RESUMO DA PRIMEIRA RODADA

por Mateus Ribeiro

Depois de seis dias e dezesseis partidas, a primeira rodada da Copa do Mundo chegou ao seu final. Foram muitos gols, alguns resultados inesperados, diversos jogos ruins e outros mais legais. No frigir dos ovos, o mundial teve seus bons momentos. Sem mais conversas, vamos falar um pouco de tudo o que aconteceu.

Grupo A

a.jpg

A honra de abrir o mundial caiu no colo de duas das piores seleções desta Copa: os donos da casa e a Arábia Saudita. Nem o mais otimista dos espectadores imaginava que a partida pudesse ser um espetáculo. E realmente não foi.

Apesar da Rússia ter feito impiedosos cinco gols, a Arábia Saudita mostrou um futebol sem o mínimo traço de organização e/ou talento. Quanto aos russos, pelo menos sua torcida ganhou um pouco mais de esperança.

Egito e Uruguai não ficaram longe do circo de horrores da partida inaugural. Vale ressaltar que o Egito se segurou bravamente até o final do jogo, mas mostrou que sem Salah, é uma Arábia com um pouco mais de noção. Já nossos vizinhos devem melhorar muito se quiserem sonhar com algo além das oitavas de final. E Suárez não pode perder os gols que perdeu.

Grupo B

cr7.jpg

A primeira partida do grupo B foi Irã x Marrocos e é meio óbvio que não podia se esperar muita coisa. O gol contra no final deu uma pitada de emoção na partida, que foi um tanto quanto sonolenta durante praticamente toda a sua duração.

O primeiro grande duelo da Copa ficou reservado para o último jogo da sexta feira. Portugal e Espanha proporcionaram o melhor jogo até então. Cristiano Ronaldo marcou três vezes (uma delas contando com a generosa ajuda de De Gea), e garantiu o empate nos minutos finais. Além disso, mostrou que ao contrário dos dois últimos mundiais, os lusos tem reais condições de fazer barulho na Copa. Diego Costa foi muito bem, e mostrou que apesar da desconfiança gerada pela demissão de Lopetegui, a Espanha continua forte. Duas seleções que merecem atenção.

Grupo C

cueva.png

A dificuldade que a França encontrou para vencer a Austrália é um pouco preocupante. De qualquer forma, começar vencendo é sempre importante, e o gol esquisito de Pogba (que parece estar focado em jogar bola, o que é quase inacreditável) deu um pouco mais de tranquilidade para os campeões de 1998. Já a Austrália é esforçada, tem boa intenção, mas deve ficar pela primeira fase mesmo.

Depois de tanto alarde e todo o auê que foi feito por causa de Paolo Guerrero, o Peru estreou. Os peruanos mostraram um futebol bacana, jogaram legal, mas apesar de toda a modernidade que tentam implantar no futebol, o gol ainda é o fator que decide o vencedor. Melhor pra Dinamarca, que ao contrário da seleção peruana, não perdeu um caminhão de gols, e com a vitória pelo placar mínimo, ocupa o segundo lugar do grupo.

As vagas estão abertas, e a impressão que se tem é a de que  a Austrália será o fiel da balança.

Grupo D

messi.jpg

O calvário da Argentina parece não ter fim. Os amigos de Messi apenas empataram com a valente Islândia. Os escandinavos fizeram uma grande partida, com destaque para o goleiro  Halldórsson, que entre outras coisas, defendeu um pênalti cobrado pelo camisa 10 argentino. De um lado, a Islândia sonha com vôos maiores. Do outro, a Argentina deve mudar muito as peças do time (e a mentalidade) se quiser pensar em fases mais agudas da Copa. Se continuar com esse espírito (e com nomes como Rojo), corre grande risco de não passar nem de fase.

A Croácia, sempre badalada, parece que dessa vez vai justificar todo o oba oba criado por alguns internautas entendidos e por alguns comentaristas de mesa quadrada (ou redonda, como queiram). Uma exibição segura e muito sólida diante de uma Nigéria que está bem longe de seus melhores momentos, e se continuar com esse futebol engessado, tem tudo para ser uma das últimas colocadas do Mundial.

