palavras formam a palavra OCEAN, como também é conhecido o processo.

Vale recordar que a iniciativa de “clusterizar” amostras – fundamental para uma gestão eficaz de marketing – costumava se originar,  até então, através de pesquisas qualitativas.

A menção ao big data como outro agente de transformação se deve à maior facilidade de processamento, o que permite não apenas analisar as informações coletadas como também testar e desenvolver modelos visando a segmentação.

Mas qual a vantagem de se ter a base de clientes / torcedores segmentados em milhares de clusters e acesso a eles através de redes sociais? 
São várias, as quais vão desde campanhas quase que customizadas até o monitoramento desse público com custos que não inviabilizam esse tipo de ação.

Creio que a descrição simplista desse processo possa ter deixado o texto meio paradoxal, assim, convém esclarecer que a simplicidade se resume apenas à descrição, pois a definição do que se pretende identificar, a análise dos resultados, a elaboração do briefing de campanha, a execução dessa e a avaliação de resultados são de extrema complexidade. Somado a isso, há a necessidade de se integrar todo esse processo às demais mídias existentes e aos demais componentes de gestão, o que compreende, mas não se resume, aos diversos pontos de interação com os clientes/torcedores.

Para não ficarmos no campo teórico, descreveremos a seguir o case das últimas eleições nos EUA, cujo trabalho de marketing se baseou numa análise de cunho fortemente psicográfico por parte do candidato vencedor.

i3.jpg

Dessa forma, era possível, baseando-se no carro de preferência, por exemplo, estabelecer quais eram as potenciais chances do cidadão ser um eleitor do Trump.

Esse trabalho chegou ao ponto de a equipe de campanha testar 175 mil tipos de anúncios diferentes para se chegar a versão mais correta, o que abrangia cores, títulos, fotos, vídeos, etc.

A empresa responsável segmentou a população do país em 32 tipos de personalidades e para essas enviou mensagens bem direcionadas, as quais, em alguns casos tinham até pontos divergentes.

Outra vantagem desse trabalho analítico diz respeito à escolha das regiões a serem exploradas, o que é vital para a melhor racionalização de recursos. No caso das eleições citadas, o candidato vencedor pode concentrar suas ações finais em Michigan e Wisconsin graças a esse estudo.

Evidentemente, os resultados obtidos com essa prática irão variar em função do mercado em que a empresa está inserida, porém, é possível inferir que a quantidade de informações agregada à qualidade da análise se tornará cada vez mais um fator de vantagem competitiva.

O FLAUTISTA DE HAMELIN EM ITAQUERA

por Rafytuz Santos

fl.jpg

Na Idade Média, em um povoado europeu, existiu a lenda do flautista de Hamelin, onde uma cidade estava assolada por ratos, chegando a tal ponto em que os habitantes começavam a reclamar sobre esse problema. A solução encontrada foi convocar um flautista encantador para os afastar para longe, em troca de ouro. O flautista encantou com o som da sua flauta os ratos, e os levaram para longe do povoado! Apesar disso, a recompensa prometida não foi cumprida, e ele não recebeu o seu ouro.

Se o futebol brasileiro fosse uma fábula, com toda certeza poderíamos comparar o treinador corintiano com o flautista das terras europeias! Fábio Carille foi contratado pela diretoria corintiana com a missão de afastar os "ratos" do saudosismo da liderança de Tite para longe dos arredores da Arena. No começo, o comandante alvinegro foi cercado de desconfiança por todos, porém o seu estilo implantado começou a render frutos, e o encantador de Itaquera conquistou a nação corintiana!

Carille faz encantamentos dignos de ser considerado um "flautista de Itaquera", como a invencibilidade do time, as poucas faltas cometidas, a regularidade apresentada nas partidas e a evolução de jogadores como Jô, Romero e Rodriguinho

f23.jpg

Assim como o flautista, Carille não recebeu a recompensa financeira após cumprir sua missão. O técnico da equipe paulista também não recebe o "ouro" merecido pelo que faz, nem pela imprensa que prefere agraciar os renomados treinadores tupiniquins, do que a nova leva de estudiosos e renovadores técnicos brasileiros!

Carille conseguiu adotar no estilo de jogo do time o espírito do clube, com raça, aplicação, carrinhos e tudo que envolve a mística do time do povo! E o Campeonato Brasileiro segue com Carille encantando os esquemas táticos adversários, com o som da sua flauta e das arquibancadas da fiel torcida!

O AGITO DA DONA XICA

texto: Victor Kingma | charge: Eklisleno Ximenes

k2.jpg

Naquela cidadezinha mineira o fascínio pelo futebol era geral. Aos domingos era de lei assistir aos jogos do Expressinho, nome dado em homenagem ao Expresso da Vitória, time inesquecível do Vasco e paixão do seu fundador.

Farmacêutico aposentado, seu Miranda era o técnico, médico e psicólogo do time, conhecido na região pela capacidade de reverter resultados aparentemente impossíveis. Várias eram as histórias contadas sobre viradas inesquecíveis, após suas preleções no intervalo.

Dona Xica, sua mãe, aos 85 anos, era a torcedora símbolo do time. Não perdia um jogo e, bandeira na mão, tinha até lugar cativo à beira do gramado.

Naquele domingo, com sol de 40 graus, a coisa não estava indo bem para o Expressinho. Terminado o primeiro tempo, o placar apontava 2 a 0 para os visitantes.

Portas fechadas no vestiário, o técnico se reunia com seus atletas, tentando mais uma heroica façanha. De repente, um alvoroço. É o massagista, batendo à porta:

-  Que tumulto é este?

- É dona Xica, seu Miranda! Está correndo feito louca, dando volta olímpica no campo com a camisa na cabeça, como o Rivaldo...

- Mas, o que houve?

- Ela estava com muito calor e eu fui ao vestiário e dei a ela um copo de suco. Daquele que o senhor costuma dar pros jogadores...

- Nossa Senhora! Mamãe está dopada!