NO CAMPO COM PANTERA

entrevista: Sergio Pugliese | texto: André Mendonça | fotos e vídeo: Daniel Planel 

Em clima de Copa do Mundo, a equipe do Museu da Pelada voltou a marcar presença na pelada do parceiro Carlinhos Cortázio. O personagem da vez foi o artilheiro Donizete Pantera, que fez história não só no Brasil, mas também no México, adversário da seleção amanhã pelas oitavas de final da Copa do Mundo.

Embora a explosão não seja a mesma dos tempos de Vasco e Botafogo, Donizete exibiu boa forma física e demonstrou desenvoltura a ponto de questionarem na pelada um retorno aos gramados.

- Tenho que emagrecer uns quatro quilos para ficar em plena forma! - brincou Donizete.

Nascido em Pratos, Minas Gerais, o atacante se mudou para Volta Redonda aos cinco anos, quando seu pai foi convidado para trabalhar na Companhia Siderúrgica Nacional. Na nova cidade, foi aprovado no Voltaço, se profissionalizou no clube e só saiu após conquistar o acesso à elite do futebol carioca.

O bom desempenho despertou o interesse do São José-SP, que contratou Donizete e foi vice-campeão paulista em 1989, perdendo na grande final para o São Paulo.

d2.jpg

- Do São José fui para o Botafogo com a missão de substituir o Maurício e fui bicampeão carioca!

Foi aí que surgiu uma oferta irrecusável do Tecos-MEX. Junto com Hernani Banana e Gonçalves, chegou com status de craque, mas a demora para se adaptar ao novo país quase lhe custou a rescisão do contrato.

- Devo muito ao Hernani, que no momento mais difícil, quando eu estava para ir embora, pediu para a diretoria confiar em mim.

Não deu outra! Donizete não só se adaptou, como foi o melhor jogador da temporada e levou a modesta equipe ao título mexicano.

O goleador, no entanto, sentia saudade do Brasil e precisava mostrar serviço no país de origem. Após cinco temporadas de sucesso no México, retornou ao Botafogo em 95 para formar dupla com Túlio Maravilha e conquistar o Campeonato Brasileiro daquele ano.

Se já não fosse o bastante,  foi campeão da Copa Libertadores três anos depois, pelo Vasco, ao lado de Juninho Pernambuco, Felipe, Pedrinho e do parceiro de ataque Luizão, marcando gol nos dois jogos da decisão contra o Barcelona de Guayaquil.

d3.jpg

Apesar de não saber estipular quanto seria um Botafogo de 95 x Vasco de 98, Donizete não ficou em cima do muro para escolher sua melhor dupla.

- Tive a felicidade de jogar com essas duas feras (Túlio e Luizão) e me sentia muito bem ao lado deles. Mas acho que casei melhor com o Túlio, até porque joguei mais tempo com ele! - revelou o Pantera.

Hoje em dia, Donizete se divide entre as peladas e a sua mais nova empresa, a Pantera Sport, para agenciar novos jogadores.

- Canário belga solto está muito difícil! - brincou, em alusão à dificuldade para a descoberta de novos talentos no futebol brasileiro.