Grupo E

B3.jpg

Costa Rica e Sérvia fizeram um jogo fraco, com cara de manhã de domingo mesmo. A Sérvia foi um pouco melhor, e o gol de falta de Kolarov salvou uma partida fraca e sem emoções. De qualquer forma, a Sérvia é mais time que a Costa Rica, e o time que surpreendeu o mundo na última Copa parece que em 2018 vai apenas fazer figuração.

O Brasil ficou no empate com a Suíça. Apesar do lance de falta no gol dos suíços, não se deve esquecer que na hora do tento, OITO jogadores de linha brasileiros estavam na área quando Zuber subiu sozinho para empatar a partida. Além disso, o individualismo exagerado de algumas peças do time deve ser encarado com um pouco mais de seriedade. Quanto ao treinador, tratado como um deus intocável por parte da imprensa e da torcida, faltou um pouco de ousadia, ou apenas fazer algo diferente de trocar seis por meia dúzia nas alterações. O Brasil continua sendo favorito ao caneco, muito pela ruindade da maioria das seleções. Mas se continuar com essa postura arrogante, pode rodar antes do esperado.

Quanto ao time da Suíça, a escrita de ser uma das seleções mais terríveis de ser enfrentadas se manteve. Um time coeso, que joga firme na defesa, e sabe tocar a bola. Se tivesse um atacante um pouco mais eficaz que Seferovic, talvez estivesse comemorando uma vitoria sobre o Brasil. Deve brigar forte para passar de fase.

Grupo F

mexico.jpg

O México foi GIGANTESCO. A Seleção mais simpática do planeta fez um primeiro tempo muito bom contra a Alemanha. Já na segunda etapa, o professor Pardal Osório recuou demais o time, e a retranca excessiva somada aos gols perdidos pelos atacantes aztecas por pouco não custaram caro demais. Enfim, após muito tempo, os mexicanos jogaram e venceram como nunca!

Já os alemães precisam abrir o olho. As falhas defensivas foram constantes, e faltou sangue nos olhos. O sinal amarelo está aceso, e não é de hoje.

Suécia e Coréia do Sul fizeram um jogo que foi decidido pelo polêmico e famigerado árbitro de vídeo. Fora isso, nada de muito grandioso foi apresentado pelos times, a não ser os penteados extravagantes de alguns coreanos, que pareciam recém saídos de uma gravação de um clipe de alguma boyband. Aparentemente, a Suécia é ligeiramente mais organizada, e vai dar o sangue para tentar arrancar um empate com a Alemanha, o que deixaria os germânicos com a calça nas mãos. A Coréia pelo visto, mais uma vez, não vai longe.

Grupo G

belgica.jpg

O grupo mais óbvio do mundial até agora. A Bélgica fez o que se espera de uma seleção superior, e passou o carro em cima do pobre Panamá. Nada que deva deixar os belgas animados, uma vez que ganhar do Panamá é obrigação moral de qualquer equipe do grupo. De qualquer forma, a Bélgica fez uma partida tranquila, o que muitos favoritos não conseguiram. Está certo que o adversário não era dos mais fortes, mas os belgas possuem muitos méritos. Olho neles!

A Inglaterra fez o que costuma fazer: transformou uma partida teoricamente fácil em um drama. A diferença é que desta vez, ganhou o jogo. Harry Kane mostrou ter estrela, e o zagueiro Maguire é o mapa da mina para os adversários.

Ficou claro que Bélgica e Inglaterra lutarão pelo primeiro lugar.

Grupo H

japao.jpg

Aqui a zebra passeou bastante. A começar pela vitoria do Japão sobre a Colômbia. Apresentando uma disciplina tática impressionante, e se aproveitando de um erro capital dos colombianos logo no início da partida, o Japão venceu por 2 a 1, e largou muito bem no grupo mais aberto da Copa.

Completando o grupo (e a primeira rodada), Senegal venceu a Polônia por 2 a 1. Os africanos mostraram uma surpreendente postura tática, sem os erros defensivos que muitas equipes do continente cometeram em outros mundiais. Com um futebol baseado na força e na velocidade, a vaga nas oitavas já é um sonho não tão distante. Quanto ao time polonês, temos mais uma prova de que escolher os cabeças de chave de acordo apenas com o ranking da Fifa é uma tremenda bobagem.

Para a segunda rodada, podemos esperar mais emoção, polêmica, além de algumas equipes avançando para a segunda fase, enquanto outras já comprarão a passagem de volta. Ah, e o VAR vai dar as caras, não tenha dúvidas!

Qual o seu palpite?

Um abraço, e até a próxima!

BOLÃO DE COPA DO MUNDO

por Abilio Macedo

F11.jpg

Na manhã do dia do jogo entre Brasil e Holanda, pela Copa do Mundo de 1974, fui chamado à sala do nosso gerente onde ele estava reunido com todos os supervisores do departamento.

Assim que entrei ele me entregou um maço de dinheiro e uma lista onde todos presentes haviam anotado seus palpites para o resultado do jogo de logo mais:

- Abilio, você vai ficar responsável pelo nosso bolão. OK?
- OK.
- Circule pelo nosso pessoal e veja quem quer entrar. OK?
- OK.
- Você já sabe como funciona. Quem acertar o placar do jogo fica com o dinheiro arrecadado. OK?
- OK.
- Se tiver mais que um acertador, basta dividir o valor entre eles. OK?
- OK.
- Alguma dúvida?
- Nenhuma.
- Tá esperando o que?
- Só ia conferir o dinheiro. 
- Se eu lhe entreguei é porque está certo. Se manda.

Com quase dois metros de altura, durão e de poucas palavras, nosso gerente metia medo em muita gente na fábrica, mas nós, seus funcionários, sabíamos que no fundo ele era um sujeito bonachão e gozador.

BOLAO OFI.jpg

A notícia do bolão correu rápido pelo departamento e em pouco tempo a lista tinha mais de 60 palpites, a maioria apostando na vitória o Brasil, pouco mais de dez no empate, e apenas dois apostando na Holanda como vencedor, ambos pelo placar de um a zero. 

Faltando menos de meia hora para o início do jogo, tentávamos ajustar a imagem de um pequeno aparelho de TV branco e preto quando alguém bateu no meu ombro:

- “Querrrró  fazerrrr  o  aposta”.

Era o “Seo” Jurgis, que mesmo sem pertencer ao nosso departamento, já foi anotando o placar de dois a zero para a Holanda no bolão e despejando algumas cédulas e um punhado de moedas sobre a mesa.

“Seo” Jurgis era um senhor estrangeiro, com sotaque carregado, que apesar de excelente profissional era mais conhecido pelas frequentes reclamações sobre as coisas do nosso país, tipo:

- “No Eurrrropa não tem estes porrrrcarrrrias que fabrrricam aqui na Brrasil”.
- “Na Brrasil ninguém respeita horrrrárrrio”.
- “Brrasileirrro sabe trabalharrr, mas se non ficarrr rem cima, a serviço não sai”.

Nada que ele não tivesse até um pouco de razão, mas seus comentários só serviam para nutrir a antipatia que tinham por ele.

B3.jpg

Nem gosto de lembrar daquele jogo. Foi muito sofrido ver a “laranja mecânica” nos dominar e ameaçar nosso gol a todo momento, com muita pancadaria pelos dois lados, para sermos derrotados e eliminados da copa.

Ficamos todos desolados, mas a revolta da rapaziada foi aumentando quando ficavam sabendo que o “Seo” Jurgis havia ganho sozinho o nosso bolão:

- Se eu soubesse que aquele “bicho d”água” ia participar eu tinha ficado de fora.
- Eu não quero nem ver a cara daquele gringo, porque se hoje ele falar alguma coisa contra o Brasil eu não respondo por mim. 
- Por que deixaram ele entrar no bolão? Ele nem é do nosso departamento.

O burburinho fez até o gerente abrir a porta da sua sala e pedir calma ao pessoal.

Logo em seguida chegou “Seo” Jurgis.  

Bolão.jpg

Tenho certeza de que se ele apenas entrasse, apanhasse o dinheiro e fosse embora, nada teria acontecido, mas ele resolveu zombar da gente abrindo um enorme sorriso e pedindo uma salva de palmas para Holanda. Aquilo foi demais, principalmente porque nunca ninguém ali o tinha visto sorrir antes.

Quando a coisa ia ficar feia, nosso gerente, que sem ninguém percebesse já estava ali ao lado, deu um tremendo tapa na mesa (que quase nos matou de susto) e um show de interpretação, que tento reproduzir abaixo:

- Isso aqui não é cassino!

Todo mundo ficou surpreso e sem entender nada.

Com cara de bravo e tom de voz elevado, ele continuou:

- Quando eu assumi a gerência, a primeira coisa que eu fiz foi arrancar daquele quadro um aviso com a relação das atividades proibidas na empresa! Vocês se lembram disso?

Ninguém nunca viu esse aviso mas todo mundo respondeu que sim.

Depois de uma pausa que só fez aumentar o suspense:

- Eu fiz isso porque meu pessoal não precisa de um papel para saber que no local de trabalho é proibido consumir bebida alcoólica, realizar práticas religiosas e (dando uma ênfase maior) jogar ou fazer apostas em dinheiro!

Aí ele deu outro tapa que quase desmonta a mesa:

- Estou muito aborrecido porque uma dessas regras sagradas foi desrespeitada. 

Ninguém dava um pio e “Seo” Jurgis com olhos arregalados.

- Mas fiquem sabendo que não vou permitir que falem pela fábrica que alguém ganhou dinheiro de jogo no meu departamento. Não mesmo!

E continuou:

- Não quero saber o nome dos envolvidos, porque se eu souber todos sabem qual será a punição. 

Nova pausa.

- Eu exijo que amanhã, até o final do dia, naquele mesmo quadro de aviso, esteja afixado o recibo de algum orfanato ou instituição de caridade para o qual será doado todo o dinheiro de jogo que aqui foi arrecadado.

E antes de sair: 

- Se alguém tiver alguma dúvida ou se sentiu prejudicado, pode vir falar comigo!

Entrou na sala e bateu a porta de um jeito que estremeceu todo o prédio .

Para encerrar:

O dinheiro do bolão foi doado a uma instituição de caridade e “Seo” Jurgis depois ainda me agradeceu por não ter seu nome envolvido “no jogatina”.

E ninguém, nunca mais, tocou no assunto...

NEYMAR E SEU CABELO

por Leandro Ginane

n1.png

Tenho o costume de perceber nos trejeitos, na feitura da barba e no corte de cabelo das pessoas. Na maioria das vezes, desconfio de que pessoas que possuem manias de ajeitar seus cabelos com frequência, possuem uma barba milimetricamente bem feita e um super cuidado com as madeixas, escondem alguma questão relacionada a auto-estima e ansiedade. Acredito que este é o caso do Neymar nesta Copa do Mundo. 

A segunda mudança consecutiva em seu visual em tão pouco tempo durante a Copa do Mundo da Rússia, me chamou a atenção. Não pelo estilo arrojado do penteado, mas pelo cuidado exagerado com algo tão secundário neste momento. Me parece um comportamento compulsivo e isto pode demonstrar a ansiedade e o medo que ele está sentindo por ter a cobrança de ser o protagonista da seleção canarinho após o terrível 7 a 1. Em uma reportagem na Folha de São Paulo, no dia quinze de Maio, Neymar confessou:  “Ninguém está com mais medo do que eu.”

n2.jpg

Diferente de outros craques brasileiros do passado, Neymar chamou a atenção de todos no primeiro jogo da Copa por adotar um penteado que parecia ter saído dos posters dos salões de beleza direto para o campo. A sensação era de que seu cabeleireiro pessoal estava no vestiário. Virou piada. Para o segundo jogo, Neymar já mudou o penteado novamente e deixou o treino sentindo dores.

Com a ascensão precoce que teve, ele mantém um comportamento que o faz parecer ter apenas dezoito anos, quando na verdade faltam apenas quatro para que faça trinta. Quando o vejo assim, me faço algumas perguntas: 

n3.jpg

Será que ele esta preparado emocionalmente para ser o destaque da seleção? 

Será que ele entende que futebol é coletivo e que ele é uma peça importante do jogo? 

Torço para que sim, mas enquanto ele mantiver o comportamento quase compulsivo de mudar seu corte de cabelo a cada jogo, estarei desconfiado. 

O cabelo ele consegue controlar, já o resultado no campo, não. Talvez seja isso que tenha que entender para se tornar o craque que todos esperamos e trocar seu cabeleireiro por um psicólogo.

DEIXEM O NEYMAR EM PAZ

por Ricardo Dias

b1.jpg

Ando afastado do Museu; muitas coisas acontecendo, nenhum dinheiro entrando, tendo que cuidar do bolso para os políticos não roubarem o pouco que ainda tenho. Mas é Copa, e confesso que ando indignado com nossa burrice.

Temos um dos três melhores do mundo e ele como ele apanha. Contra a Suíça foram 10 faltas, a primeira das quais deveria ter valido um cartão amarelo – e expulsão quando o cretino efetivamente tomou um. 

Nós nos revoltamos contra essa perseguição? Saímos às ruas cantando a Marselhesa querendo o sangue dos adversários ou do juiz? Mandamos tweets raivosos para a Fifa? Não. Fazemos memes sacaneando Neymar. Ele apanha, tendo se recuperado em tempo recorde de uma contusão grave (Petkovic demorou 8 meses em lesão similar), e cai. Qualquer um de nós, tomando tranco semelhante, cai. Mas ele cai 10 vezes, apanha 10 vezes, os suíços revezam para o fraquíssimo árbitro não punir, e sacaneamos ele. 

Ah, mas ele usa um cabelo horroroso, parece que derramou miojo no cocuruto! Well... Ronaldo, para tirar a atenção de sua contusão, foi fantasiado de Cascão para a final de 2002. Nos anos 60/70, Afonsinho, o libertador dos jogadores, foi criticado por usar cabelo comprido. Saldanha reclamou do cabelo do Paulo Cesar, black power, dizendo que a bola ia amortecer ali. Marinho Chagas, Dé, todos foram criticados por usar cabelão. E fica a questão: por que cabelo de jogador deveria ser tema de conversação?

B3.jpg

Ah, mas Neymar usou uma mala de 15 mil reais; foi de helicóptero não sei pra onde. Tem iate, olha que absurdo! Há alguns anos Xuxa fez uma festa de 1001 noites para a filha, ainda neném. Foi criticadíssima pela ostentação. Um amigo, que foi à festa, comentou:

- Tem gente que se endivida para fazer uma festa bacana para os filhos e ninguém critica. A Xuxa usou o dinheiro DELA e fez a melhor festa possível, ora!

E é isso. Temos inveja. Os caras ganham fortunas, realmente incompreensíveis, mas é dinheiro privado, não está saindo de nossos bolsos. No Facebook, textões imbecis comparam o salário dele ao de professores, textos falsos dizem que ele teve 200 milhões perdoados pela receita...

Eu me imagino no lugar dele. Que professor tem que ganhar bem, que é uma vergonha a miséria que recebem, sem dúvida. Mas o que diabos o salário dele tem a ver com isso? Não vi nenhum meme comparando o salário dos professores ao do Tarcísio Meira ou do Felipe Massa, por que o Neymar? Só a inveja explica. O cara é de família pobre, não pode ter iate! E namora a Marquezine (que pegou uma sobra da inveja e foi “acusada” de ter peitos caídos!)!

b2.jpg

Neymar é o que a gente não conseguiu ser, ele se libertou de nossos políticos, de nossas mazelas, não sofre para pagar boleto, então pau nele! E também não podemos torcer para a seleção. A gloriosa camisa amarela foi demonizada por alguns bobinhos, e não podemos torcer pois o governo nos rouba. O governo (TODO governo, não apenas esse) nos rouba 24 horas por dia, com ou sem Copa, e querem nos roubar uma das nossas poucas possíveis alegrias!

Nelson Rodrigues tinha razão: o brasileiro é um Narciso às avessas, que cospe na própria imagem!

Vai, Brasil!

ZÓZIMO, ÚNICO DA SELEÇÃO A FALAR INGLÊS EM 58

Um dos maiores ídolos da história do Bangu, Zózimo, irmão do ponta Calazans, faria anos hoje. Foi reserva de Orlando Peçanha na Copa de 58 e titular na de 62. Um craque que jamais levantou taça expressiva pelo Bangu, mas foi bicampeão mundial com a seleção brasileira. Conheça um pouco mais sobre esse grande beque do passado.

por André Felipe de Lima

z2.jpg

Se tivesse de escalar a melhor dupla de zaga da história do Bangu, não pestanejaria: Domingos da Guia e Zózimo. O primeiro é, sem dúvida, o melhor zagueiro da história do futebol brasileiro; o segundo foi simplesmente campeão de duas Copas do Mundo com o Brasil, em 1958 e em 1962, sendo titular do escrete desta última, formando a zaga com Mauro Ramos de Oliveira, o capitão. Um detalhe pouco conhecido do Zózimo é que foi ele o único jogador da delegação de 58 a falar inglês, informação confirmada pela Revista do Esporte.

Baiano, da pequena Plataforma, Zózimo faria anos hoje. Por pouco deixou de ingressar na lista de convocados de 62. Na Copa anterior, discutira com Vicente Feola, treinador da seleção brasileira. Nunca se soube ao certo o motivo da rusga, mas Zózimo comentava com jornalistas que dificilmente seria novamente chamado para a seleção. Mas Feola saiu e em seu lugar entrou Aymoré Moreira, que inexplicavelmente barrara Bellini e perdera Orlando Peçanha, que seguira para o Boca Juniors. A zaga titular de 58 estava desfeita e a chance de Zózimo ressurgiu, confirmando-se com a convocação de Aymoré.

Deixou o Bangu, que defendeu em quase 500 jogos, em 1964, brigado com a diretoria e a torcida. Jogava pelo clube desde o começo da década de 1950.

Desde que comprara o passe de Zizinho, no começo dos anos de 1950, o Bangu vinha montando grandes times, mas sem conquistar títulos. Em 1963, o alvirrubro liderou todo o campeonato carioca, mas tombou nas rodadas finais. Zózimo, o zagueiro bicampeão mundial, foi um dos mais criticados pelo fracasso do time, porque, de forma inusitada, pegou com as mãos a bola dentro da área durante um jogo decisivo contra o Fluminense. A peleja estava 2 a 1 para os tricolores, mas o juiz Armando Marques não se intimidou e soprou o apito. Pênalti e, em seguida, o terceiro gol tricolor, que enterrou de vez as pretensões do Bangu na competição.

z1.jpg

O lance incomum levantou suspeita contra Zózimo, que acreditava ter Armando Marques paralisado o jogo quando tocara com a mão a bola. Cartolas esbravejavam nos jornais e torcedores mais irascíveis faziam ponto na porta da casa de Zózimo para xingá-lo. Punido com o corte de salário, o beque revoltou-se com os dirigentes, começou a faltar aos treinos. Decidiu deixar o Bangu para trás, juntamente com Roberto Pinto, que também era acusado de ter se “vendido” aos tricolores.

Zózimo foi emprestado ao Guaratinguetá, onde permaneceu praticamente um ano em completo ostracismo. Retornaria, porém, ao futebol carioca. O clube que o acolheu em abril de 1965 foi o Flamengo. Era, contudo, o começo do declínio do jogador, que poucas vezes entrou em campo pelo novo time. Do clube da Gávea, partiu para outros times. Perambulou bastante até chegar ao futebol peruano e, por fim, ao salvadorenho e ao hondurenho. Parou de jogar bola em 1969.

z3.jpg

O grande beque — e também centromédio — banguense era caladão. Na dele. Parte da imprensa não compreendia o jeito macambúzio do Zózimo, um leitor inveterado, e o definia como mascarado. Injustiça. Zózimo era simples. Queria apenas jogar a bola dele, e com pompa. Foi zagueiro brilhante. “Tenho de plantar a minha árvore”, dizia ele, pensando em amealhar uns caraminguás para não passar dificuldades financeiras no futuro. Mas o futuro lhe foi roubado na Estrada do Mendanha, em Campo Grande, zona oeste do Rio, no dia 21 de setembro de 1977, quando o Fusca que dirigia chocou-se violentamente em um poste. Zózimo chegou a saltar do carro, deu dois passos e caiu sem vida no asfalto molhado. Seu relógio parou na hora exata do acidente: 14h45m. Sob um temporal daqueles, o ídolo rumava para o estádio do Campo Grande, onde garotos do time juvenil o aguardavam para mais um treino e um papo com Zózimo, que sabia tudo de bola e um pouco mais. Estudava Pedagogia na Faculdade de Letras. Além do inglês que esbanjara na Suécia, em 58, falava também francês e espanhol fluentemente. Dizia que se um treinador não soubesse falar tais idiomas estaria frito na carreira e longe de qualquer chance de treinar um time do exterior.

Zózimo era artigo de luxo no futebol. Além de saber muito de futebol, era poliglota, culto e, o mais importante, muito bom caráter. Um gentleman.